A construção do texto e a condução do leitor: o percurso gerativo de sentido em “Conoces el Book?”

Elis Regina Alves dos Santos, Cidoval Morais de Sousa, Maria Cristina Comunian Ferraz, Mônica Baltazar Diniz Signori

Resumo


Segundo Barros (2005), a teoria semiótica desenvolvida por Greimas objetiva descrever e explicar o que o texto diz e como ele diz o que diz, propondo, para isso, o percurso gerativo de sentido, concebido como uma organização cujo encadeamento orienta-se para níveis crescentes de abstração, generalização, invariância. Neste contexto, partindo da identificação dos elementos que compõem os níveis do texto (discursivo, narrativo e fundamental) e de outros aspectos associados ao texto sincrético, este trabalho se propõe a descrever e analisar o percurso gerativo de sentido no vídeo “Conoces el BOOK?”. Como resultado, verifica-se de que forma a construção do texto conduz o leitor em seu caminho de criação de sentido, levando à aproximação (eufórica/disfórica) dos valores que o vídeo pretende transmitir.

Palavras-chave


Semiótica; Percurso Gerativo de Sentido

Texto completo:

PDF

Referências


ANTONIO, Deise Maria. O percurso gerativo de sentido aplicado à análise documental de textos narrativos de ficção: perspectivas de utilização em bibliotecas universitárias. 2008. 137f. Dissertação (Mestrado em Ciência da Informação)- Faculdade de Filosofia e Ciências, Universidade Estadual Paulista, 2008.

ARAGÃO, Isabella Ribeiro. Ampliação das configurações gráficas no cinema. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE CIÊNCIAS DA COMUNICAÇÃO, 28., 2005, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: Intercom, 2005.

AUTRAN, Arthur. Imagens do negro na cultura brasileira: considerações em torno do cinema, teatro, literatura e televisão. São Carlos: EDUFSCar, 2011.

BARROS, Diana Luz Pessoa de. Teoria semiótica do texto. São Paulo: Ática, 2005.

CONOCES el BOOK? Produção de PopularLibros.com. Albacete: Popular Libros, 2010. Disponível em: . Acesso em: 20 maio 2015.

HOLTHAUSEN, Jheison; BRITO, Glaucia da Silva. Imagens mescladas: expressões da arte de rua, a pop art e o cinema. Discursos fotográficos, Londrina, v.6, n.8, p.53-77, jan./jun. 2010.

MILL, Daniel; JORGE, Gláucia. Sociedades grafocêntricas digitais e educação: sobre

letramento, cognição e processos de inclusão na contemporaneidade. In: ______ (Org.). Escritos sobre educação: desafios e possibilidades para ensinar e aprender com as tecnologias emergentes. São Paulo: Paulus, 2013. p. 39-71.

SANTOS, Fernanda Aline Moreira; RUIZ, Marco Antonio Almeida; SIGNORI, Mônica Baltazar Diniz (Org.). Pinceladas Semióticas. São Carlos: Pedro & João Editores, 2011. v.1.

SAUSSURE, Ferdinand de. Curso de linguística geral. São Paulo: Cultrix, 1971.

SIGNORI, Mônica Baltazar. A imagem no sincretismo cinematográfico: um estudo de Noiva Cadáver. In: JORNADA NACIONAL E INTERNACIONAL EM ANÁLISE DO DISCURSO NA CIÊNCIA DA INFORMAÇÃO, 5, 2012, São Carlos. Anais... São Carlos, 2012. Disponível em: . Acesso em: 10 abr. 2015.

XAVIER, Ismail. O discurso cinematográfico: a opacidade e a transparência. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1984.




DOI: http://dx.doi.org/10.18391/req.v16i2.2781

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Qualitas Revista Eletrônica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Qualitas Revista Eletrônica

Campina Grande - PB

ISSN - 1677-4280

Digital Object Identifier (DOI): 10.18391