ANEMIA, UM PROBLEMA MUNDIAL

Lóide Oton

Resumo


Anemia é desde os tempos mais remotos umas das doenças mais difundidas entre os seres humanos. Anemia nutricional caracteriza-se pela concentração no sangue, de hemoglobina abaixo dos níveis considerados normais para idade, sexo, estado fisiológico como consequência de uma deficiência de nutrientes essenciais, independentemente da causa dessa deficiência, seja o ferro, o ácido fólico, a vitamina B12. O objetivo deste trabalho foi verificar utilização do eritrograma para diagnóstico das anemias, suas possíveis causas, faixas etárias e sexo mais suscetível a doença. Foi realizada uma revisão integrativa da literatura, utilizando as palavras-chaves: Anemia. Hemograma. Deficiências Nutricionais. No Brasil, estudos populacionais disponíveis avaliaram prevalências de anemia pela medição única da hemoglobina sanguínea, a utilização isolada desse parâmetro não é suficientemente sensível ou específica para o diagnóstico, o que pode tornar o diagnóstico equivocado. As deficiências de ferro e de vitaminas na infância estão entre as carências com maior prevalência no mundo, sendo problemas nutricionais de importância para a saúde pública na atualmente. Além do correto diagnóstico da deficiência que dá origem a anemia, é imprescindível que o tratamento seja adequado resultando na cura da anemia e em melhora na saúde e qualidade de vida do paciente.

 


Palavras-chave


Anemia; Hemograma; Deficiências Nutricionais.

Texto completo:

PDF

Referências


AMARANTE, M. K. et al. Anemia Ferropriva: uma visão atualizada. Revista Bio saúde, v. 17, n. 1, p. 34-45, 2016.

CANCADO, R. D.; CHIATTONE, C. S. Anemia ferropênica no adulto: causas, diagnóstico e tratamento. Revista Brasileira de Hematologia, v. 32, n. 3, p. 240-246, 2010.

CASTRO, T. G. et al. Anemia e deficiência de ferro em pré-escolares da Amazônia Ocidental brasileira: prevalência e fatores associados. Caderno de Saúde Pública, v. 27, n. 1, p. 131-142, 2011.

DELFINO, L. J. B. et al. Efeito do estresse calórico sobre o eritrograma de ruminantes. Revista Agropecuária Científica no Semiárido, v. 8, n. 2, p. 01-07, 2012.

FAILACE, R. Hemograma: manual de interpretação. Artigo Médico, 2009.

GOSWMAI, S.; KISHORE, K. Socio-economic and demographic determinants of childhood anemia. Jornal de pediatria, v. 91, n. 5, p. 471-477, 2015.

GROTTO, H. Z. W. O hemograma: importância para a interpretação da biópsia. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, v. 31, n. 3, p. 178-182, 2009.

HERMES, L. et al. Presença de anemia, adesão e tempo de suplementação com sulfato ferroso em pré-escolares de Venâncio Aires, RS. Revista Jovens Pesquisadores, v. 4, n. 2, p. 32, 2014.

MACHADO, G. S. et al. Abordagem dos principais aspectos relacionados à anemia ferropriva. Revista Conexão Eletrônica, v. 13, n. 1, p. 1-6, 2016.

OLIVEIRA, A. S. et al. Efeito da duração da amamentação exclusiva e mista sobre os níveis de hemoglobina nos primeiros seis meses de vida: um estudo de seguimento. Caderno Saúde Pública, v. 26, n. 2, p. 409-417, 2010.

OLIVEIRA, L. S.; BATISTA, C. C.; COIMBRA, C. N. Efeito do tempo e da temperatura de armazenamento sobre a estabilidade dos parâmetros do hemograma. Revista Brasileira de Analises Clínicas, v. 47, n. 3, p. 101-104, 2015.

PAIXÃO, G. P. N. et al. A importância do uso do ácido fólico e sulfato ferroso em mulheres no planejamento familiar e ciclo gravídico-puerperal: revisão integrativa da literatura. Revista de Atenção Primária a Saúde, v. 15, n. 2, p. 214-219, 2012.

PONTES, C. A. G. et al. Avaliação geriátrica ampla no diagnóstico de hipovitaminose por b12. Anais do Congresso Brasileiro de Medicina de Família e Comunidade, v. 1, n. 12, p. 432, 2013.

ROSENFELD, R. Complete bloodcount. Jornal Brasileiro de Patologia e Medicina Laboratorial, v. 48, n. 4, p. 4, 2012.

SANTOS, J. G. A. et al. Anemia associada às parasitoses intestinais de pacientes atendidos em um laboratório de análises clínicas no município de Juazeiro do Norte-CE. Revista Interfaces: Saúde, Humanas e Tecnologia, v. 3, n. 9, p. 06- 09, 2016.

SILVA, G. S.; VAZ, L. F. C.; MANFREDINI, V.; Anemias Carenciais: Aspectos Clínicos e Laboratoriais. Anais do Salão Internacional de Ensino, Pesquisa e Extensão, v. 4, n. 1, p. 03, 2012.

SILVA, M. A. et al. Iron-deficiency anemia and vitamin A deficiency prevalence and associated factor samong children und erone year. Cadernos Saúde Coletiva, v. 23, n. 4, p. 362-367, 2015.

SOUZA, G. M. et al. Estudo da Correlação Entre os Parâmetros do Eritrograma e a Presença de Hemoglobina “S”. Revista Estudos, v. 41, n. 3, p.07, 2014.

SPERANDIO, N. et al. Diferenças no ponto de corte de hemoglobina para diagnóstico de anemia em função da raça/cor. Revista Médico Minas Gerais, v. 25, n. 1, p. 100-107, 2015.

SZARFARC, S. C. Políticas públicas para o controle da anemia ferropriva: Revisão. Revista Brasileira de Hematologia e Hemoterapia, v. 32, n. 2, p. 2-8, 2010.

VIEIRA, R. C. S.; FERREIRA, H. S. Prevalência de anemia em crianças brasileiras, segundo diferentes cenários epidemiológicos. Revista de Nutrição, v. 23, n. 3, p. 433-444, 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.