PRESENÇA DE OOCISTOS DE CRYPTOSPORIDIUM SP. EM RESERVATÓRIOS DOMÉSTICOS DE COMUNIDADES RURAIS

Bartolomeu Garcia de Souza Medeiros

Resumo


Cryptosporidium sp. é um protozoário de veiculação hídrica cuja doença é a criptosporidiose, que causa diarreia crônica e pode levar ao óbito, principalmente em indivíduos que apresentam a síndrome da imunodeficiência (AIDS). Pode ser encontrado em zonas rurais, devido à precarias condições de tratamento de água. O objetivo do trabalho foi avaliar a presença de oocistos de Cryptosporidium sp. em reservatórios domésticos de comunidades rurais para se obter informações que auxiliem a população, inclusive nos hospitais destes lugares a importância de se tratar corretamente a água. Tratou-se de uma pesquisa quantitativa onde foi determinado a presença de oocistos de Cryptosporidium sp. em 40 reservatórios da cidade de Alagoa Grande-PB. Foram realizadas entrevistas com os moradores da região abordando questões relacionadas com os aspectos de utilização dos reservatórios. Cerca de 75%  dos reservatórios apresentam oocistos de Cryptosporidium sp.. Dentre os 40 entrevistados,  62%  relataram fazer uso da água do reservatório para banho e para as práticas domésticas,  50%  usavam água para beber sem um tratamento prévio e apenas 35%  fazem limpeza frequente nos reservatórios. Estas informações são de grande importância principalmente para os hospitais da região que fazem uso também destes reservatórios, comprometendo, principalmente a saúde de pacientes com AIDS  devido à presença de oocistos de Cryptosporidium sp. Sendo assim, a constatação da elevada prevalência de oocistos de Cryptosporidium sp. nos reservatórios de comunidades rurais é de grande importância, principalmente para os hospitais da região, pois o uso dessa água pode causar diarreias crônica em pacientes portadores da síndrome de imunodeficiência adquirida. 


Palavras-chave


Sindrome da Imunodeficiência Adquirida (AIDS). Diarreia crônica. Veiculação hídrica.

Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL, Portaria n° 518, de 25 de março de 2004.

CIMERMAN, S.C.B; LEWI, D.S. Parasitoses intestinais. Visão crítica de sua importância em nossso meio.1998. Ars Curandi. 1998; 31: 5-9.

CIMERMAN, S.; CIMERMAN, B.; SALOMÃO, D. Avaliação da relação entre parasitoses intestinais e fatores de risco para o HIV em pacientes com AIDS. Revista da Sociedade Brasileria de Medicina Tropical. 1999; 32(2): 181-185.

CORTIM, M.; VILLAFAÑE M.F.; MUZZIO, E.; BAVA, J.; ABUÍN, J.C.; PALMIERI, O.J. Pulmonary cryptosporidiosis in AIDS patients. Rev. Argent. Microbiol. 2008; 40(2): 106-8.

COURA, J.R. Dinâmica das doenças infecciosas e parasitárias. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

DE CARLI, G.A. Parasitologia Clínica: Seleção de Métodos e Técnicas de Laboratório para o Diagnóstico das Parasitoses Humanas. São Paulo: Atheneu, 2001.

FONSECA, J.E. Implantação de cisternas para armazenamento de água de chuva e seus impactos na saúde infantil: Um estudo de coorte em Berilo e chapada do Norte, Minas Gerais. Dissertação de Mestrado. Programa de pós-graduação em Saneamento, Meio Ambiente e Recursos Hídricos, UFMG/2012.

GAMBA, R.C.; CIAPINA, E.M.P.; BATELLO, E.R.; ESPINDOLA, R.S.; SILVA, A.L.B.; PACHECO, A. & PELLIZARI, V.H. Detecção de oocistos de Cryptosporidium em água de poços utilizados para consumo em Itaquaquecetuba, SP. Rev., Soc. Bras. Med. Trop. 1997; 32:222-241.

GARRIDO, L.E.M. Cryptosporidium parvum – patógeno emergente de veiculação hídrica: desafios metodológicos de detecção ambiental. Dissertação de Mestrado. Programa de pós-Graduação em Ciências, FIOCRUZ/ENSP.2003.

GOMES, A.H.S; KANAMURA, H.Y.; ALMEIDA, M.E.; ARAUJO, A.J.; Detecção de Cryptosporidium em amostras fecais por técnica de Nested-PCR e comparação com métodos imunológico e parasitológico. Rev. Inst. Adolfo Lutz. 2004; 63(2): 255-261.

LUNA, S.; REYES, L.; CHINCHILLA, M.; CATARINELLA, G. Presença de ooquistes de Cryptosporidium pp. en aguas superficiales em Costa Rica. Parasitologia Latinoamericana. 2002; 57(1-2): 65-65.

NEWMAN, R.D., ZU, S.X., WUHIB, T., LIMA, A.A., GUERRANT, R.L. & SEARS, C.L., 1994. Household epidemiology of Cryptosporidium parvum infection in urban community in northeast Brazil. Ann. Intern. Med. 1994; 120:500-505.

PEREIRA, J. T.; SOCCOL, V. T. et al., Cryptosporidium spp.: para controlar é necessário conhecer. Revista Saúde e Ambiente / Health ande Environment Journal, 2009; 10(2).

SMITH, H.V.; ROSE, J.B. Waterbone cryptosporidosis: current status. Parasitology Today. 1998; 14: 14-22.

SPÓSITO FILHA, E.; OLIVEIRA, S.M. Divulgação Técnica Criptosporidiose. Biológico, 2009; (71): 17-19.

STURGESS I.; GREENFIELD, S.M.; TEARE, J.; O'DOHERTY, M.J. Ulcerative colitis developing after amoebic dysentery in a haemophiliac patient with AIDS. Gut. 1992; 33: 408-410.

VERGARA CASTIBLANCO, C.; SANTOS NÚÑEZ, S.; FREIRE SANTOS, F.; ARES MAZÁS, E. Cryptosporidiosis in the Andean region of Colombia: seroprevalence and recognition of antigens. Ver. Panam Salud Publica. 2000; 8(6): 373-9.

VITAL, F.A.C. Avaliação da Qualidade Bacteriológica da Água Utilizada em Hospitais de Eficácia da Solução de Hipoclorito de Sódio Utilizada para Cloração em Reservatórios. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Biomedicina) – Universidade Federal de Pernambuco. 2006.

XAVIER, R. P. Ocorrência de contaminação por bactérias e por protozoários patógenos intestinais em águas de consumo humano nas comunidades rurais do município de Tuparetama – PE. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Biomedicina) – Universidade Federal de Pernambuco. 2006.

XAVIER, R. P. Influência de barreiras sanitárias na qualidade da água de chuva armazenada em cisternas no semiárido paraibano. Dissertação de mestrado. Programa de Pós-Graduação em Engenharia Civil e Ambiental, Universidade Federal de Campina Grande. 2010.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.