ACESSIBILIDADE TECNOLÓGICA E PEDAGÓGICA: POSSIBILIDADES E DESAFIOS PARA OS ESTUDANTES COM CEGUEIRA NA UFCG

Sonia Maria de Lira, Bruno Bueno de Lira Nepomuceno, Jullyane de Farias Cipriano, Andreza Kellu Guedes de Medeiros, Jessé Andrade de Oliveira

Resumo


A inclusão no Ensino Superior é colocada pelas legislações e pelos documentos orientadores do Ministério da Educação (MEC) como uma exigência, mas a sua efetivação ainda demanda recursos e ações que viabilizem a implementação. Dessa forma, este trabalho pretende analisar um dos relatos apresentados na mesa redonda “Experiências e pesquisas: deficiência visual”, no I Encontro de Inclusão no Ensino Superior, realizado nos dias 29 e 30 de maio de 2019, na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG), Campus I. Uma das temáticas da supracitada mesa enfocou o uso das tecnologias assistivas (TA) pelos estudantes com cegueira. Isto porque, tais instrumentos podem contribuir para ampliação dos conhecimentos destes indivíduos, desde que sejam acompanhados de metodologias adequadas. Neste processo, encaminhamos a investigação, utilizando a observação participante para coleta de informações, a qual favoreceu a análise da supracitada mesa e de momentos formativos ocorridos na UFCG, além da utilização de depoimentos informais dos estudantes. Nesta perspectiva, verificou-se a necessidade de um política de formação e sensibilização, orientação e mobilização no tocante à equipe docente, gestores e técnico-administrativos, pois a aquisição de equipamentos e melhoria da estrutura física é fundamental, no entanto devem ser acompanhados de ações que favoreçam uma formação comprometida com a inclusão para os diversos segmentos universitários.


Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, S. L. M. (Fotógrafo) Formação: uso da linha braile no CH e no LAEG. Campina Grande, maio 2019.

BERSCH, R. (2013) Introdução à tecnologia assistiva. Disponível em: http://www.assistiva.com.br/Introducao_Tecnologia_Assistiva.pdfAcesso em: 15 maio 2016.

BRASIL. (2011) Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência (2007). Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência. Brasília : Secretaria de Direitos Humanos, Secretaria Nacional de Promoção dos Direitos da Pessoa com Deficiência.

BRASIL. (2015) Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência. Brasília: Subchefia para assuntos jurídicos da Presidência da República.

DOMINGUES, C. A. (2010) A Educação Especial na perspectiva da Inclusão Escolar: os alunos com deficiência: baixa visão e cegueira. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial.

FRANCKLIN, A.; LOURENCETTI, G. D. C. (2016)As implicações da ausência de formação continuada para o uso das tecnologias na educação. Ciência et Praxis. Passos, MG, v. 9, n. 17, p. 67-72.

GALVÃO FILHO, T. A. (2009) A Tecnologia Assistiva: de que se trata? In: MACHADO, G. J. C.; SOBRAL, M. N. (Orgs.). Conexões: educação, comunicação, inclusão e interculturalidade. 1 ed. Porto Alegre: Redes Editora, p. 207-235. Disponível em: www.galvaofilho.net/assistiva.pdf. Acesso em: 14 nov. 2016.

________________. Deficiência intelectual e tecnologias no contexto da escola inclusiva. In: GOMES, Cristina (org.) (2016). Discriminação e racismo nas Américas: um problema de justiça, equidade e direitos humanos. Curitiba: CRV. Disponível em: http://www.galvaofilho.net/DI_tecnologias.pdf. Acesso em: 01 nov. 2016.

GAMBARATO, V. T. S; BATISTA, A. P; GIANDONI, L. S. (2012) Uso de tecnologias assistivas na educação superior tecnológica. Revista Tékhne ε Lógos. Botucatu, SP, v.3, n.1, p. 109-127.

IBGE (2016). Acesso à Internet e à Televisão e Posse de Telefone Móvel Celular para Uso Pessoal: 2015. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, Coordenação de Trabalho e Rendimento, Rio de Janeiro. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/livros/liv99054.pdf. Acesso em: 12 maio 2019.

LIRA, S. M. et al. (2018) Desafios à garantia do direito ao ensino superior para estudantes cegos na Universidade Federal Campina Grande: a política neoliberal inviabilizando direitos. Rev. Incl. Vol. 5. Num. Especial, pp. 17-39.

LIRA, S. M.; ALENCAR, D. N. F. (2017) A dialética inclusão/exclusão no contexto socioespacial do Semiárido Nordestino: o direito à Educação Geográfica para as Pessoas com Deficiência Visual. Rev. Incl. Vol. 4. Num. Especial, pp. 75-104.

LIRA, S. M. (2017) Adaptações curriculares para estudantes com deficiência visual noInstituto dos Cegos de Campina Grande/PB. Revista Educação Inclusiva, Campina Grande, PB, v. 1, n. 1, p. 96-105. Disponível em: http://revista.uepb.edu.br/index.php/REIN/article/view/3880/2231. Acesso em: 30 ago 2019.

LOPES, M. C. (2013) Inclusão & Educação. Belo Horizonte: Autêntica Editora.

MANZINI, E. J. (2005) Tecnologia assistiva para educação: recursos pedagógicos adaptados. In: Ensaios pedagógicos: construindo escolas inclusivas. Brasília: SEESP/MEC, p. 82-86.

MEC. (2016) Documento orientador das comissões de avaliação in loco para instituições de educação superior com enfoque em acessibilidade. Brasília: INEP. Disponível em: http://download.inep.gov.br/educacao_superior/avaliacao_institucional/documentos_orientadores/2016/documento_orientador_em_acessibilidade_avaliacao_institucional.pdf Acesso em: 30 ago. 2019.

MEIRA, S. L. B., ARENA, C., BEZERRA, C. (2016). Formação de Professores e o Uso de Novas Tecnologias na Sala de Aula: o Trabalho do Grupo de Educadores Google de Brasília. Physicae Organum: Revista dos Estudantes de Física da Universidade de Brasília. Disponível em: http://periodicos.unb.br/index.php/physicae/article/download/17444/13103. Acesso em: 18 maio 2019.

ROPOLI, E. A. (2010) A Educação Especial na perspectiva da Inclusão Escolar: a escola comum inclusiva. Brasília: Ministério da Educação, Secretaria de Educação Especial.

SANTOS, B. S. (2013) Pela mão de Alice: O social e o político na transição pós-moderna. São Paulo: Ed. Cortez.

SILVA. G. R. B. (2014) Acessibilidade e mobilidade em espaços usados por portadores de deficiência visual: o caso do entorno do Instituto dos Cegos. Campina Grande: UFCG.

TECNOVISÃO. (2019) Imagem da Linha Braile EDGE 40. Disponível em: https://www.tecnovisao.net/tecnovisao/produtos/detalhes/cod/36. Acesso em: 30 ago.

TRIVIÑOS, A. N. S. (2006) Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas.

TUAN, Y. Topofilia: um estudo da percepção, atitudes e valores do meio ambiente. Londrina: Eduel, 2012.

UNESCO. Declaração de Salamanca e Enquadramento da ação nas áreas das necessidades educativas especiais. In: Conferência Mundial sobre necessidades educativas especiais: acesso e qualidade. Salamanca, Espanha, 1994.

VIGOTSKI, Lev Seminovich. Obras Completas: fundamentos da defectologia. Tomo V. trad. Lic Ma. Del Carmen Ponce Fernández. Ciudad de La Habana: Editorial Pueblo y Educación, 1989.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


A REIN - REVISTA EDUCAÇÃO INCLUSIVA ESTÉ INDEXADA EM:

LATINDEX

ACTUALIDAD IBEROAMERICANA

QUALIS PERIÓDICOS

DIADORIM