A INCLUSÃO DE UMA PROFESSORA COM DEFICIÊNCIA EM UMA INSTITUIÇÃO FEDERAL: reflexões do “legal ao real” á luz da complexidade e da transdisciplinaridade

MARIA DOLORES FORTES ALVES

Resumo


Resumo: Temos nos deparado, nos últimos anos, com uma grande ampliação da discussão sobre a inclusão em todos os espaços. As barreiras físicas e arquitetônicas são evidentes, mas além destas os alunos e mesmo professores com deficiência se deparam com barreiras atitudinais e/ou pedagógicas. Para fomentar tal reflexão à luz da complexidade e da transdisciplinaridade, relatar-se-á o processo de inclusão de uma professora com mobilidade reduzida. Na perspectiva de uma abordagem qualitativa, tomamos comi caminho metodológico, além da pesquisa bibliográfica, apresentaremos brevemente, um Estudo de caso. Mais claramente, o relato sobre a inclusão de uma professora com deficiência física em uma Instituição Federal de Ensino, no nordeste do Brasil. Fez-se com o intuito de instigar sobre a direção da inclusão tão pouco discutida. Desta feita, poderemos perceber nosso processo de co-autonomia, de co-dependência, de cooperação, de co-construção. Nossa autonomia é sempre compartilhada. Precisamos do outro para que sejamos nós mesmos. Assim podermos ampliar nossa consciência e dizer:  outro nos faz, o outro nos fez e fortalece!

Palavras chaves: inclusão, educação para todos, ensino superior, transdisciplinaridade, complexidade

 


Texto completo:

PDF

Referências


ALVES, M. D.; HOLANDA, M. J. Criatividade, espiritualidade e educação: acolhendo a diversidade e favorecendo a inclusão. Revista Filosofia Capital, v. 9, 2014, p. 38-49.

ALVES, M. D.; VIDINHA, M. S. Caminhos metodológicos da teia da diversidade: a pesquisa-ação pelo olhar do pensar complexo e transdisciplinar. In.: CONGRESSO INTERNACIONAL MARISTA DE EDUCAÇÃO, 5º, 2016, Pernambuco, Recife, Olinda. Sentidos, experiências e horizontes. Pernambuco, Recife/Olinda, 2016.

ALVES, M. D. F. Práticas de aprendizagem integradoras e inclusivas: autoconhecimento e motivação. Rio de Janeiro: WAK, 2016.

____. Favorecendo a inclusão pelos caminhos do coração: complexidade, pensamento eco-sistêmico e transdisciplinaridade. Rio de Janeiro, WAK, 2009.

LÜDKE, M. ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em Educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

BRASIL. Legislação brasileira sobre pessoas com deficiência [recurso eletrônico]. – 7. ed. – Brasília : Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2013. 410 p. – (Série legislação; n. 76)

_______. Estatuto da pessoa com deficiência. Lei 13.146/2015, Lei Brasileira de Inclusão. Senado Federal, Brasília, 2015. 93p

_______. Lei Federal nº 9.394, de 20 de dezembro 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 20 dez. 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/l9394.htm. Acesso em: 30/07/2018.

_______. Decreto nº 3.298, de 20 de dezembro de 1999. Regulamenta a Lei nº 7.853, de 24 de outubro de 1989, dispõe sobre a Política Nacional para a Integração da Pessoa Portadora de Deficiência, consolida as normas de proteção e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/decreto/d3298.htm. Acesso em: 30/07/2018.

_______. Ministério da Educação. Resolução CNE/CEB Nº 2, de 11 de setembro de 2001. Institui Diretrizes Nacionais para a Educação Especial na Educação Básica. 2001c. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/CEB0201.pdf. Acesso em: 30/07/2018.

_______. Ministério da Educação. Documento orientador Programa Incluir – Acessibilidade na Educação Superior. Secadi/Sesu-2013. Brasília/DF, 2013. Disponível em: . Acesso em: 30/07/2018.

_______. Ministério da Educação. Decreto nº 7611, de 17 de novembro de 2011. Dispõe sobre a educação especial, o atendimento educacional especializado e dá outras providências. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2011/decreto/d7611.htm. Acessado em: 30/07/2018.

CAPRA, F. A teia da vida: Uma compreensão científica dos sistemas vivos. São Paulo: editora primeira edição 1999.

_____. O Ponto de mutação - A Ciência, a Sociedade e a Cultura Emergentes. São Paulo, Cultrix, 1987.

CLEMENTE, C. A.; SHIMONO, S. O. Trabalho de pessoas com deficiência e lei de Cotas : invisibilidade, resistência e qualidade da inclusão / São Paulo : Edição dos Autores, 2015. 136 p

DELORS, J.; et al. Educação: um tesouro a descobrir. Relatório para a UNESCO da comissão Internacional de Educação para o Século XXI. Brasília: UNESCO, 2010.

MATURANA, H; VARELA, F. De máquinas e seres vivos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1997.

_____;_____. A Árvore do Conhecimento: as bases biológicas da compreensão humana. Tradução; Humberto Mariotti e Lia Diskin. São Paulo, Pala Athenas, 2001.

NICOLESCU, B. O manifesto da transdisciplinaridade. São Paulo: Trion, 2008.

MORAES, M. C. Contribuições para um pensamento do sul in MORIN, Edgard. et. al. Por um pensamento do sul: diálogos com Edgar Morin. Rio de Janeiro: SESC, Departamento Nacional, 2011.

_____.. Ecologia dos saberes: Transdisciplinaridade, complexidade e educação. São Paulo: ProLíbera Editora: Antakarana/WHH -Willis Harman House, 2008.

_____. Pensamento eco-sistêmico: educação, aprendizagem e cidadania no século XXI. São Paulo: Vozes, 2004.

_____. Educar na biologia do amor e da solidariedade. São Paulo: Vozes, 2003.

MORIN, E. Introdução ao pensamento complexo. Lisboa: Instituto Piaget,1997.

NICOLESCU, B. O manifesto da transdisciplinaridade. São Paulo: Triom, 1999.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A REIN - REVISTA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÉ INDEXADA EM:

LATINDEX

ACTUALIDAD IBEROAMERICANA

QUALIS PERIÓDICOS