Estudo clínico da toxoplasmose na gravidez

mariana balbino da silva

Resumo


A toxoplasmose humana é uma parasitose que pode provocar graves lesões sistêmicas, variando de sinais neurológicos, ósteo-musculares, respiratórios a oculares e deformidades congenitas. O Toxoplasma gondii, agente etiológico da toxoplasmose, tem o gato como hospedeiro definitivo, e o homem e outros animais como hospedeiros intermediários. O parasita atinge o feto por via transplacentária causando danos como hidrocefalia, cegueira, retardo mental e má formação. O hábito alimentar de consumo de carnes e produtos de origem animal, crus ou mal cozidos tem grande importância na epidemiologia da doença. Objetivando a investigação dos testes das imunoglobulinas para diagnostico da toxoplasmose na gravidez foi realizado uma investigação bibliográfica. Foram revisados artigos científicos disponíveis on-line, de forma completa e gratuita, publicados no período de 2003 a Junho de 2015. Os assuntos tratados nos artigos foram agrupados em temas: toxoplasmose, gravidez e fatores de risco. Após analise dos artigos selecionados, observou-se uma prevalência de fatores de risco para soroconversão na gravidez nos anos 2003, 2005, 2007, com 754 (59,8%) em Porto Alegre (RS); (91,6%) em Mato Grosso do Sul; 50,5% em Londrina (PR); (54,4%) em Rolândia (PR) e (46,4%) em Cambé (Paraná); com soro positivo para os teste de IgG. Em 2015, no Nordeste 437 (77,9%) foram positivos para o teste de IgM. Dados esses preocupantes, pois a IgM corresponde a imunoglobulina que caracteriza fase crônica da infecção, para tanto sugestivo de risco de transmissão congênita. No Brasil estima-se uma prevalência de soropositividade para toxoplasmose de 60 a 75% entre mulheres em idade fértil. Durante a gestação, espera-se que ocorra incidência de soroconversão em torno de 6,4 por 1.000 gestantes, o que resulta em cerca de 60 mil novos casos de toxoplasmose em gestantes no Brasil a cada ano. Mediante os resultados obtidos, faz-se necessário um programa de conscientização da importância do monitoramento e repetição dos testes sorológicos para toxoplasmose durante toda a gravidez, pois só assim é possível diagnosticar de uma forma correta e precoce a doença, até porque a infecção pela toxoplasmose é assintomática para a maioria das gestantes . 


Palavras-chave


Toxoplasmose. Gravidez. Fatores de Risco.

Texto completo:

PDF

Referências


BARINI, R., et al. Toxoplasmose: um diagnóstico difícil com testes sorológicos automatizados. In: Annual Meeting Fetal Medicine and Surgery Society. Nantucker. MA, USA, V.19, 2000.

BREGANÓ, Regina Mitsuka et al. Toxoplasmose adquirida na gestação e congênita: vigilância em saúde, diagnóstico, tratamento e condutas. Londrina: EDUEL, 2010, p.1-5. Disponível em:

CÂMERA, Joseneide Teixeira et al. Prevalência de toxoplasmose em gestantes atendidas em dois centros de referência em uma cidade do Nordeste, Brasil. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia. 2015; 37(2): p. 64-70.

DUBEY, J.P., et al (2012). Toxoplasmosis in humans and animals in Brasil: high prevalence, high burden of disease, and epidemiology. Parasitologys 139(11): p.1375-1424.

JONES, L., and Dubey, J. (2010). Waterborne toxoplasmosis-recent developments. Experimental parasitology, 129, p.10-25.

KAWASAKI, M.L.; CARVALHO, P.N. de; LUCAREVSCHI, B.R. Atenção à toxoplasmose durante a gestação em população carente do interior do Estado de São Paulo. Pediatria (São Paulo), São Paulo, v. 28, n. 4, out./dez. 2006, p. 242-50.

LESER, P. Teste de Avidez de IgG para Toxoplasmose. Disponível em: . Acesso em: 30 Abr, 2004.

LIESENFELD, O, et al. confirmatory serologic testing for acute toxoplasmosis and rate of induced aborting among women reported to have positive toxoplasma immunoglobulin M antibody titers. American Journal of Obstetrics and Gynecology, v. 184, 2001, p. 140-145.

MONTOYA, J. Laboratory diagnosis of Toxoplasma gondii infection and toxoplasmosis. Journal of Infections Diseases. V. 185, n. 1, 2002, p.73-82.

MORI, Fabiana Maria Ruiz Lopes et al. Programas de controle de toxoplasmose congênita. Revista da Associação Médica Brasileira. Vol. 57 no. 5, São Paulo, set/out 2011.

REMINGTON, J.L., Thulliez, P., Montoya,J.G., Recent developments for diagnosis of toxoplasmosis. Journal of Clinical Microbiology 42: 2004, p. 941-945.

REMINGTON, J. S., McLeod,R., Thulliez, P., Desmonts, G., Toxoplasmosis In: Remington, J. S., Klein, J. O., eds. Infectious diseases of the fetus and newbom infant. 5 ed. Philadelphia: WB Saunders, 2001. p. 205-346.

VARELLA, I. S. et al. Prevalência de soropositividade para toxoplasmose em gestantes. Jornal de Pediatria, Rio de Janeiro, v. 79, n. 1, jan./fev. 2003, p. 69-74.

VILLENA, I. et al (2010). Congenital toxoplasmosis in France in 2007: first results from national surveillance systems. European Surveillance, 15(25): p.1-6.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.