Propondo um Currículo Trivium Fundamentado nas Perspectivas da Etnomatemática e da Modelagem

Milton Rosa, Daniel Clark Orey

Resumo


Existe a necessidade da proposição de um currículo baseado na etnomatemática que encoraje os professores na identificação das práticas de ensino e aprendizagem e as suas ações pedagógicas. Descrevemos nesse trabalho teórico uma proposta pedagógica fundamentada no currículo Trivium proposto por D’Ambrosio, composto pela literacia, materacia e tecnoracia, que possbilita o desenvolvimento de atividades escolares embasadas na etnomatemática e na modelagem. Nesse currículo, a literacia é a capacidade que os alunos possuem de processar as informações presentes em suas vidas diárias; a materacia é a capacidade que os alunos possuem de interpretar e analisar os sinais e códigos com o objetivo de propor modelos para encontrar soluções para os problemas enfrentados diariamente e a tecnoracia é a capacidade que os alunos possuem de utilizar e combinar diferentes instrumentos para auxiliá-los na resolução desses problemas. Nesse currículo, a numeracia também desempenha um papel importante para o seu desenvolvimento.


Texto completo:

PDF

Referências


BANDEIRA, F. A.; LUCENA, I. C. R. Etnomatemática e práticas sociais. Coleção Introdução à Etnomatemática. Natal, RN: UFRN, 2004.

BARBOSA, J. C. Mathematical modelling in classroom: a socio-critical and discursive perspective. ZDM, v. 38, n. 3, p. 293-301, 2006.

BASSANEZI, R. C. Ensino-aprendizagem com modelagem matemática. São Paulo, SP: Editora Contexto, 2002.

CHIEUS, G. J. Etnomatemática: reflexões sobre a prática docente. In RIBEIRO, J. P., DOMITE, M. C. S.; FERREIRA, R. (Eds.), Etnomatemática: papel, valor e significado. São Paulo, SP: ZOUK, 2004. pp. 185-202.

CORTES, D. P. O. Re-significando os conceitos de função: um estudo misto para entender as contribuições da abordagem dialógica da etnomodelagem. 225f. Dissertação de Mestrado. Departamento de Educação Matemática. Ouro Preto, MG: Universidade Federal de Ouro Preto, 2017.

DAMAZIO, A. Especifidades conceituais da matemática da atividade extrativa do carvão. Coleção Introdução à Etnomatemática. Natal, RN: UFRN, 2004.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática. São Paulo, SP: Editora Ática, 1990.

D’AMBROSIO, U. Mathematics and peace: our responsibilities. ZDM, v. 30, n. 3, p. 67-73, 1998a.

D’AMBROSIO, U. Resumo das aulas dadas no curso virtual sobre etnomatemática na UVLA. Universidade Virtual Latinoamericana. São Paulo, SP: Site Oficial do Ubiratan D’Ambrosio, 1998b. Disponível em <>. Acesso em 06/02/2018.

D’AMBROSIO, U. Literacy, matheracy, and technoracy: a trivium for today. Mathematical Thinking and Learning, v. 1, n. 2, p. 131-53, 1999.

D’AMBROSIO, U. General remarks on ethnomathematics. ZDM, v. 33, n. 3, p. 67-69, 2001.

D’AMBROSIO, U. Sociedade, cultura, matemática e seu ensino. Educação e Pesquisa, v. 31, n. 1, p. 99-120, 2005

D’AMBROSIO, U. A relevância do projeto indicador nacional de alfabetismo funcional – INAF como critério de avaliação da qualidade do ensino de matemática. In FONSECA, M. C. F. R. (Org.), Letramento no Brasil: habilidades matemáticas. São Paulo, SP:Editora Global, 2004. pp. 31-46.

D’AMBROSIO, U. Peace, social justice, and ethnomathematics. The Montana Mathematics Enthusiastic, Monograph 1, p. 25-34, 2007a.

D’AMBROSIO. U. The role of mathematics in educational systems, ZDM, v. 39, n. 1-2, p. 173-181, 2007b.

D’AMBROSIO, U. Educação numa era de transição. Revista Matemática & Ciência, v. 1, n. 1, p. 8-18, 2008.

D’AMBROSIO, U.; D’AMBROSIO, B. S. The role of ethnomathematics in curricular leadership in mathematics education. Journal of Mathematics Education at Teachers College, v. 4, p. 19–25, 2013.

D’AMBROSIO, U., & ROSA, M. A dialogue with Ubiratan D’Ambrosio: a Brazilian conversation about ethnomathematics. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, v. 1, n. 2, p. 88-110, 2008.

DUARTE, C. G. Implicações curriculares a partir de um olhar sobre o mundo da construção civil. In KNIJNIK, G., WANDERER, F., OLIVEIRA, C. J. (Eds.), Etnomatemática: currículo e formação de professores. Santa Cruz do Sul, RS., Brazil: EDUNISC, 2004. pp. 195-215.

EGLASH, R., BENNETT, A., O’DONNELL, C., JENNINGS, S.; CINTORINO, M. Culturally situated designed tools: ethnocomputing from field site to classroom. American Anthropologist, v. 108, n. 2, p. 347-362, 2006.

FELLMAN, J. D., GETIS, A.; GETIS, J. Human geography: landscapes of human activities. Chicago, IL: McGraw Hill, 1990.

FERREIRA, E. S. Etnomatemática: uma proposta metodológica. Rio de Janeiro, RJ: MEM/USU, 1997.

FONSECA, M. C. F. R. Letramento no Brasil: habilidades matemáticas. São Paulo, SP: Editora Global, 2004.

FRANKENSTEIN, M. Educação matemática crítica: uma aplicação da epistemologia de Paulo Freire. In M. A. V. Bicudo (Org.). Educação matemática. São Paulo, SP: Editora Centauro, 2005. pp. 101-140.

GERDES, P. On culture, geometrical thinking and mathematics education. In POWELL, A. B.; FRANKENSTEIN, M. (Eds.). Ethnomathematics: challenging Eurocentrism in mathematics education. Albany, NY: State University of New York, 1997. pp. 223-247.

HUXLEY, J. S. Evolution, cultural and biological. Yearbook of Anthropology. Chicago, IL: University of Chicago, 1955.

JABLONKA, E. Mathematical literacy. In A. Bishop, M. A. Clements, C. Keitel, J. Kilpatrick, & F. Leung (Eds.). Second international handbook of mathematics education. Dordrecht, The Netherlands: Kluwer, 2003. pp. 75-102.

KIM, B.; REEVES, T.C. Reframing research on learning with technology: in search of the meaning of cognitive tools. Instructional Science, v. 35, n. 3, p. 207-256, 2007.

KNIJNIK, G. (1996). Exclusão e resistência: educação matemática e legitimidade cultural. Porto Alegre, RS., Brazil: Editora Artes Médicas.

LACERDA, N. A. Linguagem e cognição: categorização e significado das concepções de educadores sobre tecnologia digital. Doutorado em Estudos Linguísticos. Faculdade de Letras. Belo Horizonte, MG: UFMG, 2012.

MENEZES, E. T.; SANTOS, T. H. Verbete comunicação assíncrona. Dicionário Interativo da Educação Brasileira - Educabrasil. São Paulo, SP: Midiamix, 2001.

MONTEIRO, A.; DOMITE, M. C.; OREY, D. C. Etnomatemática: papel, valor e significado. In RIBEIRO, J. P. M., DOMITE, M. C. S.; FERREIRA, R. (Eds.). Etnomatemática: papel, valor e significado. São Paulo, SP: ZOUK. pp. 13-37.

MONTEIRO, A.; NACARATO, A. M. (2004). Relações entre saber escolar e saber cotidiano: apropriações discursivas de futuros professores que ensinarão matemática. BOLEMA, n. 17, v. 22, p. 1-17, 2004.

NESS, D. Paulus Gerdes - Sona geometry from Angola: mathematics of an African tradition. Book review. ZDM, v. 39, p. 261-263, 2007.

OLSON, G. M.; OLSON, J. S. Mitigating the effects of distance on collaborative intellectual work. Economics of Innovation and New Technologie, v. 12, p. 27-42, 2003.

PEA, R. Practices of distributed intelligence and designs for education. In SALOMON, G. (Ed.). Distributed cognitions: psychological and educational considerations. Cambridge, England: Cambridge University Press, 1993. pp. 47-87.

PONTE, J. P. As novas tecnologias e a educação. Lisboa, Portugal: Texto Editora, 1997.

RIOS, D. P. Primero etnogeometría para seguir con etnomatemática. In DOMITE, M. C. S. (Ed.), Anais do Primeiro Congresso Brasileiro de Etnomatemática – CBEm-1. São Paulo, SP: FE-USP, 2000. pp. 367-375.

ROSA, M. Currículo e matemática: algumas considerações na perspectiva etnomatemática. Plures Humanidades, v. 6, n. 6, p. 81-96, 2005.

ROSA, M. A mixed-methods study to understand the perceptions of high school leaders about English Language Learners (ELL) students: the case of mathematics. Tese de Doutorado. College of Education. Sacramento, CA: California State University, Sacramento - CSUS, 2010.

ROSA, M.; OREY, D. C. Vinho e queijo: etnomatemática e modelagem! BOLEMA, v. 16, n. 20, p. 1-16, 2003.

ROSA, M.; OREY, D. C. Abordagens atuais do programa etnomatemática: delineando-se um caminho para a ação pedagógica. BOLEMA, v. 19, n. 26, p. 19–48, 2006.

ROSA, M.; OREY, D. C. Ethnomathematics and cultural representations: teaching in highly diverse contexts. Acta Scientiae, v. 10, p. 27-46, 2008.

ROSA, M.; OREY, D. Symmetrical freedom quilts: the ethnomathematics of ways of communication, liberation, and art. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, v. 2, n. 2, 52-75, 2009.

ROSA, M.; OREY, D. C. Ethnomodelling: a pedagogical action for uncovering ethnomathematical practices. Journal of Mathematical Modelling and Application, v. 1, n. 3, p. 58-67, 2010.

ROSA, M.; OREY, D. C. Ethnomodelling as a research theoretical framework on ethnomathematics and modelling. JUME - Journal of Urban Mathematics Education, v. 6, n. 2, p. 62-80, 2013.

ROSA, M.; OREY, D. C. A trivium curriculum for mathematics based on literacy, matheracy, and technoracy: an ethnomathematics perspective. ZDM, v. 47, n. 4, p. 587-598, 2015.

SKOVSMOSE, O. Towards a philosophy of critical mathematics education. Dordrecht, The Netherlands: Kluwer Academic, 1994.

SKOVSMOSE. O. Traveling through education. Rotterdam, The Netherlands: Sense Publishers, 2005.

TREFFERS, A.; GOFFREE, F. Rational analysis of realistic mathematics education: the Wiskobas program. In STREEFLAND, L. (Ed.). Proceedings of the 9th annual conference of the International Group for the Psychology of Mathematics Education. Volume 2. Utrecht, The Netherlands: PME, 1985. pp. 97-121.

TURNER, R. Exploring mathematical competencies. Research Developments, v. 24, Summer, p. 3-7, 2010-2011.

YASUKAWA, K.; JOHNSTON, B. A numeracy manifesto for engineers, primary teachers, historians (…) a civil society – can we call it theory? Proceedings of the Australian Bridging Mathematics Network Conference. Sidney, Australia: University of Sidney, 1994. pp. 191-199.

ZEVENBERGEN, R. Citizenship and numeracy: implications for youth, employment and life beyond school yard. Quadrante, v. 11, n. 1, p. 29-39, 2002.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES
 
 
http://www.citrevistas.cl/actualidad/b2b_g8.htm
 
 
http://diadorim.ibict.br/
 
 
 
https://oei.org.br/