A Eficiência na Gestão de Estoques em Empresas Comerciais: Uma Análise de Correlação

Mateus Ferraz Prado, Bruno Ricardo Teixeira, Kárem Cristina de Sousa Ribeiro

Resumo


Administrar estoques implica em elucidar um trade-off em específico: manter elevados níveis garante o suprimento imediato das demandas, porém representa pesados custos de oportunidades, entre outros; já níveis mínimos evitam a imobilização dos recursos financeiros, possibilitando a busca por investimentos mais rentáveis, mas sacrificando o nível de serviço da empresa, o que onera a mesma pelo não atendimento da demanda. Logo, evidencia-se a necessidade de busca por um nível adequado de estoques capaz de garantir a sustentabilidade econômica da empresa. O presente artigo – que trata de uma pesquisa empírica, do tipo descritivo, realizada por meio de um estudo de caso – objetiva verificar a relação do nível de estoques com a rentabilidade de empresas brasileiras comerciais através da análise da correlação entre o indicador de prazos médios de reposição dos estoques e indicadores de rentabilidade. Os resultados encontrados não corroboraram a relação inversa que deveria ser observada entre as variáveis, mas este fato se deve a complexidade de fatores que influenciam a formação do resultado das empresas, e que vão além dos níveis de estocagem, tais como a gestão eficiente do caixa, dos valores a receber, além de fatores externos, como condições econômicas e da demanda.

Texto completo:

PDF


DOI: http://dx.doi.org/10.18391/qualitas.v12i2.924

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Direitos autorais 2015 Qualitas Revista Eletrônica

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada sob uma licença Creative Commons Atribuição - Não comercial - Sem derivações 4.0 Internacional.

Qualitas Revista Eletrônica

Campina Grande - PB

ISSN - 1677-4280

Digital Object Identifier (DOI): 10.18391