A Importância do Contexto Nacional Industrial na Adoção de Políticas para o Aproveitamento Energético do Biogás Oriundo dos Resíduos Sólidos Urbanos

Ruy Quadros, André Neiva Tavares, Glicia Vieira dos Santos, Sérgio Bajay

Resumo


O objetivo deste artigo é evidenciar como o contexto industrial é determinante na adoção de políticas públicas de fomento ao aproveitamento energético do biogás de Resíduos Sólidos Urbanos (RSU) no Brasil. O país gerou 78,6 milhões de toneladas de RSU em 2014, sendo que apenas 58,3% tiveram um destino adequado, a despeito das obrigações da Política Nacional de Resíduos Sólidos. O aproveitamento energético do biogás de RSU ainda é incipiente no Brasil, mas com uma forte tendência de crescimento, gerando interesse por parte do empresariado nacional e estrangeiro. Embora o biogás não seja uma “bala de prata” para responder aos desafios de suprimento de eletricidade, ele constitui uma das várias opções disponíveis para aprofundar os poucos avanços ocorridos até agora de descentralização da matriz elétrica brasileira, bem como aproveitar um recurso que, em sua maior parte, é subutilizado. O artigo apresenta os desafios próprios do país, o potencial de “adensamento” produtivo e tecnológico, e possíveis novas políticas industriais e tecnológicas de apoio ao aproveitamento energético do biogás de RSU.

Palavras-chave


Biogás. Resíduos sólidos urbanos. Energia do lixo. Gestão de tecnologia. Políticas públicas.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE EMPRESAS DE LIMPEZA PÚBLICA E RESÍDUOS ESPECIAIS. Panorama dos Resíduos Sólidos no Brasil – 2014. São Paulo, 2014.

AGÊNCIA NACIONAL DE ENERGIA ELÉTRICA (ANEEL). Banco de Informações de Geração – USINAS do tipo UTE em Operação. 2016. Disponível em: http://www.aneel.gov.br/aplicacoes/capacidadebrasil/GeracaoTipoFase.asp?tipo=2&fase=3. Acessado: 22/04/2015. Acessado em: 21/03/2016.

BANCO MUNDIAL. What a Waste – A Global Review of Solid Waste Management. Urban Development Series Knowledge Papers, 15. Washington (EUA), 2012.

DEMAJOROVIC, Jacques. Da política tradicional de tratamento de lixo à política de gestão de resíduos sólidos – As novas prioridades. Revista de Administração de Empresas. São Paulo, v. 35, n 3, p. 88-93, maio-jun, 1995.

EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA (EPE). Economicidade e Competitividade do Aproveitamento Energético dos Resíduos Sólidos Urbanos. Nota Técnica DEA 16/14. Série “Recursos Energéticos”. Rio de Janeiro, 2014.

FRONDIZI, Isaura. O Mecanismo de Desenvolvimento Limpo – Guia de Orientação. Documento. Rio de Janeiro: Imperial Novo Milênio: FIDES, 2009. 133 p.

INSTITUTO ACENDE BRASIL. Análise de Leilões. Disponível em: http://www.acendebrasil.com.br/Analises?tipo=Leil%C3%B5es+de+Gera%C3%A7%C3%A3o. 2014. Acessado: 30/6/2015.

MINISTÉRIO DAS CIDADES (MCIDADES). Probiogás. Disponível em: http://www.cidades.gov.br/index.php/probiogas.html. Acessado em: 24/07/2015.

MINISTÉRIO DA CIÊNCIA, TECNOLOGIA E INOVAÇÃO (MCTI). Atividades de Projetos de MDL Aprovados nos Termos da Resolução No1. Disponível em: http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/57967/Atividades_de_Projetos_MDL_Aprovados_nos_Termos_da_Resolucao_N_1.html. Acessado em: 30/04/2015.

MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA). Plano Nacional de Resíduos Sólidos. Brasília (DF), 2012.

PWC, SINDICATO DAS EMPRESAS DE LIMPEZA URBANA NO ESTADO DE SÃO PAULO (SELUR) e ASSOCIAÇÃO BRASILEIRA DE RESÍDUOS SÓLIDOS E LIMPEZA PÚBLICA (ABLP). Três anos após a regulamentação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS): seus gargalos e superações. São Paulo, 2014.

SECRETARIA NACIONAL DE SANEAMENTO AMBIENTAL. Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento: diagnóstico de manejo de resíduos sólidos urbanos – 2013. Brasília (DF), 2015.




DOI: http://dx.doi.org/10.18391/req.v17i2.3055

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2016 Qualitas Revista Eletrônica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Qualitas Revista Eletrônica

Campina Grande - PB

ISSN - 1677-4280

Digital Object Identifier (DOI): 10.18391