LEVANTAMENTO ETNOFARMACOLÓGICO DE ESPÉCIES MEDICINAIS EM ÁREA DA RESERVA FLORESTAL DE CAATINGA NO MUNICÍPIO DE SANTA CRUZ DO CAPIBARIBE, PE.

Miqueas Oliveira Morais Silva, Lívia Maria Coelho de Carvalho Moreira, Delcio de Castro Felismino

Resumo


A Caatinga é um bioma exclusivamente brasileiro e que apresenta uma elevada fitodiversidade medicinal. De modo geral, o conhecimento da flora medicinal da caatinga continua bastante reduzido.  Considerando a grande diversidade e importância desse ecossistema para a região, ações de conservação devem ser desenvolvidas no intuito de preservar o arsenal de plantas como recurso terapêutico. Portanto, o estudo teve como objetivo realizar um levantamento etnofarmacológico de espécies medicinais de um fragmento da reserva florestal de Caatinga, no município de Santa Cruz do Capibaribe. A área está localizada na Fazenda Fieza, agreste de Pernambuco, constituída por 30 hectares. As espécies medicinais foram determinadas a partir do levantamento florístico fitossociológico pela metodologia de trilhas preexistentes, sendo realizadas observações de campo e coleta de material botânico de indivíduos. Durante o levantamento, o material botânico coletado foi devidamente herborizado, exsicatado e incorporado ao herbário Arruda Câmara/Universidade Estadual da Paraíba. Sendo os resultados correlacionados a literatura especializada usada na Etnomedicina. Foram identificadas e catalogadas 20 espécies de uso medicinal, pertencentes a 10 famílias, sendo a Fabaceae (20%) e Euphorbiaceae (20%) as mais representativas. A parte da planta mais utilizada foi à casca (23,40%), seguida das folhas (17,02%), as formas de uso mais frequentes foram infusão (22,39%) e tintura (17,92%), as indicações para o tratamento de processos inflamatórios (10,32%) e reumatismo (5,55%) foram as mais recorrentes. Com base nos resultados, observa-se uma ampla diversidade de plantas medicinais, que possuem grande potencial terapêutico cuja exploração pode gerar benefícios diretos, desde que em regime de manejo sustentável. Portanto, o local desse estudo torna-se importante para traçar estratégias para manutenção e estudos que favoreçam a manutenção do recurso.

 

 


Palavras-chave


Parte utilizada. Forma de uso. Tratamento.

Texto completo:

PDF

Referências


ALBUQUERQUE, J. M.. Plantas medicinais de uso popular. Brasília: ABEAS/ MEC, 1989.

ALBUQUERQUE, U. P.; ANDRADE, L. H. C.. Conhecimento botânico tradicional e conservação em uma área de caatinga no Estado de Pernambuco, Nordeste do Brasil. Acta Botânica Brasílica, v. 16, n. 3. p. 273-285, 2002a.

ALBUQUERQUE, U. P.; ANDRADE, L. H. C.. Uso de recursos vegetais da caatinga: o caso do agreste do Estado de Pernambuco (Nordeste do Brasil). Interciência, v. 27, n. 7. p. 336 – 345, 2002.

AMOROSO, M.C.M. Uso e diversidade de plantas medicinais em Santo Antônio do Leverger, MT, Brasil, 2002. Acta Botânica Brasílica, v.16, p.189-203.

DANTAS, I. C.; FELISMINO, D. C.; DANTAS, G. D. S.. Plantas medicinais. In: DANTAS, I. C. (Ed). O Raizeiro. Campina Grande: EDUEP, 2007. p. 57-404.

GASPAR, L.. Plantas medicinais: pesquisa escolar on-line. Fundação Joaquim Nabuco, Recife. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2015.

LEAL, I. R.; TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C. (Orgs). Ecologia e conservação da Caatinga. Recife: Editora UFRPE. 2003.

MASCARENHAS, J. DE C. et al. (Orgs). Projeto cadastro de fontes de abastecimento por água subterrânea - Diagnóstico do município de Serrita/Pernambuco. Ministério de Minas e Energia. Secretaria de Geologia, Mineração e Transformação Mineral. Recife: CPRM/PRODEEM, 2005.

MMA. Ministério do Meio Ambiente e dos Recursos Hídricos e da Amazônia Legal. Primeiro relatório nacional para a conservação sobre biodiversidade Biológica. Brasília: MMA. 1998.

MOURA, A. S. S. de. Reserva da biosfera da Caatinga. S. d. Disponível em: . Acesso em: 15 de abr. de 2016.

RODAL, M. I. N.. Aspecto vegetacional do Bioma caatinga. In: Biodiversidade, conservação e uso sustentável da flora do Brasil. Recife: Imprensa Universitária UFRPE. 2002. p. 44-45.

ROQUE, A. A.; ROCHA, R. M.; LOIOLA, M. I. B.. Uso e diversidade de

plantas medicinais da Caatinga na comunidade rural de Laginhas, município de Caicó, Rio Grande do Norte (Nordeste do Brasil). 2007/2008. p. 4-7.

SALLÉ, J. L.. O totum em fitoterapia: abordagem de fitobioterapia. São Paulo: Robe. 1996.

SANTANA, G. et al.. As plantas medicinais na comunidade cabocla de pescadores de Fortalezinha, Ilha de Maiandeua, Município de Maracanã (PA). In: ENCONTRO BAIANO DE ETNOBIOLOGIA E ETNOECOLOGIA. 1. ed. Feira de Santana. 1999. p. 149-167.

SECTMA. Secretaria de Ciência Tecnologia e Meio Ambiente de Pernambuco. Diagnóstico das reservas ecológicas: região metropolitana do Recife. Recife–PE, 2001.

SOUZA, V. C.; LORENZI, H.. Botânica sistemática. Nova Odessa: Instituto Plantarum, 2008.

TABARELLI, M.; SILVA, J. M. C.. Áreas e ações prioritárias para a conservação, utilização sustentável e repartição de benefícios da biodiversidade do bioma Caatinga. In: ARAÚJO, E. L. et al.. Biodiversidade, conservação e uso sustentável da flora do Brasil. Recife: UFRPE/Imprensa Universitária, 2002. p. 47-52.

TEIXEIRA, S. A.; MELO, J. I. M.. Plantas medicinais utilizadas no município de Jupi, Pernambuco, Brasil. 2006. p. 7-11.

The Angiosperm Phylogeny Group. An update of the angiosperm phylogeny classification for the families of flowering plants: APG II. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 141, n. 4, p. 399–436, 2003.

The Angiosperm Phylogeny Group. An update of the angiosperm phylogeny classification for the families of flowering plants: APG III. Botanical Journal of the Linnean Society, v. 161, n. 2, p. 105–121, 2009.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.