Educação Inclusiva: Um Desafio para família, Escola e Educadores

Miriam P S Oliveira

Resumo


 RESUMO

 Foi baseada em pesquisa de campo e numa análise bibliográfica de autores que direta ou indiretamente abordam a inclusão. Concordamos que a formação do sujeito enquanto cidadão, situado historicamente em seu tempo e espaço é o objetivo não só do professor, mas da escola e, esta hoje tem de ser vista como espaço para todos, assegurando a todas as crianças, não só o acolhimento e promoção de integração social, mas também garantir o avanço nos conteúdos (a aprendizagem), independentemente de etnia, religião, condições sociais e de desenvolvimento. As redes de ensino devem ofertar a estrutura necessária, orientações, apoio trabalhos em conjunto de professores com especialistas, união da equipe em prol da aprendizagem. Portanto, fica claro a necessidade de mudanças na escola, partindo de reflexão do papel e valores, detectando a realidade, buscando o ideal de correção do privilégio injusto e da privação escolar, vendo esta, como espaço de relações, buscando resgatar o profissionalismo e a solidariedade de todos que compõem a instituição escolar, ajustando esforços, em busca do desenvolvimento de um mundo livre de opressão e exploração. Deste modo, deverá proporcionar um ambiente de ensino e aprendizagem em direção da construção de uma escola livre de preconceitos, valorizando o conhecimento como parte complementar do ser humano. A inclusão de crianças com necessidades educacionais especiais em escolas regulares é um direito, porém se faz necessário, procurar informações e ajuda (parcerias), restauração ao espaço físico e do projeto pedagógico a fim de melhorar acolher os novos alunos, proporcionando que todos se beneficiem com esse processo.

Palavras chaves: Inclusão, Alunos, Escola, Professor, Reflexão.


Texto completo:

PDF

Referências


REFERÊNCIAS

Aranha, Maria Salete Fábio. Paradigmas da relação da sociedade com as pessoas com deficiência. In Revista do Ministério Público do Trabalho, ano XI, nº 21, março, 2001, p.160-173.

Becker, Fernando. A Epistemologia do Professor: O cotidiano da escola. Petrópolis, RJ: Vozes, 2000.

Brasil, Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional – LDB nº 9.394. Brasília: Senado Federal, 1996.

____, Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Especial. Seminário Nacional sobre Adaptações Curriculares: Adequação Curricular – Um recurso para a educação inclusiva, Pirenópolis, novembro,1997.

____, Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros Curriculares Nacionais: Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC/SEF,1997.

COLL, César; Marchesi, Álvaro; Palacios, Jesus (orgs); trad. Fátima Murad. Desenvolvimento Psicológico e Educação – 2. Ed. Porto Alegre: Artmed, 2004. 3v.

DEMO, Pedro. A LDB. Ranços e Avanços. Campinas: Papirus, 1997.

____, Avaliar para quê? Revista Pitágoras em Rede. São Paulo:Tupynambá, maio, 2003.

FISCHMANN, Roseli. Ensinar Bem é... Lidar com a diversidade. Revista Nova Escola Ed.nº164, agosto, ano XVIII, 2003.

GAIO, Roberta; Meneghetti, Rosa G. Krob (org) – Caminhos Pedagógicos da Educação Especial. Petrópolis, RJ: Vozes, 2004.

GÓES, Maria Cecilia Rafael de; Laplane, Adriana Lia Friszman de (orgs). Política de Educação Inclusiva. Campinas, SP: Autores Associados, 2004 – (coleção Educação Contemporânea).

GUIMARÃES, Artur. A inclusão que funciona. Revista Nova Escola, edição nº165, ano XVIII, setembro, 2003.

HOFFMANN, Jussara. Avaliação dos alunos na nova LDB. Revista Mundo Jovem.Outubro,1997.

LIBÂNEO, José Carlos. Adeus Professor, Adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. São Paulo:Cortez.2000(Coleção Questões da Nossa época; v.67)

LIMA, P.A. Educação Inclusiva e Igualdade Social. Ed. Avencamp: São Paulo, 2006.

LUFT, Celso Pedro. Minidicionário Luft.13 ed.5ª impressão, São Paulo, Ed. Ática, 2004.

MANTOAN, MariaTereza Eglér. Inclusão escolar: O que é? Por quê? Como fazer? 2 ed. - São Paulo:Moderna,2006(Cotidiano escolar: ação docente)

MARTINS, Lúcia de Araújo Ramos- [et al]. Organizadores. Inclusão: Compartilhando Saberes. Petrópolis, Rio de Janeiro: Vozes, 2006.

Mazzotta, M.J.S. Educação Especial no Brasil: História e políticas públicas. 4º Ed. São Paulo: Ed. Cortez, 2003

MOREIRA, Adailson- A Contribuição Pioneira de Pernambuco a Educação Especial no Brasil-Google Acadêmico-setembro, 2008.

MOREIRA, Antônio Flávio e Silva, Tomas Tadeu(ORG). Currículo, Cultura e Sociedade.

MORIM, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro. Brasílias: Cortez, 2000.

OLIVEIRA, Ivanilse Apoluceno de. Saberes, imaginárias representações na Educação especial: A problemática ética da “diferença” e da exclusão social. Petrópolis, RJ:Vozes,2004.

Pan, José Ramón Amor. Afetividade e Sexualidade na Pessoa portadora de Deficiência Mental. Loyola,

ROMÃO, José Eustáquio. Avaliação Dialógica, desafios e perspectivas. 5ed, São Paulo, Cortez, Instituto Paulo Freire (guia da Escola Cidadã V.2);2003.

SANTOS, M. P. dos & PAULINO, MORAES M.(orgs). Inclusão em Educação: culturas, políticas e práticas. 2º Ed. São Paulo: Cortez, 2008.

SEVERINO, A; J. Metodologia do Trabalho Científico. 21ª Ed. Ver. amp. São Paulo: Cortez, 2000.

SISTO, Fernandes; Boruchovitch, Evely; Fini, Lucila Diehl Tolaine; Brenelli, Rosely Palermo; Martinelli, Selma de Cássia (org). Dificuldades de aprendizagem no contexto psicopedagógico. 3º ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A REIN - REVISTA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÉ INDEXADA EM:

LATINDEX

ACTUALIDAD IBEROAMERICANA

QUALIS PERIÓDICOS