Práticas sociais de leitura por leitores universitários

Fabíola Mônica da Silva Gonçalves

Resumo


Este artigo é fruto de uma parte dos dados construídos em uma pesquisa desenvolvida sobre a constituição do professor-leitor universitário. Nesta direção, traz as concepções teóricas epistemológicas assumidas sobre a temática central. Para tal, teve como objetivos: (i) conhecer a história de leitura de leitores universitários; (ii) identificar situações de leitura destes leitores universitários; (iii) reconhecer as concepções e as relações estabelecidas com a leitura destes leitores, e; (iv) Propor novos caminhos investigativos em leituras com leitores universitários. Os dados foram construídos a partir de um roteiro de entrevista semiestruturado e analisados com base nas temáticas contidas nas referidas questões. Em linhas gerais, os resultados evidenciaram que a história leitora é marcada pelos contextos sócio-históricos dos quais estes leitores participam.


Texto completo:

PDF PDF

Referências


Beaudouin, V (2002). De la publication à la conversation. Lecture et écriture électroniques. Réseaux, vol 20, n°116, pp. 199-225.

Carvalho, M. (2002). A leitura dos futuros professores: por uma pedagogia da leitura no ensino superior. Teias: Rio de Janeiro, ano 3, nº 5, jan/jun. p. 1-19.

Chartier, R. (1997). A morte do leitor. Revista Nexus. São Paulo, ano IV, nº 6, p. 15-24.

De Oliveira, K. L. (2011). Considerações acerca da compreensão em leitura no ensino superior. Psicologia: Ciência e Profissão,31 (4), 690-701.

De Oliveira, K. L., & dos Santos, A. A. A. (2008). Estudo de intervenção para a compreensão em leitura na universidade.Interação em Psicologia,12(2), p. 169-177. 1

dos Santos, S. D. J. B. (2015). A importância da leitura no ensino superior. Revista de educação, 9(9), p. 77-83.

Ducrot, O. (1987). O dizer e o dito. Revisão técnica da tradução Eduardo Guimarães. Campinas, SP: Pontes.

Ferreira, S. P. A, Gonçalves, F. M (2008). Constituição do professor-leitor: estudo exploratório das condições de leitura e compreensão textual em alunos universitários. Instituição de Fomento: FACEPE APQ-0375-7.07/08. Vigência do projeto: 2008-2010.

Freire, P. (2009). A importância do ato de ler: em três textos que se complementam. 50ª edição. São Paulo: Cortez.

Gil, A. C. (2009). Estudo de caso. São Paulo: Atlas.

Gomes, R. (1994). A análise de dados em pesquisa qualitativa. In M. C. de S. Minayo (organizadora), Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 21ª edição. (pp. 67-80) Petrópolis, RJ: Vozes.

Gonçalves, F. M. S. da (2015). Significação de gêneros de textos por uma agente-leitora universitária. Tese de Doutorado em Psicologia Cognitiva. Recife. Universidade Federal de Pernambuco. 199f.

Grotta, E. (2000). Processo de formação do leitor: relato e análise de quatro histórias de vida. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas.

Kleiman, A. B. (2006). Professores e agentes de letramento: identidade e posicionamento social. Filol. lingüíst. port., n. 8, p. 409-424.

Leite, S. A. S. (2006) (Org.) Afetividade e práticas pedagógicas. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Leite, S. A. S. (2012) Alfabetizar para ler: ler para conquistar a plena cidadania. In: Retratos de leitura no Brasil 3. Zoara Failla (org). São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Instituto Pró-Livro, p. 63-81.

Leite, S. A. S.; Higa, S. E. L (2011). Aproximação e afastamento na relação entre crianças e as práticas de leitura: o papel da mediação pedagógica do professor. In: LEME, M. I. S.; OLIVEIRA, P. S. (Orgs.) Proximidade e Distanciamento. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Marcuschi, L. A. (2008). Produção textual, análise de gêneros e compreensão. São Paulo: Parábola Editorial.

Nunes, J. H. (2003). Aspectos da forma histórica do leitor brasileiro na atualidade. In E. P. Orlandi, (organizadora). A leitura e os leitores. 2ª edição. (pp. 25-47) Campinas, SP. Pontes.

Orlandi, E. P. (2003). A leitura proposta e os leitores possíveis. In E. P. Orlandi, (organizadora). A leitura e os leitores. 2ª edição. (pp. 7-24) Campinas, SP. Pontes.

Orlandi, E. P. (2006a). Discurso e leitura. 7ª edição. São Paulo: Cortez.

Orlandi, E. P. (2006b). A linguagem e seu funcionamento: as formas do discurso. 4ª edição. 4ª reimpressão. Campinas, SP: Pontes Editores.

Orlandi, E. P. (2008). Discurso e texto formulação e circulação dos sentidos. 3ª edição. Campinas, SP: Edições Pontes Editores.

Rojo, R. (2009). Letramentos múltiplos, escola e inclusão social. São Paulo: Parábola Editorial.

Rondel, L. D. S. (2003) Las perspectivas nomotética e ideográfica en el trato a la realidad estudiada por las ciencias sociales. La revista arbitrada Orientación y Consulta, v. 9, n. 1.

Santos, A. A., Suehiro, A. C., & Oliveira, K. L. D. (2004). Habilidades em compreensão da leitura: um estudo com alunos de psicologia. Estudos de Psicologia (Campinas), p. 29-42.

Schwandt, T. A. (2006) Três posturas epistemológicas para a investigação qualitativa: interpretativismo, hermenêutica e construcionismo social. In: DENZIN, Noeman K.; LINCO, S. (Col.). O planejamento da pesquisa qualitativa: teorias e abordagens. Porto Alegre: Artmed.

Silva, E. T. (2012). A escola e a formação de leitores. In: Retratos de leitura no Brasil 3. Zoara Failla (org). São Paulo: Imprensa Oficial do Estado de São Paulo. Instituto Pró-Livro, p. 106-115.

Silva. L. M. (2005). Memórias de leitura: a constituição do leitor escolar. Dissertação de Mestrado. Faculdade de Educação. Universidade Estadual de Campinas.

Street, M. B. (1993). Cross-cultural approoches to literacy. New York: Cambridge University Press.

Tourinho, C (2011). Refletindo sobre a dificuldade de leitura em alunos do ensino superior: “deficiência” ou simples falta de hábito? Revista Lugares de Educação, Bananeiras/PB, v. 1, n. 2, jul.-dez. p. 325-346

Turato, E. R. (2004). A questão da complementaridade e das diferenças entre métodos quantitativos e qualitativos de pesquisa: uma discussão epistemológica necessária. In: GRUBITS, Sonia; NORIEGA, José Angel Vera (Orgs.). Método qualitativo: epistemologia, complementaridades e campos de aplicação. São Paulo: Vetor. p. 17-52.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A REIN - REVISTA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÉ INDEXADA EM:

LATINDEX

ACTUALIDAD IBEROAMERICANA

QUALIS PERIÓDICOS