IDENTIFICAÇÃO DE Cryptosporidium parvum EM EXCRETAS DE POMBOS NAS PRINCIPAIS PRAÇAS DE CAMPINA GRANDE-PB

Maria Socorro Rocha Melo Peixoto

Resumo


O Cryptosporidiumparvum é um protozoário cujos oocistos possuem quatro esporozoítas. Tendo grande capacidade de reprodução e disseminação, sendo conhecidos por infectar diferentes espécies de animais. Este parasita é amplamente conhecido na literatura médica, como o responsável por surtos de diarreia em pessoas, tendo como um dos principais vetores aves da espécie Columba livia, indicando uma problemática para saúde pública, em especial para pessoas imunodeprimidas. O objetivo desse estudo foi pesquisar os protozoários Cryptosporidium parvum e Entamoeba sp em excretas de pombos em três principais praças no centro de Campina Grande, PB em 2018. Em cada uma delas, foram coletados 10 amostras de excretas frescas ou secas e que estavam depositadas em diversos locais como bancos, mesas, chão, telefones públicos, barracas, ponto de ônibus, entre outros. De cada amostra foram confeccionadas 10 lâminas coradas para observação microscópica. Para pesquisa dos parasitas, foi usada as técnicas de Kinyoun e o método de Hoffman. Foram encontradas 100% de positividade para oocistos de Cryptosporidium parvum e e cistos de Entamoeba sp. Diante dos resultados encontrados fica evidente a necessidade de medidas sanitárias para controlar a presença dessas aves em ambientes públicos, evitando assim o comprometimento da saúde humana.

Palavras-chave


Infecção. Parasitas intestinais. Excretas de Pombos.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHAMSEN, M.S et al. Complete genome sequence of the apicomplexan, Cryptosporidium parvum. Science. 2004.

BAXBY, D.; BLUNDELL, N.; HART, C.A. The development and performance of a simple, sensitive method for the detection of Cryptosporidium oocysts in faeces.The journal of hygiene, 1984.

BRASIL. Lei Federal Nº 9.605, de 12 de fevereiro de 1998. Dispõe sobre as sanções penais e administrativas derivadas de condutas e atividades lesivas ao meio ambiente, em.Acesso em 24 maio de 2018.:

CAUSER, L.M.; HANDZEL, T.; WELCH, et al. An outbreak of Cryptosporidium hominis infection at an Illinois recreational waterpark. Epidemiology and Infection, 2005.

DE CARLI,G. A.. Parasitologia Clínica: seleção de métodos e técnicas de laboratório para diagnóstico das parasitoses humanas. 2.ed. São Paulo: Atheneu, 2007.

DRAIBE, S. Rumos e metamorfoses: um estudo sobre a constituição do Estado e as alternativas da industrialização no Brasil, 1930-1960. Janeiro Rio de: Paz e Terra, 1985.

DUBEY, J.P.; FAYER, R. Sarcocystosis, Toxoplasmosis and Cryptosporidiosis in Cattle. Veterinary Clinics of North America: Food Animal Practice, 1982.

ENTRALA, E.; SBIHI, Y.; SANCHEZ-MORENO, M and MASCARO, C. Antigen incorporation on Cryptosporidium parvum oocyst walls. Mem. Inst. Oswaldo Cruz [online],2001.

FAYER, R. Epidemiology of Cryptosporidium: transmission, detection and identification. International Journal for Parasitology, 2000.

FERREIRA, V. L. Avaliação sazonal do perfil sanitario de pombos-domensticos (Columbalivia) em ares de armazenamento de grão e smente no estado de São Paulo. Dissertação (mestrado em ciências). Faculdade de medicina veterinaria e zootecnia, Universidade de São Paulo, 2012.

GRAAF, D.C.; VANOPDENBOSCH, E., O; TEGA-MORA, L.M. et al.. A review of the importance of cryptosporidiosis in farm animals. International Journal for Parasitology, 1999.

QUÍLEZ, J.; VERGARA-CASTIBLANCO, C.A.; ARES-MAZÁS, M.E.et al. Serum antibody response and Cryptosporidium parvum oocyst antigens recognized by sera from naturally infected sheep. Veterinary Parasitology, 2002.

HAAG-WACKERNAGEL, D.; MOCH, H. Health hazards posed by feral pigeons. Journal of Infection, 2004.

LEOPOLDI, M. O difícil caminho do meio: Estado, burguesia e industrialização no segundo governo Vargas. In: GOMES, A. (Org.). vargas e a crise dos anos 50. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1994.

NEVES, D. P. Parasitologia humana. 11. ed. Rio de Janeiro: Atheneu, 2005.

MILLÁN, J.; ADURIZ, G.; MORENO, B.; JUSTE, R.A.; BARRAL, M. Salmonella isolates from wild birds and mammals in the Basque Coutry (Spain).Scientific and Techical Review, 2004.

MORGAN, U.M.; THOMPSON, R.C.A. PCR detection of Cryptosporidium, the way forward?, Parasitology Today,1998.

OLIVEIRA, O.; ROBERTS, B. O crescimento urbano e a estrutura urbana na América Latina. In: BETHELL, L. (Org.). História da América Latina: a América Latina após 1930: economia e sociedade. São Paulo:Edusp; Brasília: Fundação Alexandre de Gusmão, 2005.

OLIVEIRA, S. S. S. ; MEDEIROS, B. G. S. ; LUCENA, V. S. ; BATISTA, B. C. S. ; PEIXOTO, M. S. R. M. . Avaliação das práticas de manutenção e manejo de reservatórios contaminados com a presença dos oocistos de Cryptosporidium sp. causadores de diarréias crônicas em pacientes imunodeficientes.Congresso Brasileiro de Ciências da Saúde, 2016.

REY, L. Bases da parasitologia médica. 3 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2016.

RIBEIRO, P.C.; PILE, E., QUEIROZ, M.M.C., NORBERG, A.N., TENÓRIO, J.R.O. Cryptosporidiosisoccurrence in HIV + patientsattended in a hospital, Brazil. Revista Saúde Pública, 2004.

SERRA, J. Ciclos e mudanças estruturais na economia brasileira do pós-guerra. In: BELLUZZO, L.; COUTINHO, R. Desenvolvimento capitalista no Brasil. Ensaios sobre a crise. 2. ed. São Paulo: Brasiliense, 1983.

SICK., H. Ornitologia Brasileira. 4 ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira,2001.

SILVA, J. O.; CAPUANO, D. M. Ocorrência de Cryptococcus spp e de parasitas de interesse em saúde pública, nos excretas de pombos na cidade de Ribeirão Preto, São Paulo, Brasil. Rev. Inst. Adolfo Lutz v.67 n.2 São Paulo, 2008.

STERLING, C.R.; ARROWOOD, M.J. Cryptosporidia. In: Julius P. Kreier, Parasitic Protozoa. Academic press, 1992.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.