CADEIA GLOBAL DE VALOR: UM ESTUDO DA INSERÇÃO VIA COMÉRCIO INTERNACIONAL, DOS MUNICÍPIOS DOS COREDES MISSÕES, NOROESTE COLONIAL, FRONTEIRA NOROESTE E CELEIRO DO RIO GRANDE DO SUL.

Bernardo Both, Nelson José Thesing, Dilson Trennepohl

Resumo


O estudo realiza uma análise da inserção, na cadeia global de valor, de quatro regiões representadas pelos Conselhos Regionais de Desenvolvimento do Rio Grande do Sul (Região de Planejamento Funcional 7), através da análise da evolução do comércio internacional, tanto de exportação, quanto de importação. O estudo utilizou de técnicas quantitativas, numa análise descritiva, com a principal forma de coleta e análise de dados sendo documental, a partir de dados secundários disponibilizados nos meios oficiais de estatísticas de empregos e comércio internacional. A análise demonstrou que as regiões analisadas, no período estudado, tiveram um importante incremento de exportações, da ordem de 326%, ante um percentual de 338% a nível de país, e 288% do Estado do Rio Grande do Sul. Considerando as operações por valor agregado, percebeu-se uma preponderância de exportações de produtos primários, e uma maior importação de produtos industrializados. O incremento de comércio de produtos primários confirma um fenômeno denominado de “reprimarização” da economia brasileira, que é observado no conjunto da economia e que se confirma na região estudada. Tal fenômeno reafirma a necessidade de que as regiões efetuem uma análise crítica do que está ocorrendo, e quais são os mecanismos necessários para melhorar a competitividade internacional dos produtos manufaturados pela região, pois são estes que efetivamente geram valor agregado, gerando emprego e renda para o conjunto da população.


Palavras-chave


Cadeia Global de Valor. Comércio Internacional. Desenvolvimento Regional.

Texto completo:

PDF

Referências


AGÊNCIA BRASILEIRA DE PROMOÇÃO DE EXPORTAÇÕES E INVESTIMENTOS. Exportação. Disponível em: https://portal.apexbrasil.com.br/. Acesso em: 10/08/ 2017.

BELTRAMELLO, A.; DE BACKER, K.; MOUSSIEGT, L. The Export Performance of Countries within Global Value Chains ( GVCs ). OECD Science, Technology and Industry Working Papers02, v. 2, p. 1–47, 2012.

CONAB. Séries Históricas. Disponível em: https://www.conab.gov.br/info-agro/safras/ Acesso em 21/06/2017

DICKEN, P. Global Shift: Mapping the Changing Contours of the World Economy. 6a ed. New York: The Guilford Press, 2011.

ELMS, D. K.; LOW, P. Global value chains in a changing world. Geneva: WTO, 2013.

GEREFFI, G. et al. Globalisation , Value Chains and Development. IDS Bulletin, v. 32, n. 2001, p. 1177–1183, 2001.

GEREFFI, G.; HUMPHREY, J.; STURGEON, T. The governance of global value chains. Review of International Political Economy, v. 12, n. 1, p. 78–104, 2005.

HUMPHREY, J. Globalization and supply chain networks: the auto industry in Brazil and India. Global Networks, 2003.

JONES, R. W.; KIERZKOWSKI, H. A Framework for Fragmentation. International Studies, v. 3, n. 1997, p. 17–34, 2000.

LEE, J.; GEREFFI, G.; BEAUVAIS, J. Global value chains and agrifood standards: challenges and possibilities for smallholders in developing countries. Proceedings of the National Academy of Sciences of the United States of America, v. 109, n. 31, p. 12326–31, 31 jul. 2012.

LEE, S. M.; ZUCKWEILER, K. M.; TRIMI, S. Modernization of the Malcolm Baldrige National Quality Award. v. 44, n. 23, p. 5089–5106, 2006.

MINISTÉRIO DA INDÚSTRIA, COMÉRCIO EXTERIOR E SERVIÇOS (MDIC). Disponível em http://www.mdic.gov.br/comercio-exterior/estatisticas-de-comercio-exterior/balanca-comercial-brasileira-municipios. Acesso em 29/05/2017.

MUDAMBI, R.; PUCK, J. A Global Value Chain Analysis of the Regional StrategyPerspective. Journal of Management Studies, 2016.

OECD. The Next Production Revolution: Implications for Governments and Business. Paris: OECD Publishing, 2016.

OECD. OECD Skills Outlook 2017. Paris: OECD Publishing, 2017. Disponível em: https://read.oecd-ilibrary.org/education/oecd-skills-outlook-2017_9789264273351-en#page1

Acesso em 19/06/2017

OECD; WORLD BANK GROUP. Inclusive Global Value Chains Policy options in trade and complementary areas for GVC Integration by small and medium enterprises and low-income. OECD: Paris e WORLD BANK: Washington, 2015. Disponível em: https://openknowledge.worldbank.org/handle/10986/22935.

PINTO, E. C.; FIANI, R.; CORRÊA, L. M. Dimensões da abordagem da cadeia global de valor: upgrading, governança, políticas governamentais e propriedade intelectual. Brasilia: 2016

STEPHENSON, S. Global Value Chains: The New Reality of International Trade. International Centre for Trade and Sustainable Development (ICTSD) and World Economic Forum. Anais...Geneva: 2014 Disponível em: www.ictsd.org

STURGEON, T. J. et al. A Indústria Brasileira e as Cadeias Globais de Valor: Uma Análise com base nas indústrias aeronáutica, de eletrônicos e de dispositivos médicos. Rio de Janeiro: 2014.

STURGEON, T. J.; BIESEBROECK, J. VAN. Global value chains in the automotive industry: an enhanced role for developing countries? International Journal of Technological Learning, Innovation and Development, v. 4, n. 1/2/3, p. 181, 2011.




DOI: http://dx.doi.org/10.18391/req.v20i1.4830

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2019 Qualitas Revista Eletrônica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Qualitas Revista Eletrônica

Campina Grande - PB

ISSN - 1677-4280

Digital Object Identifier (DOI): 10.18391