ANÁLISE QUALITATIVA E AVALIAÇÃO ANTIMICROBIANA DO ÓLEO DE ARGAN (Argania spinosa L.) COMERCIALIZADOS EM BARBACENA - MG

Juliana Cristina dos Santos Almeida Bastos, Ana Paula Mendes Gava, Vanessa Michele de Assis, Marcelo Santos de Oliveira, Rosana Gonçalves Rodrigues-das-Dôres

Resumo


Argania spinosa L. é uma árvore pertencente à família Sapotaceae que cresce endemicamente no sudoeste marroquino. Seu óleo possui diversos constituintes como compostos fenólicos, saponinas, triterpenos que conferem diversas atividades biológicas. O objetivo deste estudo foi avaliar a qualidade e o potencial antioxidante e antibacteriano das amostras de óleo de argan comercializadas em farmácias de Barbacena - MG, por meio de testes de análise organoléptica, densidade relativa, saponinas de busca, atividade antioxidante e atividade antibacteriana contra Staphylococcus aureus, uma bactéria que pode colonizar o couro cabeludo. Foram utilizadas três amostras de óleo de argan denominadas A, B e C. Essas amostras apresentaram características consistentes ao óleo puro, exceto a amostra C. No teste de atividade antioxidante com DPPH, as três amostras apresentaram potencial antioxidante, sendo a amostra A mais satisfatória. Em relação à atividade antibacteriana, a amostra A na inibição do crescimento bacteriano em teste por contato mostrou atividade antimicrobiana contra cepas de S. aureus e pode ser utilizada no tratamento tópico de infecções por essas bactérias. As amostras B e C não inibiram o crescimento da espécie em nenhuma metodologia satisfatória. Foi demonstrado uma diversidade de qualidade em relação às amostras de argan comercializadas em Barbacena. Uma melhor fiscalização poderia auxiliar no controle da qualidade dos produtos comercializados. A amostra A demonstrou ser uma boa alternativa para o desenvolvimento de produtos contendo óleo de argan no combate à bactéria Staphylococcus aureus.


Palavras-chave


antioxidante; antibacteriano; DPPH

Texto completo:

PDF

Referências


ALAOUI, A. et al. Triterpenoid Saponins from the Shells of Argania spinosa Seeds. J. Agric. Food Chem, v. 50, n. 16, p. 4600-3, 2002.

BABILI, F.E., BOUAJILA, J., FOURASTE, I., VALENTIN, A., MAURET, S., MOULLIS, C. Chemical study, antimalarial and antioxidant activities, and cytotoxicity to human breast cancer cells (MCF7) of Argania spinosa. Phytomedicine, v.17, p.157-160, 2010.

BERROUGUI, H. et al. Argan (Argania spinosa) oil lowers blood pressure and improves endothelial dysfunction in spontaneously hypertensive rats. British Journal of Nutrition, v. 92, p. 921–9, 2004.

BONVICINI, F., ANTOGNONI, F., MANDRONE, M., PROTTI, M., MERCOLINI, L., LIANZA, M., GENTILOMI, G.A., POLI, F. Phytochemical analysis and antibacterial activity towards methicillin-resistant Staphylococcus aureus of leaf extracts from Argania spinosa (L.) Skeels. Plant Biosystems, v.151, n.4, p. 649-656, 2017.

BRASIL. Ministério da Saúde. Farmacopéia Brasileira, 5. ed., v. I, Brasília, 2010.

CHARROUF, Z. et al. Triterpenoid saponins from Argania spinosa. Phytochemistry, v. 31, n. 6, p. 2079-86, 1992.

CHAFCHAOUNI-MOUSSAOUI, I., CHARROUT, Z., GUILLAUME, D. Triterpenoids from Argania spinosa: 20 years of Research. Natural Product Communications, v.8, n.1, p. 43-46, 2013.

CHARROUF, Z.; GUILLAUME D. Phytochemical Study of Argania Spinosa (L.) Skeels: A Review. ELSEVIER - Journal of Ethnopharmacology, p. 1-8, Paris, France, nov. 1998.

CHARROUF, Z.; GUILLAUME D. Secondary metabolites from Argania spinosa (L.) Skeels. Phytochemistry Reviews, v.1, p. 345–54, 2002.

DVILEVICIUS, A. E. et al. Craniotomia sem tricotomia: Avaliação de 640 casos. Neuropsiquiatr, v.62, n.1, p.103-7, 2004.

FEDRIGO, I. H. et al. Obtenção de formas cosméticas a partir do extrato aquoso de quinoa (Chenopodium quinoa Wild). Revista Saúde e Pesquisa, v. 4, n. 2, p. 207-12, Maio/Ago. 2011.

KAMAL, R., KHARBACH, M., HEYDEN, Y.V., DOUKKALI, Z., GHCHIME, R., BOUKLOUZE, A., CHERRAH, Y., ALOUI, K. In vivo anti-inflammatory response and bioactive compound´s profile of polyphenolic extracts from edible Argan oil (Argania spinosa L.), obtained by two extraction methods. Journal of Food Chemistry, v.1, p.1-11, 2019.

LÓPEZ SÁEZ, J. A.; ALBA SÁNCHEZ, F. Ecología, etnobotánica y etnofarmacología del argán (Argania spinosa). Boletín Latinoamericano y del Caribe de Plantas Medicinales y Aromáticas, Chile, v. 8, n. 5, p. 323-41, sep.2009.

MACHADO, M. T.; GULINI, T.; FRANÇA, A. J. V. B. D. Análise de produtos cosméticos com apelo de fotoproteção capilar. Universidade do Vale do Itajaí, 2009.

MAJOURHAT, K. et al. Karyotype characterization of Argania spinosa (L.) Skeel (Sapotaceae). South African Journal of Botany, v. 73, p. 661–3, 2007.

MARFIL, R. et al. Determination of polyphenols, tocopherols, and antioxidant capacity in virgin argan oil (Argania spinosa, Skeels). Eur. J. Lipid Sci. Technol, Granada, Spain, v. 113, p. 886–93, 2011.

MENDES, L.P.M. et al. Atividade Antimicrobiana de Extratos Etanólicos de Peperomia pellucida e Portulaca pilosa. Rev Ciênc Farm Básica Apl., v.32, n.1, p.121-5, 2011.

MENEZES, T. et al. Avaliação in vitro da atividade antifúngica de óleos essenciais e extratos de plantas da região amazônica sobre cepa de Candida albicans. Revista de Odontologia da UNESP, p. 184-91, 2009.

MONFALOUITI, H. E. et al. Analysis and antioxidant capacity of the phenolic compounds from argan fruit (Argania spinosa (L.) Skeels). Eur. J. Lipid Sci. Technol, Reims, France, v. 114, p. 446–52, 2012.

MOUKAL, A. L’arganier, Argania spinosa L. (skeels), usage thérapeutique, cosmétique et alimentaire. Phytothérapie, v. 5, p. 135-41, 2004.

PACKER, J.F.; LUZ, M.M.S. Método para avaliação e pesquisa da atividade antimicrobiana de produtos de origem natural. Revista Brasileira de Farmacognosia, v.17, n.1, p.102-7, Jan./Mar. 2007.

OUGHLIAS, A., CHERITI, A., REDDY, H. In vitro antioxidant activity and total phenolic content of extracts from the endemic Argania spinose (L.) Skeels from Algerian Sahara. Revista de Ciências Fundamentais e Aplicadas, v.11, n.1, p. 539-547, 2018.

SANTOS, H.S.; CRUZ, W.M.S. A terapia nutricional com vitaminas antioxidantes e o tratamento quimioterápico oncológico. Revista Brasileira de Cancerologia, v.47, n.3, p. 303-8, 2001.

SOUSA, T. M. P.; CONCEIÇÂO, D. M. Atividade antibacteriana do alecrim (Rosmarinus officinalis L.). p.7-13, Leme-SP, 2007.

TOBIAS, M. L. et al. Controle de qualidade de drogas vegetais de farmácias de manipulação de Maringá (Paraná -Brasil). Revista Eletrônica de Farmácia, v. 4, n.1, p. 95-103, 2007.

VEIGA JÚNIOR, V.F., PINTO, A.C., MACIEL, M.A.M. Plantas Medicinais: cura segura? Quim. Nova, v.28, n. 3, p. 519-28, 2005.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.