Fatores genéticos: prevalência de mortalidade neonatal e anomalias congênitas

Daniele Araujo Campos, Maria do Socorro Rocha Melo e Peixoto, Bartolomeu Garcia de Souza Medeiros, Valeska Silva Lucena

Resumo


As anormalidades congênitas representam um grupo complexo e heterogêneo de alterações funcionais ou estruturais do desenvolvimento fetal, podendo ser causados por mutações gênicas, cromossômicas ou de herança multifatorial, devido ao contato fatores químicos, físicos ou biológicos que acarretam tais mutações. Objetivou-se avaliar o perfil epidemiológico de malformações congênitas e sua influência na mortalidade neonatal na cidade de Campina Grande (PB). Trata-se de um estudo descritivo, documental, com abordagem qualitativa e quantitativa que seguiu todas as recomendações da resolução 466/12 tendo sido aprovado com o nº do CAAE: 51552315.1.0000.5187. A pesquisa foi realizada no departamento de epidemiologia da secretaria municipal de saúde de Campina Grande. Foram incluídos laudos médicos e prontuários contendo diagnóstico de anomalias congênitas do ano de 2014. A prevalência de óbitos por anomalias congênitas foi igual a 3.8% por 1.000 nascidos vivos ou natimortos. Dado inferior foi apresentado pela prevalência de nascidos vivos (n=7) equivalente a 1,1 por 1.000 nascidos vivos. As malformações mais comuns entre os natimortos (n=26) e recém-nascidos (n=7) foram às cardiopatias (n=4, 12,1%), hidrocefalia (n=4, 12,1%), hérnia diafragmática pulmonar (n=3, 9,1%), doença renal e displasia pulmonar (n=2, 6,1%). As múltiplas malformações foram prevalentes entre os casos de óbito (n=4, 15,4%). As malformações congênitas têm ganhado cada vez mais importância devido à alta taxa de morbimortalidade. Existem diversos fatores envolvidos, dentre eles os genéticos são os de maior prevalência. Se faz necessário o acompanhamento constante destes casos, além de novos estudos buscando-se conhecer suas possíveis causas e evitar novos casos.


Palavras-chave


Malformações congênitas.Mortalidade Infantil. Epidemiologia.

Texto completo:

PDF

Referências


AMORIM, M.M.R; VILELA, P.C; SANTOS, A.R.V.D et al. Impacto das malformações congênitas na mortalidade perinatal e neonatal em uma maternidade escola do Recife. Revista Brasileira de Saúde Materno Infantil. v.6 , 2006.

ARAUJO, J. S. S; RÉGIS, C. T; GOMES, R. G. S; SILVA, C. S; ABATH, C. M. B; MOURATO, F. A; MATTOS, S. S. Cardiopatia Congênita no Nordeste Brasileiro: 10 Anos Consecutivos Registrados no Estado da Paraíba, Brasil. Revista Brasileira de Cardiologia. v 27, n 1, p. 13-19, 2014.

BARROS, M.L; FERNANDES, D.A; MELO, E.V; PORTO, R.L.S; MAIA, M.C.A; GODINHO, A.S; FERRÃO, T.O; PEREIRA, C.U. Malformações do sistema nervoso central e malformações associadas diagnosticadas pela ultrassonografia obstétrica. Revista Radiologia Brasileira, v.45, n.6, p.309–314, 2012.

BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Análise de Situação em Saúde. Saúde Brasil 2004: uma análise da situação de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. DATASUS - Departamento de Informática do SUS /Indicadores e dados básicos – Brasil 2012. Brasília: Ministério da Saúde; 2016.

BRITO, V.R.S; SOUSA, F.S, GADELHA, F.H; REGO, A.R.F; FRANÇA, I.S.X. Malformações congênitas e fatores de risco materno em Campina Grande — Paraíba. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v.11, n.2, p.27-36, 2010.

CASTRO, M.L.S; CUNHA, C.J; MOREIRA, P.B. Frequência das malformações múltiplas em recém nascidos na cidade de Pelotas-Rio Grande do Sul-Brasil, e fatores sóciodemográficos associados. Cadernos de Saúde Pública. v.22, n.5, p.1009-15.

CRISTOVAM, M.A.S; PAVESI, J; BRESOLIN, A.C; CÂMARA, J.P.P; PLEWKA, A.C.L; SEKI, H.S. et al. Prevalência de desordens cardiológicas em uma UTI Neonatal. Revista do Medico Residente de Curitiba, v.15, n.4, p. 272-282, 2013.

FONTOURA, F.C; CARDOSO, M.V.L.M. Associação das malformações congênitas com variáveis neonatais e maternas em unidades neonatais numa cidade do Nordeste brasileiro. Texto e Contexto em Enfermagem, Florianópolis, v. 23, n.4, p. 907-14, 2014.

KANCHERLA, V; OAKLEY, G.P.JR; BRENT, R.L. Urgent global opportunities to prevent birth defects. Seminars in Fetal and Neonatal Medicine, v.19, n.3, p.153-60, 2014.

LAAS, E; LELONG, N; THIEULIN, A; HOUYEL, L; BONNET, D; ANCEL, P; et al. Preterm birth and congenital heart defects: a population-based study. Pediatrics, v.130, n.4, p.e829-e837, 2012.

MENDES, C.Q.S; AVENA, M.J; MANDETTA, M.A; BALIEIRO, M.M.F.G. Prevalência de nascidos vivos com anomalias congênitas no município de São Paulo. Revista da Sociedade Brasileira de Enfermagem Pediatrica, v.15, n.1, p 7-12, 2015.

RAMOS A.P; OLIVEIRA M.N.D; CARDOSO J.P. Prevalência de Malformações Congênitas em Recém-Nascidos em Hospital da Rede Pública. Revista Saúde. com, v.4, n.1, p. 27-42, 2008.

RESTA, N; MEMO, L. Chromosomal microarray (CMA) analysis in infants with congenital anomalies: when is it really helpful? The Journal of Maternal-Fetal e Neonatal Medicine. V.25, n.4, p.124-126, 2012.

RODRIGUES, L.S; LIMA, R.H.S; COSTA, L.C; BATISTA, R.F.L. Características das crianças nascidas com malformações congênitas no município de São Luís, Maranhão, 2002-2011. Epidemiologia e Serviços de Saúde [online], v.23, n.2, p. 295-304, 2014.

SOUZA, F.S; BRITO, V.R.S; MEDEIROS, F.A.L; COURA, A.S. GADELHA, F.H.A, FRANÇA I.S.X. Incidência de malformação congênita e atenção em saúde nas instituições de referências. Revista da Rede de Enfermagem do Nordeste, v. 11, n.4, p.29-37, 2010.

TARARBIT, K; HOUYEL, L; BONNET, D. et al. Risk of congenital heart defects associated with assisted reproductive technologies: a population-based evaluation. European Heart Journal. v.32, n.4, p.500–508, 2011.

VICTORA, C.G; AQUINO, E.M.L; LEAL, M.C. et al. Saúde de mães e crianças no Brasil: progressos e desafios. The Lancet. p.32-46, 2011.

WIENER-MEGNAZI, Z; AUSLENDER, R.; DIRNFELD, M. Advanced paternal age and reproductive outcome Asian Journal of Andrology. V.14, n.1, p. 69–76, 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.