EDUCAÇÃO EM SAÚDE NA ÁREA DE CUIDADO FARMACÊUTICO A PESSOAS COM DEFICIÊNCIA VISUAL NO MUNICÍPIO DE CAMPINA GRANDE- PB

Maria de Fátima Ferreira Nóbrega

Resumo


Os Deficientes Visuais (DV) enfrentam, cotidianamente, dificuldades acerca do uso de medicamentos, principalmente quando são iletrados e não possuem um cuidador. Para contornar essa situação, a educação em Cuidado Farmacêutico contribui para o desenvolvimento da autoconfiança, assegurando uma maior certeza em relação ao uso de seus medicamentos. Para tanto, foi realizado um trabalho de intervenção, qualitativo e quantitativo no Instituto de Educação e Assistência aos Cegos do Nordeste no município de Campina Grande - PB. Objetivou-se, através da aplicação de uma entrevista, detectar o nível de informação das pessoas com deficiência visual sobre seus medicamentos de uso contínuo e esporádico, incluindo as necessidades e os obstáculos enfrentados pelos Deficientes Visuais nessa área, como também os problemas relacionados com a sua saúde. Os dados foram coletados a partir do preenchimento de um formulário de identificação seguido pela realização de uma entrevista de forma oral e gravada da amostra constituída por 29 pessoas. Como resultados observou-se que, mesmo constatando que a maioria dos participantes tinham conhecimentos a respeito dos recursos de acesso à informação sobre medicamentos, demonstraram ter pouco conhecimento em relação a medicamentos e a forma de guardá-los, e considerável parcela dos pesquisados relatou ter algum problema de saúde. Deste modo, conclui-se a necessidade de informações sobre saúde e farmacoterapia para os Deficientes Visuais, o que ressalta a importância do trabalho do profissional farmacêutico na prestação do serviço de Cuidado Farmacêutico.


Palavras-chave


Deficientes visuais; Atenção farmacêutica; Medicamentos

Texto completo:

PDF

Referências


BATISTA, R. D.; MONTEIRO, M. I. B. O braille e o material digitalizado no processo de ensino-aprendizagem da leitura e da escrita de alunos cegos. In: MONTEIRO, M. I. B.; FREITAS, A. P. de; CAMARGO, E. A. A. (Orgs.). Relações de ensino na perspectiva inclusiva: alunos e professores no contexto escolar. Araraquara: Junqueira e Marin, 2014. p. 278-305.

BEZERRA, C.P., PAGLIUCA L.M.F, GALVÃO M.T.G. Modelo de enfermagem baseado nas atividades de vida diária: adolescente diabética e deficiente visual. Anna Nery Revista de Enfermagem, v.13, n.4, p. 842-848, 2009.

BOAS, L. L. V. et al. Desempenho do processamento auditivo temporal em uma população de cegos. Brazilian Journal of Otorhinolaryngology, São Paulo, v. 77, n. 4, 2011. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S1808- 86942011000400015&script=sci_arttext&tlng=pt Acesso em: 13 jun. 2014.

CAIADO, K. R. M. Apresentação. Cad. CEDES, Campinas, v. 34, n. 93, p. 153-154, maio 2014. Disponível em . Acesso em 23 ago. 2018.

CIPOLLE, R.; STRAND, L. M.; MORLEY, P. El ejercício de la atencion farmacêutica. Madrid: McGraw Hill – Interamericana; 2000. 368p.

CONSENSO brasileiro de Atenção Farmacêutica - proposta. Atenção Farmacêutica no Brasil: “Trilhando Caminhos”. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde, 2002. 24p.

DOLL, J. Educação e envelhecimento – fundamentos e perspectivas. A terceira idade: estudos e sobre o envelhecimento. v. 19, n. 43, p. 7-26, outubro 2008.

GOSSENHEIMER, A. N. Atenção Farmacêutica para Deficientes Visuais: Perspectivas e Desafios. (Trabalho de Conclusão de Curso), Universidade Federal do rio Grande do Sul, Porto Alegre, Dez. 2010. 29 páginas.

HEPLER, C.D.; STRAND, L.M. Opportunities and responsibilities in pharmaceutical care. Am. J. Hosp. Pharm., v.47, n.3, p.533-543, 1990.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo Brasileiro de 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2012.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Documentação do Censo 2000. Rio de Janeiro: IBGE, 2002.

LOPES, M. O.; SPINILLO, C. G. Estudo experimental de leitura de uma bula de medicamentos, transcrita para o Sistema Braille, por usuários portadores de cegueira. InfoDesign Revista Brasileira de Design da Informação, n. 24, v. 36, 2008.

MENDES, F. A. G. A constituição de sujeitos com cegueira adquirida e a aprendizagem da leitura e escrita braile. 2014. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação da UNIMEP, Piracicaba, SP 2014.

MIKEAL, R.L.; BROWN, T.R.; LAZARUS, H.L.; VINSON, M.C. Quality of Pharmaceutical Care in Hospitals. Am. J. Hosp. Pharm., v.32, n.6, p.567-574, 1975.

NASCIMENTO, E. L.; MARQUES, L. A. M. O Deficiente Visual e a Atenção Farmaceutica. Latin-American Journal Pharmaceutical, v. 28, n.2, p. 203-210, 2009.

OTERO, M.J; DOMINGUEZ-GIL A. Acontecimentos adversos por medicamentos: uma patologia emergente. Revista de Farmácia Hospitalar, v.24, n.4, p. 258-266, 2000.

PEREIRA, L. R. L.; FREITAS, O. A evolução da Atenção Farmacêutica e a perspectiva para o Brasil. Revista Brasileira de Ciências Farmacêuticas, vol. 44, n. 4, out./dez., 2008.

PESQUISA Nacional de Saúde (PNS) 2013. Disponível em: ftp://ftp.ibge.gov.br/PNS/2013/pns2013.pdf. Acesso em: 10 de maio de 2016.

QUADRA, G. R.; D’ÁVILA S. Educação não-formal: qual a sua importância? Revista Brasileira de Zoociências, v. 17, n. 2, p. 22-27, 2016.

SANDES, L. F. A leitura do deficiente visual e o sistema braile. Trabalho de Conclusão de Curso (Graduação) - Universidade do Estado da Bahia. Departamento de Educação. Salvador, 2009. 70 páginas.

TORINHO, F. S. V.; BUCARETCHI, F.; STEPHAN, C. CORDEIRO, R. Farmácias domiciliares e sua relação com a automedicação em crianças e adolescentes. Porto Alegre. Jornal de Pediatria, v. 84, n. 5, 2008.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.