INCIDÊNCIA DE NEUROCISTICERCOSE DIAGNOSTICADA ATRAVÉS DE NEUROIMAGEM EM UMA CLÍNICA DE CAMPINA GRANDE PB

Maria Socorro Rocha Melo Peixoto

Resumo


A neurocisticercose representa a mais problemática forma da cisticercose do ponto de vista anatomopatológico, no que se refere à resposta inflamatória tipo crônico granulomatosa. Atualmente, observa-se o crescimento desordenado dos centros urbanos com nível sócio-econômico-culturais baixos e precariedade das condições de saúde e higiene. Devido à falta de saneamento básico e maus hábitos de higiene, a população se infecta e reinfecta com ovos da Taenia sollium, desenvolvendo a neurocisticercose (NCC). Uma das formas de diagnosticar essa patologia é através da Ressonância Magnética, apesar de ser um exame eficiente para diagnóstico da doença, tem suas limitações devido ao seu alto custo e sua proibição em pacientes que faz uso de marca-passo ou algum tipo de metal que não seja de titânio. Esta pesquisa teve como objetivo realizar um estudo retrospectivo de pacientes que foram submetidos à exames de tomografias e ressonância magnética, para diagnóstico de neurocisticercose, em uma clínica de Campina Grande - PB. Foram analisadas as fichas e prontuários dos pacientes que realizaram Tomografia e Ressonância Magnética no período de 2010 a 2014. No total foram diagnosticados  27 casos positivos para NCC, 12 casos (44,4%) correspondem aos resultados evidenciados pela Tomografia Computadorizada e 15 casos (55,5%) foram pela Ressonância Magnética. As análises dos exames pertenciam à pacientes de ambos os sexos, dos quais 17 (60%) eram do sexo feminino e 10 (40%) do sexo masculino, observando uma predominância de pacientes do sexo feminino. Existe uma variedade na faixa etária dos pacientes acometidos pela NCC, mas percebe-se que pacientes nas faixas etárias de 21 - 40 e 61-80 anos de ambos os sexos são mais acometidos pela doença com um percentual de 55,5% e 25,9%, respectivamente. Esta pesquisa se fez importante, pois evidenciou o número de casos de neurocisticercose, demonstrando desta forma para as autoridades que ainda é prevalente a ocorrência desta infecção em nosso meio.


Palavras-chave


Neurocisticercose. Ressonância magnética; Tomografia; Incidência.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE-FILHO Antônio de Souza; FIGUEROA Luiz Frederico da Silva; SOUZA, Victor Mascarenhas Andrade. Tomográficos correlações clínicas de 220 pacientes com neurocisticercose, Bahia, Brasil. Jornal de Doenças Infecciosas. v.l1. n.1 Salvador Fevereiro. 2007

BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Doenças Infecciosas e Parasitárias: 6ºedição revista, 2006.

CARVALHO JUNIOR, Reynaldo Mendes. Contribuição do teste imunoenzimático para o diagnóstico clínico de neurocisticercose. 2009.104f. Dissertação (Programa de Pós- graduação em Ciências e Saúde) Universidade Federal do Piauí.

CASTRO, F. D, REIS, F.GUERRA, J. G. G. Lesões expansivas intraventriculares à ressonância magnética: ensaio iconográfico – parte 2. Radiol Brasil.v. 47. n.4. 2014. p. 245–250.

CHAGAS, M. G. L.et al. Manifestações clinicas da neurocisticercose na região do semi-arido do nordeste brasileiro. Arquivo Neuropsiquiatria 2003:61(2-B). p. 398-402.

DUCAN, B, Bruce. et al. Medicina Ambulatorial: Condutas de atenção primarias baseadas em evidencias. 3. Ed. e 4. reimp., Porto Alegre, RS: Artmed, 2006.

GONÇALVES-COÊLHO, Thiago D. ; COÊLHO, Matheus D. G. A neurocisticercose na Paraíba, Nordeste do Brasil: uma área endêmica? Arquivo de Neuro-Psiquiatria. vol.54 nº4 São Paulo. Dezembro 1996.

MELO, et al (2014). Qualidade de vida de pacientes epilépticos com neurocisticercose. Revista Movimenta. v. 7, n 4.2014. p. 819-828

MONT'ALVERNE FILHO, Francisco Edward Frota et al . The role of 3D volumetric MR sequences in diagnosing intraventricular neurocysticercosis: preliminar results. Arq. Neuro-Psiquiatria. São Paulo , v. 69, n. 1, fev. 2011

NETO, Vicente Amato. et al. Parasitologia: Uma abordagem Clínica.2008 p.2014.

NEVES, D, P. et al. Parasitologia Dinâmica. 3 ed. São Paulo. Ed. Atheneu, 2009.p.309-311.

REY, Luís; Parasitologia Médica; 4º edição; Ed. Guanabara Koogan; p.525, Rio de Janeiro, 2008.

.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.