Prevalência de Candidiase Vulvovaginal recorrente em mulheres com idade entre 18 a 30 anos em uma unidade básica de saúde no municipio de cajazeiras-PB

Sthefany Dantas de Brito Muniz

Resumo


A candidíase vulvovaginal (CVV) é a segunda vulvovaginite mais prevalente em toda a população mundial. A cândida sp. é um fungo oportunista que causa uma infecção na vulva e na vagina com as seguintes manifestações: prurido vaginal, irritação, leucorreia e odor característico, podendo levar a pessoa a transtornos psicológicos. Patologia muito comum em mulheres, aproximadamente 75% da população já teve ou terá, pelo menos uma vez ao longo de sua vida. Além disso, pelo menos 5% delas podem levar a essa reincidência. Os principais fatores que mais ocasionam a candidíase recorrente são diabetes, alimentação a base de carboidratos e açúcares, gravidez, uso de antibióticos, corticoides, supressão do sistema imunológico e alterações hormonais. O principal objetivo desse estudo é analisar a prevalência de candidíase de repetição entre mulheres de 18 e 30 anos, saber qual a faixa etária predominante dessa reiteração e qual a principal causa que leva a essa reincidência, em uma unidade básica de saúde na cidade de Cajazeiras/PB. O presente estudo foi realizado a partir de uma pesquisa observacional, com abordagem quanti-qualitativa através do levantamento de um prontuário que obtinha os resultados de cada exame Papanicolaou e um questionário foi aplicado as pacientes que obtiveram o citopatologico positivo para cândida sp, a amostra foi composta por 64 mulheres no período de fevereiro a novembro de 2016. Tendo em vista que das 64 jovens (70,32%) eram saudáveis e (29,68%) foram as que obtiveram o citopatológico positivo para cândida sp. A prevalência de recorrência foi em mulheres de 24 anos com (31,57%) e sua menor estatística acontecendo em jovens de 18 anos com (5,26%) dos casos. Os dados coletados foram processados por meio de estatística descritiva através do Microsoft World 2013, sendo as variáveis expressas em frequências relativas e absolutas sob a forma de gráficos de coluna e de pizza. Ao fim desse estudo foi possível observar que a candidíase vulvovaginal recorrente é prevalente em mulheres na idade fértil e que sua possível causa é bastante ligada a anticoncepcionais hormonais ou estresses emocionais.

 

Palavras-chave: Cândida sp. Vulvovaginites. Recorrente. Mulheres.


Palavras-chave


candida sp. vulvovaginites recorrente.mulheres.

Texto completo:

PDF

Referências


BOATTO, Humberto Fabio et al. Correlação entre os resultados laboratoriais e os sinais e sintomas clínicos das pacientes com candidíase vulvovaginal e relevância dos parceiros sexuais na manutenção da infecção em São Paulo, Brasil. Rev. Bras. Ginecol. Obstet. [online]. 2007, vol.29, n.2, pp.80-84. ISSN 0100-7203. http://dx.doi.org/10.1590/S0100-72032007000200004.

ELEUTÉRIO JÚNIOR, José; GIRALDO, Paulo César. Eosinófilia no sangue periférico de mulheres com candidíase vaginal recorrente. CEP, v. 59010, p. 180.

FEUERSCHUETTE, Otto Henrique May et al. Candidíase vaginal recorrente: manejo clínico. Femina, v. 38, n. 1, 2010.

FONTANA, RENATO. Frequência de leveduras em fluido vaginal de mulheres com e sem suspeita clínica de candidíase vulvovaginal. Rev Bras Ginecol Obstet, v. 31, n. 6, p. 300-4, 2009.

GIOLO, Muriel Padovani; SVIDZINSKI, Terezinha Inez Estivalet. Fisiopatogenia, epidemiologia e diagnóstico laboratorial da candidemia. J. bras. patol. med. lab, v. 46, n. 3, p. 225-234, 2010.

JÚNIOR, Anísio Gazeta; GRIGOLETO, Andréia Regina Lopes; FREGONEZI, Paula Andrea Gabrielli. Candidíase Vaginal: uma questão de educação em saúde/Vaginal Candidiasis: a matter of education in health. Brazilian Journal of Health, v. 2, n. 2, 2014

RODRIGUES, Manuel Jorge. Doenças Sexualmente Transmissíveis (DST) na Adolescência. Nascer e Crescer-Revista do Hospital de Crianças Maria Pia, v. 19, n. 3, p. 200-200, 2010.

POSSER, Juliana et al. ESTUDO DAS INFECÇÕES CÉRVICO-VAGINAIS DIAGNOSTICADAS PELA CITOLOGIA. REVISTA SAÚDE INTEGRADA, v. 8, n. 15-16, 2016.

SÁ NASCIMENTO, Isolamento de Candida no esfregaço cérvico-vaginal de mulheres não gestantes residentes em área ribeirinha do. Estado do Maranhão, Brasil, 2012. Isolation of .... a suscetibilidade de. Candida em um hospital de referência da Região.

SHIOZAWA, Pedro et al. Tratamento da candidíase vaginal recorrente: revisão atualizada. Arq Med Hosp Fac Cienc Med Santa Casa São Paulo, v. 52, n. 2, p. 48-50, 2007.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.