ESTUDO DO NÚMERO DE CASOS DE DIFILOBOTRIASE NO BRASIL

Stéphanny Sallomé Sousa Oliveira, Edson Campos Nunes, Ana Paula Paulino De Sousa, Fernanda Donato Marques, Ingllis Sousa Ramos, Mariana Balbino Silva, Tairine Maria Oliveira, Bartolomeu Garcia Sousa Medeiros, Maria do Socorro Rocha Melo Peixoto

Resumo


A procura por comidas exóticas, principalmente o hábito de comer peixes crus ou mal cozidos, acompanhado pelo crescimento de inúmeros restaurantes que oferecem em seus cardápios pratos como sush, sashimi e salmão consumidos vêm crescendo nos últimos anos, aumentando, portanto o número de casos de difilobotríase. A difilobotríase é uma parasitose intestinal adquirida por ingestão de peixes crus ou mal cozido infectado por larvas plerocercóides de um cestódio de gênero Diphyllobothrium. Diversas espécies de Diphyllobothrium podem parasitar os seres humanos, mas na América do Sul estes casos estão restritos a duas espécies: Diphyllobothrium pacificum e o Diphyllobothrium latum, sendo esta última a mais prevalente. Objetivou-se realizar uma revisão na literatura do número de casos notificados de difilobotríase ocorridos nos estados do Brasil, na última década, pelo consumo de salmão cru. Este trabalho trata-se de uma revisão bibliográfica junto aos bancos de dados da LILACS, MEDLINE e da vigilância sanitária com análise reflexiva do tema Difilobotríase.

 



Palavras-chave


Ingestão. Peixe cru. Diphyllobothrium sp.

Texto completo:

PDF

Referências


ACHA, P. N.; SZYFRES, B. Zoonoses and Communicable Diseases Common to Man and Animals. 3. ed. Vol. III. Scientific and Technical Publication nº 580, Parasitoses. Washington, D.C.: PAHO 2003.

ARAUJO; L. O., SANGIONI; L. A, BOTTON S. A., VOGUEL; F. S. F. Departamento de medicina veterinária preventiva, Boletim Informativo Ano 3. p. 6. n 3. Outubro de 2009.

BRASIL. MINISTERIO DA SAÚDE. AGÊNCIA NACIONAL DE VIGILÂNCIA SANITÁRIA. Estabelece diretrizes Básicas para avaliação de Risco e Segurança dos Alimentos. Resolução, 2005a.

BRASIL. SISTEMA DA VIGILÂNCIA DAS DOENÇAS DE TRANSMISSÃO HÍDRICA E ALIMENTAR ALIMENTAR

Estabelece diretrizes Básicas para avaliação de Risco e Segurança dos Alimentos. Resolução, 2005b.

CIMERMAN, Benjamin, C. – Parasitologia humana e seus fundamentos gerais – 2º edição – São Paulo: Atheneu, 2010.

COURA, J. R. – Síntese das doenças infecciosas e parasitarias – Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2008.

EDUARDO, M. B. de P.; SUZUKI, E.; MADALOSSO, G.; CÉSAR, M. L. V. S.; SILVA, M. C. das Principais doenças emergentes e reemergentes – atualização e perspectivas. III Simpósio Internacional de Vigilância das Doenças de Transmissão Hídrica e alimentar. Centro de Convenções, São Paulo. São Paulo, 21 novembro. 2005. Disponível em: . Acesso em: 05/05/2013.

EMMEL, V. E; INAMINE, E; SECCHI, C., et al. Diphyllobothrium latum: relato de caso no Brasil. Revista da Sociedade Brasileira de Medicina Tropical. vol.39 n.1 Uberaba Jan./Feb. 2006

FORTES, E. Parasitologia Veterinária. 4 ed. São Paulo:Icone, p.154-156, 2004.

LACERDA; J. U.V; FILHO; G. G. A; COUTINHO; H. D. M. Ocorrência de difilobotríase na Paraíba. Disponível em: . Acesso em: 04 mai. 2013.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.