UMA ANÁLISE DOS REGISTROS ETNOMATEMÁTICOS DE ESTUDANTES SURDOS QUE SE COMUNICAM EM LÍNGUA BRASILEIRA DE SINAIS - LIBRAS

Rodrigo Carlos Pinheiro, Milton Rosa

Resumo


Neste artigo, analisamos alguns registros etnomatemáticos, produzidos por alunos Surdos, obtidos em uma pesquisa de mestrado referente ao desenvolvimento da Educação Financeira para alunos Surdos sob a perspectiva do Programa Etnomatemática. Para tanto, delineamos o perfil dos participantes, bem como uma breve descrição da Teoria Fundamentada nos Dados (Grounded Theory), que foi o design metodológico utilizado para conduzir este estudo e, em seguida, evidenciamos a relação da Etnomatemática com a Cultura Surda por meio dos jargões e dos procedimentos utilizados pelos alunos Surdos ao estudarem os conteúdos matemáticos relacionados à Educação Financeira. Apresentamos, também, as diferentes formas de sinalizar um mesmo conteúdo matemático e as barreiras comunicativas geradas por essas diferenciações dos sinais. Os resultados obtidos nesse estudo mostram que a etnomatemática contribuiu para o entendimento e a conscientização das características da Cultura Surda e de suas relações com a matemática escolar.


Texto completo:

PDF

Referências


D’AMBROSIO, U. Ação pedagógica e etnomatemática como marcos conceituais para o ensino de matemática. In: BICUDO, M. A. V. (Org.). Educação matemática. São Paulo, SP: Moraes, 1994.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática: arte ou técnica de explicar e conhecer. São Paulo, SP: Editora Ática, 1998.

D’AMBROSIO, U. Etnomatemática - elo entre as tradições e a modernidade. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2009.

FERREIRA, A. B. H. Miniaurélio Século XXI Escolar: O Minidicionário da língua portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2000.

GLASER, B. G.; STRAUSS, A. L. The discovery of grounded theory: strategies for qualitative research. Chicago, IL.: Aldine, 1967.

KLIMA, E. S.; BELLUGI, U. The signs of language. Cambridge, MA: Harvard Universiy Press, 1979.

MANTOAN, M. T. E. Inclusão promove a justiça. Revista Nova Escola Online. São Paulo, SP: Abril, 2009. Disponível em: http://acervo.novaescola.org.br/formacao/maria-teresa-egler-mantoan-424431.shtml. Acessado em 12 de Março de 2017.

MONTEIRO, A.; POMPEU JR., G. A matemática e os temas transversais. São Paulo, SP: Editora Moderna, 2001.

PERLIN, G. T. História dos Surdos. Florianópolis, SC: UDESC/CEAD, 2002.

PINHEIRO, R. C. Contribuições do programa etnomatemática para o desenvolvimento da educação financeira de alunos Surdos que se comunicam em Libras. Dissertação de Mestrado. Departamento de Educação Matemática. Ouro Preto, MG: UFOP, 2017.

PINHEIRO, R. C; ROSA, M. O Programa Etnomatemática como uma Ação Pedagógica para o Desenvolvimento da Educação Financeira de Alunos Surdos que se comunicam em Libras. Revista Latinoamericana de Etnomatemática, 10(3), 181-200.

QUADROS, R. M.; PERLIN G. T. T. Estudos Surdos II. Petrópolis, RJ: Arara Azul, 2007.

ROSA, M. A mixed-methods study to understand the perceptions of high school leaders about English Language Learners (ELL) students: the case of mathematics. Tese de Doutorado. College of Education. Sacramento, CA: California State University, Sacramento - CSUS, 2010.

ROSA, M.; OREY, D.C. A modelagem como um ambiente de aprendizagem para a conversão do conhecimento matemático. BOLEMA, v. 26, n. 42A, p. 261-290, 2012.

SAMOVAR, L. A.; PORTER, R. E. Communication between cultures. Beijing, China: Foreign Language Teaching and Research Press, 2000.

SKLIAR, C. Educação e exclusão: abordagens sócio antropológicas em educação especial. Porto Alegre, RS: Mediação, 2004.

STROBEL, K. As imagens do outro sobre a cultura surda. Florianópolis. Editora UFSC. 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


INDEXADORES
 
 
http://www.citrevistas.cl/actualidad/b2b_g8.htm
 
 
http://diadorim.ibict.br/
 
 
 
https://oei.org.br/