ANÁLISE MOLECULAR DA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA DA LISOZIMA

Bartolomeu Garcia de Souza Medeiros, Valeska Silva Lucena, Maine Virginia Alves Confessor, Maria do Socorro Rocha Melo Peixoto, Stéphanny Sallomé Sousa Oliveira, Sidney Rodrigues Ramos

Resumo


Nos últimos anos a procura por novas moléculas vem se intensificando por isso que várias áreas vêm recebendo grandes investimentos que apoiam pesquisas e formação de recursos humanos com capacidade de extrair os mais diferentes princípios ativos de diferentes espécies existentes na flora, na fauna ou em outra parte da biosfera. Alguns princípios ativos importantes são aqueles que estão relacionados com a prevenção de alguma doença através da inibição de algum agente patogênico. O trabalho teve como objetivo uma análise molecular da atividade antimicrobiana da lisozima através de uma revisão bibliográfica. Através de estudos realizados sobre o assunto, constatou-se que A estrutura primária da lisozima consiste numa única cadeia polipeptídica constituída por 129 aminoácidos. Ao longo da cadeia existem 4 pares de cisteínas (aminoácidos hidrofóbicos que contêm um grupo tiol: -SH) ligados por uma ponte dissulfídica (ligações covalentes que unem pontos distantes da estrutura primária da proteína, e que são comuns em proteínas extracelulares). Sua ação antimicrobiana se deve ao fato dela quebras as ligações  entre o ácido N- acetilglucosamina (NAM) e N– acetilglucosamina de peptidoglicano (NAG). Sendo assim, a lisozima é uma enzima vulgarmente conhecida como o antibiótico natural, normalmente encontrado em secreções, como as lágrimas, a saliva e a mucosa nasal, bem como em grânulos citoplasmáticos de granulócitos neutrófilos e ainda na clara do ovo, atuando principalmente sobre bactérias gram-positivas. A sua estrutura molecular corresponde a uma estrutura primária que consiste numa única cadeia polipeptídica constituída por 129 aminoácidos com pares cisteinas.


Palavras-chave


Moléculas. Enzima. Microrgansimos.

Texto completo:

PDF

Referências


BENKERROUM, N. Antimicrobal activity of lysozyme with special relevance to milk review. African Journal of Biotechnology, 7, 25, 4856-4867, 2008.

CARPENTIER, P.; ROYANT, A.; WEIK, M.; BOURGEOIS, D.R. Assisted Crystallography Reveals a Mechanism of X-Ray Induced Reversible Disulfide Radical Formation. Structure 18: 1410,2010

CARRILLO, W. Lisozima: Actividad antibacteriana y alergenicidad Actualizacion em Nutricion. Vol. 14 Nº 4, 314 – 321.

CHIPMAN DM, SHARON N: Mechanism of lysozyme. Science 1969, 165:454-465.

FREITAS, D.S. Extração, purificação e peglação de lisozima. SÃO PAULO, 2007.

HUGHEY, V.L.; JOHNSON, A. Antimicrobial activity of lysozyme against bacteria involved in food spoilage and food-borne disease. Appl Environ Microbiol., 53,9, p. 2165–2170, 1987.

HUGO A. O. et al. Polissacarídeos sulfatados de algas Marinhas com atividade anticoagulante. Infarma v.16, n: 1-2, (Jan/Fev 2004).

PUPO J. AGUIAR. TRÊS CASOS DE LEPRA LEPROMATOSA TRATADOS PELA LISOZIMA ASSOCIADA AO CALCIFEROL (VITAMINAS D2 E D3),REVISTA BRASILEIRA DE LEPROLOGIA Pág 60

JOLLÈS P: From the discovery of lysozyme to the characterization of several lysozyme families. lysozyme: model enzymes in biochemistry and biology Basel: Birkhauser Verlag,1996, 3-5;

JOLLÈS P, JOLLÈS J: What’s new in lysozyme research? Mol Cell Biochem 1984,

:165-189.

MASSCHALCK B, MICHIELS CW: Antimicrobial properties of lysozyme in relation to foodborne vegetative bacteria. Crit Rev Microbiol 2003, 29:191-214.

PARK JW, KIM CH, KIM JH, JE BR, ROH KB, KIM SJ, LEE HH, RYU JH, LIM JH,OH BH, LEE WJ, HA NC, LEE BL: Clustering of peptidoglycan recognition protein-SA is required for sensing lysine-type peptidoglycan in insects. Proc Natl Acad Sci USA 2007, 104:6602-6607

PURICE et al. Surface morphology of thin lysozyme films produced by matrix-assisted pulsed laser evaporation (MAPLE). Applied Surface Science 254 (2007) 1244–1248A.

RUAS, G. W. AVALIAÇÃO DA ATIVIDADE ANTIMICROBIANA E CITOTOXICO DE LISOZIMA , FACULDADE DE CIENCIAS FARMACEUTICAS , PÁG 17 .SÃO PAULO, 2010.

SALTON, MRJ: The properties of lysozyme and its action on Microorganisms. Bacteriol Rev 1957, 21:82-99.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.