ETNOGRAFIA DA PRISÃO DE MULHERES: EDUCAÇÃO, EXCLUSÃO E VULNERABILIDADE

Paula Almeida de Castro

Resumo


Este artigo apresenta resultados de pesquisa que investigou a situação educacional das mulheres em privação de liberdade
(ALMEIDA, 2013). Constituíram-se como loci de estudo duas penitenciárias femininas e uma unidade para jovens cumprindo
medidas socioeducativas de internação, todas situadas no Estado do Rio de Janeiro. Os registros dos dados realizaram-se com o
auxílio de entrevistas etnográficas, vídeos, documentos e fotografias com as análises pelo método indutivo. Dentre os resultados da
pesquisa, apresentam-se, neste artigo, as explicações sobre a situação de vulnerabilidade das mulheres em privação de liberdade a
partir da fala das mulheres participantes. Além destas, as análises apontaram para as disparidades socioeducacionais na trajetória
de vida das mulheres, evidenciando que a vulnerabilidade social das mesmas são indicadores de desigualdades que não tem
garantido os direitos básicos estabelecidos pelas Leis brasileiras e dos direitos humanos.
Palavras-chave: Educação; Etnografia; Gênero; Encarceramento.


Texto completo:

PDF

Referências


Almeida, Sandra Maciel. (2013). Educação de mulheres e jovens privadas de liberdade: um estudo de

abordagem etnográfica. 2013. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade do

Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Blumer, H. (1967) Society as symbolic interaction. In: Manis, J.; Meltzer, B. (Eds). Symbolic Interaction.

Boston: Allyn and Bacon.

Brasil. (2016). Ministério da Justiça. Censo das Unidades Prisionaise dados agregados. Brasília: Departamento

Penitenciário Nacional. Acesso em: 20 abril, 2017. Disponível em: http://dados.mj.gov.br/dataset/

infopen- levantamento-nacional-de-informacoes-penitenciarias

Castel, R. (2010) As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. 9a ed. Petrópolis, RJ: Vozes.

Castel, R. (1997) A dinâmica dos processos de marginalização da vulnerabilidade a “desfiliação”. Caderno

CRH, Salvador, n. 26/27. pp. 19-40.

Castel, R. (2000) As Armadilhas da Exclusão. In: CASTEL, R; WANDERLEY, L. E. W.; WANDERLEY, M. B.

Desigualdade e questão social. São Paulo: EDUC, pp. 17-50.

Castro, Paula Almeida. (2011) Tornar-se aluno: identidade e pertencimento: um estudo etnográfico. 2011.

f. Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro,

Rio de Janeiro.

Fagundes, T. A. (2011) Pesquisa Docente sobre o conceito de professor pesquisador na formação inicial de

agentes de letramento. 2011. 159f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educacão,

Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Fox, M.; Fine, M. (2010). Circulating critical research: reflections on performance and moving inquiry into

action.

Freire, P. (1992). Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz

e Terra.

Freire, P. (1998) Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro: Paz e Terra. Freire, P. (2005). Pedagogia do Oprimido.

Rio de Janeiro: Paz e Terra.

Guimarães, Ana Archangelo. (2003). Exclusão social e exclusão escolar da perspectiva da emoção. In: Reunião

Anual da ANPED, 26. Poços de Caldas. Anais. Poços de Caldas: Associação Nacional de Pós-Graduação e

Pesquisa em Educação, 2003. Disponível em: Acesso em: 15 mar. 2013

Jacob, E. (1987) Traditions of qualitative research: a review. Review of Educational Research, n. 57, p. 1-50.

Jacob, E. (1998)Clarifying Qualitative Research: a focus on traditions. Educational Researcher, vol. 17, n.1.

Mattos, C. L. G. de; Castro, P. A. de. (2005). Análises etnográficas das imagens sobre realidade do aluno no

enfrentamento das dificuldades e desigualdades na sala de aula. In: BARBOSA, O. I. (Org.). Pesquisa em

Educação: métodos, temas e linguagens. Rio de Janeiro: DP&A, p. 103-116.

Mattos, C. L.G. de. (1999). As medidas socioeducativas e jovens infratores: construindo a contradição no

cotidiano da “escola”. Rio de Janeiro: UERJ. v.3. Relatório da Pesquisa.

Mattos, C.L.G. de. (2000). Metacognição em sala de aula: um estudo sobre os processos de construção

do conhecimento na perspectiva do jovem infrator no Estado do Rio de Janeiro. Relatório de Pesquisa

Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Mattos, C.L.G. de; Almeida, S.M. de; Castro, P.A. de. (2013). Educação e vulnerabilidade: um estudo etnográfico com

jovens e mulheres em privação de liberdade. Revista Eletrônica de Educação, v. 7, n. 1, mai, 32-55. http://www.reveduc.ufscar.

br/index.php/reveduc/article/view/615/231.

Mattos, C.L.G. Metacognição em Sala de Aula. (2001) Rio de Janeiro: ProPEd/ UERJ. Relatório de Pesquisa -

Faculdade de Educação, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro.

Mattos, Carmen Lúcia Guimarães. (1992). Fracasso escolar: imagens e explicações populares sobre dificuldades

educacionais entre jovens da área rural e urbana do estado do Rio de Janeiro. Revista Brasileira de Estudos

Pedagógicos, Brasília, v. 73, n. 174, maio/ago.

Mead, M. (1973) The Art and Technology of Fieldwork. In: R. Narroll; R. Cohen (Eds.). A Handbook of Method

In Cultural Anthropology. New York: Columbia University Press.

Monteiro. (1998). Fazendo e aprendendo pesquisa qualitativa em educação. Minas Gerais: Feme.

Oliveira, Maria Waldenez de. (1998). Gravidez na adolescência: Dimensões do problema. Cadernos CEDES,

(45), 48-70.https://dx.doi.org/10.1590/S0101-32621998000200004.

Pelto, P. (1970). Anthropological research: the structure of inquiry. New York: Harper and Row.

Pinheiro, L. C. A. (2011). A nova remição de penas. Comentários à Lei 12.433/2011. Grupo de Estudos

Carcerários da Universidade de São Paulo. Universidade de São Paulo. Disponível em:

gecap.direitorp.usp.br/gecap/index.php?option=com_content&view=article&id=14:terceira-reuniao

&catid=13:agenda>. Acesso: 15 mar. 2013 .

Puggian, C. (2009) Quando a pesquisa educacional sai da escola: trajetórias acadêmicas de adolescentes que

viveram nas ruas. In: MATTOS, C.L.G. (Org.) Etnografia e educação: Relatos de pesquisa. Rio de Janeiro:

Eduerj.

Schenker, M.; Minayo, M. C. de S. (2005). Fatores de risco e de proteção para o uso de drogas na adolescência.

Ciênc. saúde coletiva, v.10, n.3, p. 707-717.

SPRADLEY, J. P. (1979). The ethnographic interview. New York: Holt, Rinehart and Winston.

Spradley, J. P. (1980). Participant observation. Orlando, EUA, Harcourt.

Torre, M. (2005). The alchemy of integrated spaces: youth participation in research collectives of difference.

In: WEIS, L.; FINE, M. (Ed.). Beyound silenced voices. Albany, NY: State University of New York, p. 251


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A REIN - REVISTA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÉ INDEXADA EM:

LATINDEX

ACTUALIDAD IBEROAMERICANA

QUALIS PERIÓDICOS