A eficácia do diagnóstico precoce na prevenção da Doença Hemolítica Perinatal

Sthefany Dantas de Brito Muniz

Resumo


RESUMO

Objetivo: Adquirir um expressivo conteúdo referente a eritroblastose fetal ou doença hemolítica do recém-nascido e mostrar a eficácia do diagnostico para prevenção ou até mesmo a eliminação da doença.
Método: Para elaboração deste artigo, foi realizada revisão de literatura, a partir de bases de dados, tais como SciElo e LILACS.
Considerações finais: Foi possível concluir que a patologia eritroblastose fetal ou doença hemolítica do recém-nascido pode acometer de forma grave ou até mesmo levar ao óbito, e com o diagnóstico preciso a doença pode ser prevista ou eliminada.


DESCRITORES: Eritroblastose fetal. Doença hemolítica. Diagnostico. Prevenção.

Palavras-chave


Eritroblastose fetal. Doença hemolítica. Diagnostico. Prevenção.

Texto completo:

PDF

Referências


BIOCHI E, NARDOZZA LMM. Aloimunização. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetria. 2009:31:11-9. Disponível em: Acessado em: 10 de Janeiro de 2018.

CARVALHO YF. DOENÇA HEMOLÍTICA PERINATAL: CORRELAÇÃO COM OS ANTICORPOS IRREGULARES. 2012. 30 f. Tese (Doutorado) - Curso de Biomedicina, Universidade Catolica de Brasilia, Brasilia, 2012. Cap. 30. Disponível em: . Acesso em: 23 jun. 2018.

LIMA ADP. DOENÇA HEMOLÍTICA DO RECÉM-NASCIDO CAUSADA POR INCOMPATIBILIDADE RHD. 2015. 28 f. Monografia (Especialização) - Curso de Biomedicina, Centro de Capacitação Educacional, Recifé, 2015. Disponível em: . Acesso em: 23 set. 2018.

LOPES VR, GATTI LL. Doença Hemolitica: Atuação do Enfermeiro Enquanto Cuidador e Orientador. Revista Paraense de Medicina v.28 2014. Disponível em: Acessado em: 11 de Janeiro de 2018.

MACHADO AMF. Prevalência da doença hemolítica peritonial e seus determinantes: Variação com a posição sócio-econômica açores, São Miguel. Dessertação da Universidade Lusófona de Humanidades e Tecnologias. Disponível acessado em: 16 de Outubro de 2018.

NARDOZZA LMM, SZULMAN A, BARRETO JA, ARAUJO JUNIOR E, MORON AF. Bases moleculares do sistema Rh e suas aplicações em obstetricia e medicina transfusional. Revista a Associação de Mécina Brasileira. 2010;56:724-8. Disponível em: Acessado em: 10 de Janeiro de 2018.

RUIZ LGP. Frequência de aloanticorpos e auto-anticorpos em pacientes politransfundidos atendidos pelo Hemonúcleo de Catanduva (Hemorede-Funfarme). Revista do Biomédico. 67. Ed. Disponível em: Acesso em: 8 de maio de 2018.

SEIDL V. Doença hemolítica perinatal: Fatores de risco e abordagem terapêutica. Tese da Fundação Oswaldo Crus pelo Instituto de Nacional da Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente Fernandes Figueiredo. Disponível em: Acessado em: 16 de Outubro de 2018

SILVA MLA, SILVA JOR, MELO HCS. Eritroblastose fetal: diagnósticos e aspectos imunológicos. Revista Acadêmica Multidiciplinar da Faculdade Cidade de João Pinheiro-ISSN 2318-4817 2016. Disponível em: Acessado em: 10 de Janeiro de 2018.

TARELLI CA, SANTOS A, ROMANI G, PIRES MM, TUSSET C. Eritroblatose Fetal: Uma Atualização da Literatura. II Congresso de Pesquisa e Extensão da FSG. Caxias do Sul - RS, de 27 a 29 de Maio de 2014. Disponível em: . Acessado em: 10 de Janeiro de 2018.

VITORELLO DA, PARENTE LMM, RAMOS RJ, GONÇALVES LFA, BAUMGARTEN CD,SAAB NETO JA. Transfusão Intra-uterina em Fetos Afetados pela Doença Hemolitica Perinatal Grave: Um Estudo Descritivo. Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetría v. 20 1998. Disponível em: Acessado em: 11 de Janeiro de 2018.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.