USO DE FITOTERÁPICOS POR MULHERES DO MUNICÍPIO DE TAUÁ, CEARÁ, BRASIL

Francisco Ernani Alves Magalhães

Resumo


Fitoterápico é o resultado da industrialização da planta medicinal para se obtiver um medicamento. Assim, a diferença entre planta medicinal e fitoterápica reside na elaboração da planta para uma formulação específica. Baseando-se no exposto, este trabalho reporta o uso de fitoterápicos por mulheres do Município de Tauá, Ceará, Brasil. O estudo foi realizado com entrevista de 50 mulheres entre 18 e 83 anos na cidade de Tauá-Ce, que utilizam ou já utilizaram plantas medicinais como fitoterápicos. Para coleta de dados foi aplicado um questionário semi-estruturado como roteiro complementado por entrevistas livres e conversas informais em que se buscou obter o máximo de informações sobre o uso das plantas medicinais e seus benefícios. Como resultado desta pesquisa, 84% da população investigada utilizam plantas medicinais e apenas 16% não fazem uso das mesmas. Os resultados revelaram que o fitoterápico mais utilizado era a hortelã (Mentha piperita), de forma isolada ou combinada com outras plantas medicinais. A utilização deste foi feita, principalmente, por mulheres que tem o primeiro grau incompleto, para o tratamento de gripes ou resfriados, utilizando através de chás, xaropes ou lambedores. Os fitoterápicos são adquiridos através de plantações em suas próprias casas, comércios ou parentes.

Palavras-chave


Plantas medicinais; Hortelã (Mentha piperita); Fitoterápicos

Texto completo:

PDF

Referências


BARBOSA, A.S.; SOUSA, E.G.; SILVA, M.A.; OLIVEIRA, H.S.M.C.; MEDEIROS, M.B. (2007). Plantas medicinais: aspectos do uso de fitoterápicos na melhoria da qualidade de vida humana. In X ENCONTRO DE INICIAÇÃO À DOCÊNCIA, Universidade Federal da Paraíba, Brasil, 2007. Anais...Paraíba: Universidade Federal da Paraíba, 2007.

BRASILEIRO, M.T.; EGITO, A.A.; LIMA, J.R.; RANDAU, K.P.; PEREIRA, G.C.; ROLIM NETO, P.J. Ximenia americana L.: botânica, química e farmacologia no interesse da tecnologia farmacêutica. Revista Brasileira de Farmácia, v.89, n.2, p.164-167, 2008.

CASTELLUCCI, S.; LIMA, M.I.S.; NORDI, N.; MARQUES, J.G.W. Plantas medicinais relatadas pela comunidade residente na Estação Ecológica de Jataí, município de Luís Antonio/SP: uma abordagem etnobotânica. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.3, n.1, p.51-60, 2000.

FARIA, D.P.; ESCHER, A.; FRANÇA, S.A. Chá verde como coadjuvante no tratamento da obesidade e suas comorbidades. UNI Ciências, v.14, n.2, p.105-126, 2010.

FRANCO, E.A.P.; BARROS, R.F.M. Uso e diversidade de plantas medicinais no Quilombo Olho D’água dos Pires, Esperantina, Piauí. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.8, n.3, p.78-88, 2006.

FUNARI, C.S.; FERRO, V.O. Uso ético da biodiversidade brasileira: necessidade e oportunidade. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.15, n.2, p.178-182, 2005.

KOUL, O.; ISMAN, M.B.; KETKAR, C.M. Properties and uses of neem, Azadirachta indica. Canadian Journal of Botany, v.68, n.1, p.1-11, 1990.

LORENZI, H.; MATOS, F.J.A. Plantas medicinais no Brasil: nativas e exóticas. 2ª Edição, São Paulo, Nova Odessa: Plantarum, Instituto plantar, 2008. 544p.

MARODIN, S.M.; BAPTISTA, L.R.M. O uso de plantas com fins medicinais no município de Dom Pedro de Alcântara, Rio Grande do Sul, Brasil. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.4, n.1, p.57-68, 2001.

MARTINEZ, S.S. (2002). O nim (Azadirachta indica): natureza, usos múltiplos e produção. Londrina: Instituto Agronômico do Paraná- IAPAR, 142.

MENEZES JUNIOR, A. (2011). Erva doce. Oficina de ervas e farmácia fitoterápica: a saúde em equilíbrio com a natureza. Disponível em http://www.oficinadeervas.com.br/detalhe.php?id_produto=489&p=erva-doce. Acesso em: 24/9/12.

MENEZES, S.M.S. Avaliação da eficácia antimicrobiana do extrato hidroalcoólico dos frutos de Punica granatum L. (romã) na placa bacteriana. 2004. 80p. Dissertação (Mestrado em Farmacologia Clínica), Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, Brasil.

MODRO, A. F. H.; RIEDER, A. Uso de hortelã (Mentha spp) e erva cidreira (Lippia alba), como plantas da flora medicinal e apícola, por docentes casados e solteiros de Mato Grosso, In: IV Simpósio sobre recursos naturais e socioeconômicos do Pantanal Corumbá/MS. 2004. Anais...Mato Grosso do Sul, Universidade federal de Mato Grosso do Sul, Brasil.

MONTEIRO, M.R. Avaliação do potencial tóxico e antioxidante do extrato aquoso de boldo do Chile (Peumus boldus Mol.) em cepas de Escherichia coli. 2008. 56p. Dissertação (Mestrado em Biologia) Centro Biomédico, Instituto de Biologia Roberto Alcântara Gomes, Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, Brasil.

OLIVEIRA, C.J.; ARAUJO, T.L. Plantas medicinais: usos e crenças de idosos portadores de hipertensão arterial. Revista Eletrônica de Enfermagem, v.09, n.1, p.93-105, 2007.

ORQUIZA, S.M.C. Terapias alternativas. Disponível em: . Acesso em: 24/9/11.

PARENTE, C.E.T; ROSA, M.M.T. Plantas comercializadas como medicinais no município de Barra do Piraí. Revista Brasileira de Plantas Medicinais, v.52, n.80, p.47-59, 2001.

PEREIRA, R.C.; OLIVEIRA, M.T.R.; LEMOS, G.C.S. Plantas utilizadas como medicinais no município de Campos de Goytacaz - RJ. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.14, n.1, p.37-40. 2004.

PEREIRA, L.R.; SILVA, A.L.R.; SOUSA, C.R. Plantas medicinais no sertão de Crateús-Ce. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.14, n.1, p.37-40, 2007.

PINTO, L.N. Plantas medicinais utilizadas em uma comunidade do município de Igarapé–Mire Pará: etnofarmácia do município de Igarapé Mire–PA. 2008. 98p. Monografia (Graduação de Química)–Departamento de Química, Universidade Estadual do Pará, Igarapé Mire–PA.

RIBEIRO, F.A.Q.; GUARALDO, L.; BORGES, J.P.; ZACCHI, F.F.S.; ECKLEY, C.A. Clinical and histological healing of surgical Wounds Treated With Mitomycin C. Laryngoscope, v. 114, p.148-152, 2004.

RICO, J.M.T.R. (2011). Plantas medicinais. Academia das ciências de Lisboa instituto de estudos acadêmicos para seniores.

ROCHA, M.E.N.; SANTOS, C.L. O uso comercial e popular do eucalipto Eucalyptus globulus Labill (Myrtaceae). Saúde e Ambiente em Revista, v.2, n.2, p.23-34, 2007.

SALES, G.P.S.; ALBUQUERQUE, H.N., CAVALCANTI, M.L.F. Estudo do uso de plantas medicinais pela comunidade quilombola Senhor do Bonfim – Areia-PB, Revista de biologia e ciências da terra, Suplemento Especial, v.1, n.2, p.31-36, 2009.

SILVA, C.R.; MONTEIRO, M.R.; DE-ARAUJO, A.C.; BEZERRA, R.J.A.C. Absence of mutagenic and citotoxic potentiality of Senna (Cassia angustifolia Vahl.) evaluated by microbiological tests. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.14, n.1, p.1-3, 2004.

SILVA, F.L.A.; OLIVEIRA, R.A.G.; ARAÚJO, E.C. Uso de plantas medicinais pelos idosos em uma Estratégia de Saúde da Família. Revista de Enfermagem da UFPE, v.2, n.1, p.9-16, 2008.

SOUZA, F.C.; OLIVEIRA, E.N.A.; SANTOS, D.C.; OLIVEIRA, F.A.A.; MORI, E. Uso de plantas medicinais (fitoterápicos) por mulheres da cidade de Icó-Ce, Revista de Biologia e Farmácia, v.5, n.1, p.1983-4209, 2011.

STEFFEN, P.C.J.S.J. (2010). Plantas medicinais usos populares tradicionais, Instituto Anchieta de Pesquisas/UNISINOS. Disponível em www.anchietano.unisinos.br/publicacoes/botanica/.../clemente.pdf. Acesso em 15/07/12.

TOMAZZONI, M.I.; NEGRELLE, R.R.; CENTA, M.L. Fitoterapia popular: a busca instrumental enquanto prática terapêutica. Revista texto contexto, v.15, n.1, p.115-21, 2006.

VEIGA JUNIOR, V.F. PINTO, A.C.; MACIEL, M.A. Plantas medicinais: cura segura? Química Nova, v.28, n.3, p.519-528, 2005.

VIEIRA, A.; GUIMARÃES, M. A.; DAVID, G.Q.; KARSBURG, I.V.; CAMPOS, A.N.R. Efeito genotóxico da infusão de capítulos florais de camomila. Revista Trópica: Ciências Agrárias e Biológicas, v.3, n.1, p.8-13, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.