INFLUÊNCIA DA ATIVIDADE FÍSICA NO CONTROLE DA SÍNDROME METABÓLICA

Diego de Sousa Barros, Romulo Gonçalves Moura Lucena, Sabrina Laís Alves Garcia, Edvaldo Balbino Alves Júnior, Anderson Fellyp Avelino Diniz, Larissa Pereira Alves, Harley da Silva Alves, Maria do Socorro Ramos de Queiroz, Débora Santos Dantas

Resumo


Analisou-se a influência da atividade física na redução dos componentes da Síndrome Metabólica (SM). Tratou-se de um estudo transversal e documental com abordagem quantitativa e descritiva e aconteceu no período de fevereiro a maio de 2012, no Parque Evaldo Cruz, em Campina Grande-PB. A amostra foi composta por 21 participantes do Programa de Atividade Física da Universidade Estadual da Paraíba, portadores da SM, tendo o NCEP- ATP III como critério de avaliação. A análise foi feita com dados de dois períodos P0 (antes da realização das atividades físicas) e P1 (270 dias de atividade). A maioria era do gênero feminino, a hipertensão foi a principal Doença Crônica Não Transmissível apresentada; houve redução nos valores das variáveis estudadas especialmente da pressão arterial. O exercício físico influencia no controle dos componentes da SM, no entanto uma resposta mais consistente acontecerá se houver diminuição do peso corporal e atividades físicas sistemáticas.


Palavras-chave


Síndrome Metabólica; Exercício físico; Risco Cardiovascular.

Texto completo:

PDF

Referências


CIOLAC, E. G.; GUIMARÃES, G. V. Exercício físico e síndrome metabólica. Revista Brasileira de Medicina do Esporte, v. 10, n. 4, p. jul/ago, 2004.

ELIAS, R. G. M.; FERNANDES, C. A. M.; FONTES, C. E. R.; CUMAN, R. K. N. Influência da atividade física sobre a prevalência de Síndrome Metabólica, em mulheres atendidas em uma unidade básica de saúde, MARINGÁ – PR. Ciências, Cuidado e Saúde, n. 7, s. 1, p. 88-93, 2008.

GRUNDY, S. M.; CLEEMAN, M. D.; DANIELS, S. R. Definition of Metabolic Syndrome. Report of the National Heart, Lung, and Blood Institute/American Heart Association Conference on Scientific Issues Related to Definition. Circulation. v. 109, p. 433-438, 2004.

MARTINS, I. S.; MARINHO, S. P. O potencial diagnóstico dos indicadores da obesidade centralizada. Revista Saúde Pública, n. 6, p. 37, 2003.

RIBEIRO FILHO, F. F.; MARIOSA, L. S.; FERREIRA, S. R. G.; ZANELLA, M. T. Gordura Visceral e Síndrome Metabólica: Mais Que Uma Simples Associação. Arquivo Brasileiro de Endocinologia e Metabologia, v. 50, n. 2, abr, 2006.

SALAROLI, L. B.; BARBOSA, G. C.; MILL, J. G.; MOLINA, M. C. B. Prevalência da Síndrome Metabólica em estudo de base populacional, Vitória, ES – Brasil. Arquivo Brasileiro de Endocinologia e Metabologia, São Paulo. v. 51, n. 7, p. 1143-1151, 2007.

SCHNEIDER, J. G.; TOMPKINS, C.; BLUMENTHAL, R. S.; MORA, S. The metabolic syndrome in women. Cardiology in Review, v. 14, n. 6, p. 286-291, 2006.

SIQUEIRA, A. F. A.; ABDALLA, D. S. P.; FERREIRA, S. R. G. LDL: da Síndrome Metabólica à Instabilização da Placa Aterosclerótica. Arquivo Brasileiro de Endocinologia e Metabologia, v. 50, n. 2, abr, 2006.

WHO, World Health Organization. Obesity: preventing and managing the global epidemic. Geneva: WHO Technical Report, n. 894, 2000.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.