Caracterização epidemiológica da leishmaniose visceral humana no Nordeste brasileiro, entre 2010 e 2017

Robespierre Vieira de Lucena

Resumo


A leishmaniose visceral é uma zoonose que atinge populações de todo mundo, sendo na América latina conhecida como Calazar. Esta parasitose estava inicialmente associada a áreas rurais, mas em decorrência das diversas mudanças no ambiente, tais como a urbanização progressiva e desordenada, o desmatamento das regiões periurbanas e o processo intenso de migração, tem ocorrido uma maior distribuição da doença para além das áreas endêmicas, fazendo com que a patologia apresente, hoje, um novo modelo de distribuição eco-epidemiológico urbanizado, tendo, atualmente, grande relevância no contexto epidemiológico das principais áreas urbanas do Brasil e do mundo. No Brasil, a Leishmaniose visceral é causada pela Leishmania (Leishmania) infantum chagasi. Esta zoonose é transmitida principalmente por pelo mosquito Lutzomyia (Lutzomyia) longipalpis. O cão é considerado o principal reservatório urbano do parasita, desempenhando um papel importante na transmissão e epidemiologia da doença.


Texto completo:

PDF

Referências


BRASIL. Ministério da Saúde. Leishmaniose visceral - casos confirmados notificados no sistema de informação de agravos de notificação – Brasil. Disponível em: http://tabnet.datasus.gov.br/cgi/deftohtm.exe?sinannet/cnv/leishvpr.def. Acesso em: 20 set. 2018.

NEVES, D. P. et al. Parasitologia humana. 13. ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2016, 494p.

REY, L. Bases da parasitologia médica. 3. ed., Guanabara Koogan, São Paulo, 2011.

LYRA, Marcelo Rosandiski et al. First report of cutaneous leishmaniasis caused by Leishmania (Leishmania) infantum chagasi in an urban area of Rio de Janeiro, Brazil. Revista do Instituto de Medicina Tropical de São Paulo, v. 57, n. 5, p. 451-454, 2015.

REY, L. Parasitologia. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 2008, 856p.

BRASIL, M. S. Manual de vigilância e controle da leishmaniose visceral. Brasília: Ministério da Saúde, 120p, 2006.

WHO. World Health Organization. Leishmaniosis. Epidemiological situatios. Disponível em: http://www.who.int/leishmaniasis/burden/en/. Acesso em 23 de junho de 2018.

Brasil. Ministério da Saúde. Manual de Vigilância e Controle da Leishmaniose visceral. Brasília: Ministério da Saúde. 2014.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.