EDUCAÇÃO MATEMÁTICA INCLUSIVA: ADAPTAÇÃO X CONSTRUÇÃO

Solange Hassan Ahmad Ali Fernandes

Resumo


Resumo
Durante os anos de pesquisas e estudos do grupo Rumo à Educação Matemática Inclusiva, no qual me insiro, muitas perspectivas
teóricas foram pensadas, discutidas e repensadas. Cada uma delas teve sua importância no desenvolvimento pragmático e teórico
do que chamamos Educação Matemática Inclusiva e também para a concepção dos termos - adaptação e construção, que passaram
a ser fundamentais para planejarmos os nossos cenários inclusivos para a aprendizagem. Neste artigo, compartilho sucintamente
algumas influências socioculturais, perspectivas teóricas e práticas bem-sucedidas para que, como educadores, possamos perceber
que não há educando incapaz de aprender. Todos aprendem, mas nem sempre da mesma maneira. O ideal é que o contexto escolar
seja aquele no qual todos queiram ser incluídos.
Palavras-chave: “Educação Matemática Inclusiva”, “Deficiente”, “Adaptação”, “Diversidade”.


Texto completo:

PDF

Referências


Ainscow, M. (2009). Tornar a educação inclusiva: Como essa tarefa deve ser conceituada? In O. Fávero, W.

Ferreira, T. Ireland. & D. Barreiros. (Org.). Tornar a educação inclusiva. Brasília: UNESCO.

Ainscow, M. (2016). Diversity and Equity: A Global Education Challenge. New Zealand Journal of Education

Studies, 51(2), pp.143-155. DOI: 10.1007/s40841-016-0056-x

Brasil. (2001). Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Diretrizes Nacionais para a Educação

Especial na Educação Básica. Brasília: MEC/SEESP.

Santos, C. R. dos, & Fernandes, S. H. A. A. (2016). O design universal na educação a distância: uma proposta

de curso de educação financeira. In: XII Encontro Nacional de Educação Matemática. São Paulo. Anais do

XII Encontro Nacional de Educação Matemática. São Paulo: SBEM, v. 1. pp. 1-13.

Cintra, F. (2004). A acessibilidade da pessoa com deficiência no ambiente educacional. Políticas Públicas de

Educação Inclusiva. Fórum Mundial de Educação. Atividade Auto-Gestionada do Fórum Permanente de

Educação Inclusiva, São Paulo: Instituto Paradigma.

Cole, M., & Wertsch, J. (1996). Beyond the individual-social antinomy in discussions of Piaget and Vygotsky.

Human Development, 39, pp. 250-256.

Corbett, J. (2001) Supporting Inclusive Education: a connective pedagogy. Londres: Routledge.

Faustino, T. A. S. (2015). O pensamento algébrico em atividades relacionadas ao princípio multiplicativo:

empregando tecnologias móveis em uma sala inclusiva. (Dissertação de Mestrado em Educação

Matemática). Universidade Anhanguera de São Paulo, SP, Brasil.

Fávero, M. H. (2014). Psicologia e conhecimento: subsídios da psicologia do desenvolvimento para a análise

do ensinar e aprender. 2ª edição. Brasília: Editora Universidade de Brasília.

Fernandes, S. H. A. A. (2004). Uma análise vygotskiana da apropriação do conceito de simetria por aprendizes

sem acuidade visual. (Dissertação de Mestrado em Educação Matemática), Pontifícia Universidade

Católica de São Paulo.

Fernandes, S. H. A. A. (2008). Das experiências sensoriais aos conhecimentos matemáticos: uma análise

das práticas associadas ao ensino e aprendizagem de alunos cegos e com visão subnormal numa escola

inclusiva. (Tese de Doutorado). Pontifícia Universidade Católica, São Paulo, SP, Brasil.

Fernandes, S. H. A. A., & Healy, L. (2007). Transição entre o intra e interfigural na construção de conhecimento

geométrico por alunos cegos. Educação Matemática Pesquisa, 9, pp. 121-153.

Fernandes, S. H. A. A., & Healy, L. (2008). Educação Matemática e inclusão: abrindo janelas teóricas para a

aprendizagem de alunos cegos. Educação e Cultura Contemporânea, 5, p. 91-105.

Fernandes, S. H. A. A., & Healy, L. (2015). Cenários multimodais para uma Matemática Escolar Inclusiva:

Dois exemplos da nossa pesquisa. In XIV CIAEM. Tuxtla Gutiérrez. Anais do XIV CIAEM Conferencia

Interamericana de Educación Matemática. Chiapas: Editora do CIAEM. pp. 1-12.

Fernandes, S. H. A. A., & Healy, L. (2016). Rumo à educação matemática inclusiva: reflexões sobre nossa

jornada. Revista de Ensino de Ciências e Matemática, Edição Especial: Educação Matemática, 7(4), pp.

- 48.

Fleira, R.C (2016). Intervenções pedagógicas para a inclusão de um aluno autistas nas aulas de matemática:

um olhar vygotsyano. (Dissertação de Mestrado em Educação Matemática). Universidade Anhanguera

de São Paulo, Brasil.

Healy, L., Fernandes, S. H. A. A., & Frant, J. B. (2013). Designing tasks for a more inclusive school mathematics.

In Proceedings of ICMI Study 22 - Task Design in Mathematics Education. 1, pp. 63-70. Oxford.

Marchesi, A. (2004). Da linguagem da deficiência às escolas inclusivas. In: Coll, C., Palacios, J., & Marchesi,(Org.).

Desenvolvimento Psicológico e Educação 3: Transtornos de desenvolvimento e necessidades educativas

especiais. 2a Ed. Porto Alegre: Artes Médicas, Cap. 1 e 2.

Martin, E., & Marchesi, A. (1995). Desenvolvimento metacognitivo e problemas de aprendizagem. In Coll,

C., Palacios, J., & Marchesi, A. (Org.). Desenvolvimento Psicológico e Educação: Necessidades Educativas

especiais e aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artes Médicas. 3, Cap. 2.

Oliveira, M. K. (2002). Vygotsky: Aprendizado e desenvolvimento um processo sócio histórico. São Paulo:

Scipione.

Santos, C. E. R. dos. Ambiente virtual de aprendizagem e cenários para investigação: contribuições para uma

Educação Financeira acessível. (Tese de Doutorado em Educação Matemática). Universidade Anhanguera

de São Paulo. Brasil.

Silva, G. G. (2012). O ensino de matrizes: um desafio mediado para aprendizes cegos e aprendizes surdos.

Unpublished Masters Dissertation. Universidade Bandeirante de São Paulo. Brasil.

The Warnock Report (1978). Special Education Needs: Report of Committee of En-quiry into the Education of

Handicapped Children and Young People. London: Her Majesty’s Stationery Office.

Vitello, S. J., & Mithaug, D. E. (Eds.). (1998). Inclusive Schooling: National and international perspectives.

Mahwah, NJ: Lawrence Erlbaum.

Vygotsky, L. S. (1997). Obras escogidas V – Fundamentos da defectología. Traducción: Julio Guillermo Blank.

Madrid: Visor.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A REIN - REVISTA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÉ INDEXADA EM:

LATINDEX

ACTUALIDAD IBEROAMERICANA

QUALIS PERIÓDICOS