Afrobrasilidade na Roda de Capoeira: questões raciais no contexto da Educação Infantil

ANA CLAUDIA IVAZAKI

Resumo


Resumo

 

A capoeira é uma manifestação cultural afro-brasileira marginalizada no decorrer da sua trajetória histórico-social. Seus praticantes enfrentaram muitos desafios, seja no que concerne à luta pelo seu reconhecimento e valorização, seja na sua inserção como prática educativa na educação formal, onde sua importância pode ser ponto de partida de abordagens metodológicas na Educação Infantil por possibilitar a inclusão para a educação das relações étnico-raciais. Este estudo tem, pois, por objetivo fazer uma revisão bibliográfica sobre a temática, discutindo a educação para as relações étnico-raciais à luz da formação de professores/as de Educação Infantil.A pesquisa situa-se no campo de discussão sobre a prática docente e a formação do professorado, tendo em vista que as Unidades Educacionais funcionam como espaços para a formação docente.Verifica-se que a capoeira já é uma realidade em algumas instituições, mas de maneira inconstante, sendo vivenciada, às vezes, apenas pelos/as capoeiras.

 

Palavras-chave: Formação de Professores; Educação Infantil; Capoeira; Educação Étnico-Racial.

 


Texto completo:

PDF

Referências


Referências

Abramowicz, A. &Oliveira, F.(2006). A escola e a construção da identidade na diversidade. In L. M. A.Barbosa& V.R.Silvério.(Orgs.),Educação como prática da diferença.(pp. 41-64). Campinas, SP: Armazém do Ipê (Autores Associados).

Abreu, F. J.(2008). A Repressão à capoeira. Revista Textos do Brasil.14. ed. Capoeira. Brasília: Ministério das Relações Exteriores. Recuperado em06 janeiro, 2017, de http://dc.itamaraty.gov.br/imagens-e-textos/revista-textos-do-brasil/portugues

/revista14-mat2.pdf.

Algarve, V. A. (2005). Cultura negra na sala de aula: pode um cantinho de africanidades elevar a autoestima de crianças negras e melhorar o relacionamento entre crianças negras e brancas? São Carlos, SP: UFScar.

Areias, A. (1983). O que é capoeira.São Paulo: Brasiliense. (Coleção Primeiros Passos).

Barreto, J. J. &Freitas, O. (2009).Pastinha: O mestre da capoeira Angola. Salvador: Assembleia Legislativa do Estado da Bahia.

Brasil (1890). Decreto n. 847, de 11 de outubro de 1890. Promulga o Código Penal. Revogado pelo Decreto n. 11, de 1991. Recuperado em 20 março, 2017, de http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/1851-1899/d847.htm.

Brasil (2003). Lei n. 10.639, de 9 de janeiro de 2003.Altera a Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para incluir no currículo oficial da Rede de Ensino a obrigatoriedade da temática "História e Cultura Afro-Brasileira", e dá outras providências. Brasília: Congresso Nacional. Recuperado em 19 agosto, 2016, dehttp://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2003/l10.639.htm.

Brasil (2004).Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação das Relações Étnico-Raciais e para o Ensino de História e Cultura Afro-Brasileira e Africana.Brasília: MEC/SCDC. Recuperado em 02 janeiro, 2017, de http://www.acaoeducativa.org.br/fdh/wp-content/uploads/2012/10/DCN-s-Educacao-das-Relacoes-Etnico-Raciais.pdf.

Brasil (2010). Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação Infantil. Brasília: MEC/SEF.

Brasil (2014). História e cultura africana e afro-brasileira na educação infantil.Brasília: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Continuada Alfabetização, Diversidade e Inclusão; Universidade Federal de São Carlos. Recuperado em 10 agosto, 2016, de http://unesdoc.unesco.org/images/0022/002270/227009por.pdf.

Campos, H. (2009).Capoeira Regional(Mestre Xéreu). Salvador: EDUFBA.

Charlot, B. (2013).Da relação com o saber às práticas educativas. 1. ed. São Paulo: Cortez. (Coleção docência em formação: saberes pedagógicos).

CMCG – Câmara Municipal de Campina Grande. (2013). Ofício n. 5.030 – DRE – JMO. Voto de Aplausos de 02 de dezembro de 2013. Recuperado em 06 janeiro, 2017, dehttp://www.camara.leg.br/legin/fed/decret/1824-1899/decreto-847-11-outubro-1890-503086-publicacaooriginal-1-pe.html.

Cressoni, F. E. G. (2013).Capoeira Contemporânea: compreensões decorrentes de mestres autodeclarados. Rio Claro: UNESP. 135 f. Recuperado em 06 janeiro, 2017, de http://200.145.6.238/bitstream/handle/11449/108759/000767661.pdf?

sequence=1&isAllowed=y.

Fonseca, V. L. (2008). A capoeira contemporânea: antigas questões, novos desafios. Recorde:Revista do Esporte, 1(1), 1-30.

Frigerio, A. (1989).Capoeira: de arte negra a esporte branco. Revista Brasileira de Ciências Sociais, 10(4) 1-20.

Gomes, M. O. (2009).Formação de professores de educação infantil. São Paulo: Cortez. (Coleção docência em formação. Série educação infantil).

Gomes, N. L. (2005). Alguns termos e conceitos presentes no debate sobre relações raciais no Brasil: uma breve discussão. In Brasil. Educação Antirracista: caminhos abertos pela Lei federal n. 10.639/03 (pp. 39-62).Brasília: MEC; Secretaria de Educação Continuada, alfabetização e diversidade.

Gomes, N. L. (2010).Diversidade Étnico-Racial, inclusão e equidade na educação brasileira: Desafios, políticas e práticas. Recuperado em 04 janeiro, 2018, de http://www.anpae.org.br/iberolusobrasileiro2010/cdrom/94.pdf.

IPHAN - Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. (2007).Dossiê: inventário para registro e salvaguarda da capoeira como Patrimônio Cultural do Brasil. Brasília: IPHAN.

Laraia, R. B. (2009).Cultura: um conceito antropológico. 24. ed. [reimpr.]. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed.

Luz, N. (2014).Ubuntu: a filosofia africana que nutre o conceito de humanidade em sua essência. Por dentro da África, 24 set. 2014. Recuperado em 04 janeiro, 2017, de http://www.pordentrodaafrica.com/cultura/ubuntu-filosofia-africana-que-nutre-o-conceito-de-humanidade-em-sua-essencia.

Mattos, R. A. (2016).História e cultura afro-brasileira. 2. ed. 5. reimpr. São Paulo: Contexto.

MEC. (2007).Programa Ética e Cidadania: Construindo valores na escola e na sociedade: Relações Étnico-Raciais e de Gênero. Brasília: MEC/SEB.

MEC. (2012). Educação Infantil e práticas promotoras de igualdade racial. Coordenação geral de H. Silva Jr., M. A. S. Bento& S. P. Carvalho. São Paulo: Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades – CEERT; Instituto Avisa lá - Formação Continuada de Educadores.

Moraes, E. L. F. (2016).Contribuição da capoeira no Programa Mais Educação para a promoção da cultura afro-brasileira: a experiência de um Centro Integrado de Educação Pública em Santa Bárbara D'Oeste/SP. Americana, SP: Centro Universitário Salesiano de São Paulo.

Munanga, K. (2003). Uma abordagem conceitual das noções de raça, racismo, identidade e etnia. In Seminário Nacional Relações Raciais e Educação–PENESB.Anais. Rio de Janeiro, RJ.

Munanga, K. (Org.) (2005). Superando o racismo na escola. 2. ed. rev. Brasília: Ministério da Educação; Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização e Diversidade.

Oliveira, J. P. (2009). Capoeira, identidade e gênero: ensaios sobre a história social da capoeira no Brasil. Salvador: EDUFBA.

Rêgo, W. (2015).Capoeira Angola: ensaio etnográfico. Ilustrações de André Flauzino. 2. ed. Rio de Janeiro: MC&G.

Rodrigues, T. C. &Abramovich, A. (2013). O debate contemporâneo sobre a diversidade e a diferença nas políticas e pesquisas em educação. Educ. Pesqui.,39(1)85-97.

Simões, R. M. A. (2017). A performance ritual da roda de Capoeira Angola. Revista Textos do Brasil: Capoeira. 14. ed. Brasília: Ministério das Relações Exteriores. Recuperado em 06 janeiro, 2017, dehttp://dc.itamaraty.gov.br/imagens-e-textos/revista-textos-do-brasil/portugues/revista14-mat8.pdf.

Silva, G. O. &Heine. (2008).Capoeira:um instrumento para acidadania. São Paulo: Phorte.

Silva, P. B. G. (2007). Aprender, ensinar e relações étnico-raciais no Brasil étnico-raciais no Brasil.Educação, 3(63), 489-506.

Soares, C. E. L. (1999). Dos nagoas e guaiamus: a formação das maltas. In C. E L. Soares. A negregada instituição: os capoeiras na corte imperial, 1850-1890. Rio de Janeiro: Access.

Sodré, M. (2015).Claros e escuros:identidade, povo, mídia e cotas no Brasil. 3. ed. atual. eampl. Petrópolis, RJ: Vozes.

Sodré, M. (2011).A Ignorância da Diversidade. Núcleo de Pesquisa em Estudos Culturais - NPEC. Recuperado em 08 dezembro, 2017, dehttps://www.youtube.com/watch?v=WfmEABJVeu4.

Vieira, L. R. &Assunção, M. R. (1998a).Os desafios contemporâneos da Capoeira. Revista Textos do Brasil: Capoeira. 14. ed. Brasília: Ministério das Relações Exteriores.Recuperado em06 janeiro, 2017, de http://dc.itamaraty.gov.br/imagens-e-textos/revista-textos-do-brasil/portugues/revista14-mat2.pdf.

Vieira, L. R.&Assunção, M. R. Mitos, controvérsias e fatos: construindo a história da capoeira. Estudos Afro-Asiáticos, 34, 81-121.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A REIN - REVISTA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÉ INDEXADA EM:

LATINDEX

ACTUALIDAD IBEROAMERICANA

QUALIS PERIÓDICOS