ATIVIDADE FÍSICA NO EQUILÍBRIO METABÓLICO DA HIPERTENSÃO ARTERIAL

Isabela Motta Felício, Anderson Fellyp Avelino Diniz, Edvaldo Balbino Alves Junior, Débora Santos Dantas, Diego de Sousa Barros

Resumo


A Hipertensão Arterial Sistêmica constitui principal Fator de Risco (FR) para Doenças Cardiovasculares, cerebrovasculares e renais. A prática de exercício físico é indicada no controle dos níveis de Pressão Arterial, uma vez que o sedentarismo é um dos principais FR para a hipertensão. Avaliar o controle da Hipertensão Arterial Sistêmica através de práticas de exercícios físicos em hipertensos. Estudo longitudinal e documental com abordagem quantitativa e descritiva, envolvendo 29 pacientes do Programa de Atividade Física da Universidade Estadual da Paraíba (PROAF/UEPB), realizado no Parque Evaldo Cruz, Campina Grande-PB, os dados foram referentes a dois períodos: Período inicial (P0) antes de iniciar as atividades e Período inicial (P1) após 9 meses. A maioria era do gênero feminino, com idade a partir de 50 anos. A hereditariedade foi o FR mais citado, média e o desvio padrão das variáveis pressóricas revelou diminuição (p < 0,05), as medidas antropométricas não apresentaram resultados favoráveis. Dentre as variáveis bioquímicas apenas o colesterol total e o colesterol LDL no tempo 2 encontravam-se dentro dos padrões de normalidade com p < 0,05. O exercício físico contribuiu para o controle da hipertensão, é preciso que equipe multidisciplinar de saúde incentive os usuários a praticá-la evitando assim eventos cardiovasculares, garantindo um envelhecimento saudável.

Palavras-chave


Hipertensão Arterial Sistêmica;Atividade Física;Eventos Cardiovasculares

Texto completo:

PDF

Referências


ADA, American Diabetes Association. Atividade física e exercícios em diabetes. Revista Diabetes Clínica, n. 3, p. 217-225, 2004.

BRASIL. Ministério da Saúde. Hipertensão Arterial Sistêmica. Caderno de Atenção Básica. Brasília: MS. n. 15. Série A, Brasília: MS, 2006.

FEITOSA FILHO, G. S.; SEYDELL, T. de M.; RODRIGUES, A. C.; MARANHÃO, R. C.; RAMIRES, J. A. F. Transferências lipídicas para HDL em diabéticos tipo 2: associações com microalbuminúria, estatina e insulina. Arquivos Brasileiros de Cardiologia, v. 92, n. 2, 2009. Disponível em: http://www.scielo.br. Acesso em 08 jun. 2012.

GONÇALVES, S.; HARDT, J. R.; SILVA, A. S. S.; HASS, P. Hipertensão arterial e a importância da atividade física. Estudos de Biologia, v. 67, n. 29, p. 205-213, 2007.

MONTEIRO, M. de F.; SOBRAL FILHO, D. C. Exercício físico e o controle da pressão arterial. Revista Brasileira de Esporte, v. 10, n. 6, p. 513-515, 2004.

MOSTARDA, C.; WICHI, R.; SANCHES, I.C,; RODRIGUES, B.; ANGELIS, K. IRIGOYEN, M. C. Hipertensão e modulação autonômica no idoso: papel do exercício físico. Revista Brasileira de Hipertensão, v. 16, n. 1, 2009. Disponível em: http://departamentos.cardiol.br/dha/revista/16-1/16-hipertensao.pdf. Acesso em 08 jun. 2012.

NICHOLLS, S.J.; NISSEN, S.E. Novos alvos do tratamento da lipoproteína de alta densidade. In: GRUNDY, S.M. Current Opinion in Lipidology, v. 4, n. 4, Set. 2007. p.241.

ORTIZ, M. C. A.; ZANETTI, M. L. Diabetes mellitus: fatores de risco em uma instituição de ensino da área da saúde. Revista Latino- Americana de Enfermagem, v. 8, n. 6, p. 128-132, 2000.

POZZAN, R.; POZZAN, R.; MAGALHÃES, M. E. C.; BRANDÃO, A. A.; BRANDÃO, A. P. Dislipidemias, Síndrome Metabólica e Risco cardiovascular. Revista da Sociedade de Cardiologia do Estado do Rio de Janeiro, v. 17, n. 2, p. 97-102, 2004.

ZAITUNE, M. P. do A.; BARROS, M. B. de A.; CÉSAR, C. L. G.; CARANDINA, L.; GOLDBAUM, M. Hipertensão arterial em idosos: prevalência, fatores associados e práticas de controle no Município de Campinas, São Paulo, Brasil. Cadernos de Saúde Pública, v. 22, n. 2, p. 285-294, 2006.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.