O SIGNIFICADO DE HOMEM EM MARTIN HEIDEGGER E O HUMANISMO OCIDENTAL

Alexandre Soares de Souza, José Arlindo de Aguiar Filho

Resumo


A presente pesquisa de cunho teórico, visa abordar o significado de homem em Martin Heidegger em oposição ao humanismo ocidental que, de acordo com ele, se originou do platonismo. Isto significa que o filósofo alemão se encarregou de mostrar que a tradição filosófica advinda de Platão, até os dias de hoje, cometeu um grave erro ao tratar o ser humano apenas enquanto animal racional. Segundo Heidegger, isto desembocou na compreensão metafísica de homem que perpassou toda a história do ocidente. Esta posição ocasionou ao homem sua fragmentação, pois ele passou a ser compreendido e confundido com um ente ou coisa qualquer, gerando, por conseguinte, dois entendimentos: ôntico e ontológico, os quais se encontravam em conflito na alegoria da caverna. Heidegger, se referindo a esta atitude, menciona que o ser humano para ser ele próprio tem que estar, por sua vez, vinculado à compreensão da verdade ou ao sentido de ser, a saber, que o sentido ôntico não se desvencilha do sentido ontológico. A partir disto, não há outro significado para homem senão aquele que o mantém permanentemente ligado ao ser.

Texto completo:

PDF

Referências


GILES, Thomas Ransom. História do existencialismo e da fenomenologia. São Paulo: EPU, 1989.

HEIDEGGER, Martin. Conferências e Escritos Filosóficos. Tradução e notas Ernildo Stein. São Paulo: Nova Cultural, 1996. (Coleção OS PENSADORES).

______. Marcas do caminho. Tradução de Enio Paulo Giachini e Ernildo Stein. Petrópolis, RJ: Vozes, 2008. (Coleção Textos Filosóficos).

______. Ser e tempo. Tradução revisada e apresentação de Márcia de Sá Cavalcante Schuback; posfácio de Emmanuel Carneiro Leão. Vozes: Bragança Paulista, SP: Editora Universitária São Francisco, 2012b, 7ª ed.

______. Ser e verdade: a questão fundamental da filosofia; da essência da verdade. Tradução Emmanuel Carneiro Leão. Petrópolis: Vozes; Bragança Paulista: editora Universitária São Francisco, 2012a, 2ª ed.

______. Sobre o humanismo. Introdução, tradução e notas de Emmanuel Carneiro Leão. Tempo Brasileiro: Rio de Janeiro, 1967.

NUNES, Benedito. Passagem para o poético – Filosofia e poesia em Heidegger. São Paulo: Ática, 1992.

STEIN, Ernildo. Melancolia: ensaios sobre a finitude no pensamento ocidental. – Porto Alegre: Editora Movimento, 1976. – (Coleção Dialética, vol. 4).

ZIMMERMAN, Michael E. Confronto de Heidegger com a Modernidade: tecnologia, política e arte. Tradução João Sousa Ramos. Lisboa (Portugal): Instituto Piaget, 1990. (Coleção Pensamento e Filosofia).


Apontamentos

  • Não há apontamentos.