Estratégias genéricas adotadas pelas startups

um estudo no mercado de Minas Gerais

Autores

  • Profª. Kelly Centro Universitário Una
  • Prof. Danilo Universidade FUMEC / Centro Universitário Una
  • Prof. Darlan Universidade do Oeste de Santa Catarina
  • Prof. Gustavo Universidade do Algarve

Palavras-chave:

Startups, Inovação, Estratégia Genérica, Planejamento, Mercado

Resumo

A presente pesquisa teve como objetivo analisar as estratégias genéricas adotadas pelas Startups em Minas Gerais tendo como referência cinco categorias pré-definidas: planejamento, mercado, concorrentes, produtos/serviços e parcerias. Trata-se de uma pesquisa descritiva, de abordagem qualitativa, realizada por meio de um estudo de caso. Neste contexto, foram entrevistados 10 sócios-proprietários de Startups de Minas Gerais utilizando um instrumento composto com 25 perguntas, em que eles demonstravam a concordância ou discordância em relação a cada uma das temáticas estudadas, através de uma escala Concordância ou Discordância de 7 pontos, e posteriormente justificavam cada uma das notas por meio de entrevistas estruturadas. Os resultados mostraram que as estratégias genéricas mais utilizadas pelas Startups pesquisadas são cinco: estratégia de oportunidade, estratégia de inovação, estratégia de adaptação, estratégia de diferenciação-produto e estratégia de diferenciação funcional. Constatou-se também que as Startups enfrentam os mesmos problemas: ambiente inseguro, dificuldade ao acesso a financiamentos, grande carga tributária e dificuldade na validação do produto e modelo de negócio. Finalmente, percebe-se que o contexto de gestão das Startups está repleto de desafios, e que a escolha das estratégias genéricas mais apropriadas poderá representar a linha tênue entre o sucesso e o fracasso, em um ambiente cada vez mais competitivo.

Biografia do Autor

Profª. Kelly, Centro Universitário Una

Mestre em Administração pelo Centro Universitário Una

Prof. Danilo, Universidade FUMEC / Centro Universitário Una

Doutor em Administração pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) com doutorado sanduíche pela York University (YorkU, Canadá)
Professor do Programa de Doutorado e Mestrado em Administração (PDMA) da Universidade FUMEC. Professor do Centro Universitário Una

Prof. Darlan, Universidade do Oeste de Santa Catarina

Professor do Programa de Mestrado e Doutorado em Administração da Universidade do Oeste de Santa Catarina

Prof. Gustavo, Universidade do Algarve

Pesquisador de Pós-doutorado na Universidade do Algarve (Portugal)

Referências

ABREU, P. R. M.; CAMPOS NETO, N. M. O panorama das aceleradoras de Startups no Brasil. [S.l.]: Centro de Estudos em Private Equity e Venture Capital (GVcepe), 2016.

ANSOFF, H. I. The new corporate strategy. New York, NY: John Wiley & Sons, 1988.

ANSOFF, H. I. The state of practice in planning systems. Sloan Management Review, v.18, n.2, p. 1-24, 1997.

ARRUDA, C. et al. Causas da Mortalidade de Startups Brasileiras – O que fazer para aumentar as chances de sobrevivência no mercado? [S.n]: Fundação Dom Cabral, 2012.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. 19. ed. Lisboa: Edições 70, 2011.

BLANK, S.; DORF, B. Startup: manual do empreendedor o guia passo a passo para construir uma grande companhia. Rio de Janeiro: Alta Books, 2014.

BRITO, R. P.; BRITO, L. A. L. Vantagem Competitiva, criação de valor e seus efeitos sobre o desempenho. Rev. adm. empres., São Paulo, v. 52, n. 1, p.70-84, jan./fev. 2012.

CAMPOS, N. M. The myth of the idea: and the upside down startup. Charleston, SC: Createspace, 2015.

CARTER, N. M. et al. New Ventures Strategies: Theory Development with an empirical base. Strategic Management Journal, n. 15, v.1, p.21-41, 1994.

CARVALHO, H. G. et al. Panorama das MPE do Paraná com base no Radar da inovação inicial do ciclo ALI PR 2012-2014. Espacios, v. 36, 19, 2015.

CRAINER, S.; CLUTTERBUCK, D. Grandes Administradores: homens e mulheres que mudaram o mundo dos negócios. Rio de Janeiro: J. Zahar, 1993. 270p.

DORNELAS, J. C. A. Empreendedorismo corporativo: como ser empreendedor, inovador e se diferenciar na sua empresa. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

DULLIUS, A. C.; SCHAEFFER, P. R. As capacidades de inovação em startups: contribuições para uma trajetória de crescimento. Revista Alcance, v.23, n.1, 2016.

FERREIRA, M. P. et al. Estratégia em diferentes contextos empresariais: fundamentos, modelos e perspectivas. São Paulo: Atlas, 2010.

GERALDES, J. M. A. Avaliação e mensuração do grau de sobrevivência em startups: proposta de um modelo integrado. 2013. Dissertação (Mestrado em Gestão) – Instituto Superior de Gestão, Business & Economics School, Lisboa, 2013

GIL, A. C. Como elaborar projetos de pesquisas. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010. 184p.

GUERRA, I. C. Pesquisa qualitativa e análise de conteúdo: sentidos e formas de uso. Portugal: Princípia Editora, 2006. 95 p.

GUIMARÃES, S. A. Estratégias competitivas adotadas por empresas de tecnologia da informação. 2000. Dissertação (Mestrado em Informática) – Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2000. 113p.

MILES, R. E.; SNOW, C. C. Organizations: new concepts for new forms. California Management Review, v. 28, n. 3, p. 62-73, Spring 1986.

MOTTA, P.R. A ciência e a arte de ser dirigente. 6. ed. Rio de Janeiro: Record, 1995. 256p.

NAGAMATSU, F. A; BARBOSA, J.; REBECCHI, A. Business Model Generation e as contribuições na abertura de startups. In: SIMPÓSIO INTERNACIONAL DE GESTÃO DE SUSTENTABILIDADE – S2IS, 1., 2013, São Paulo. Anais[...]. São Paulo: Uninove, 2013.

PEREIRA, M. F.; OLIVEIRA, F. V. O Processo de Aquisição como Estratégia Organizacional Podendo Gerar Vantagem Competitiva: um Estudo de Caso no Mercado Brasileiro de Distribuição de Combustíveis. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 6, n. 2, p. 395-414, 2013.

PORTER, M. E. Competitive advantage, creating and sustaining superior performance. New York: Macmillan, 1985.

PORTER, M. E. Estratégia Competitiva: técnicas para análise de indústrias e da concorrência. 18. ed. São Paulo: Campus, 1986.

RIES, E. A startup enxuta: como os empreendedores atuais utilizam a inovação contínua para criar empresas extremamente bem-sucedidas. São Paulo: Lua de Papel, 2012. 210p.

ROGERS, S. Finanças e estratégias de negócios para empreendedores. Porto Alegre: Bookman, 2011

SANTOS, N. M. B. F. Impacto da cultura organizacional no desempenho das empresas, conforme mensurado por indicadores contábeis: um estudo interdisciplinar. 1992. Tese (Doutorado) – Programa da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992.

SOARES, W. B.; WEGNER, D.; DOLCI, P. C. Fusão Como Estratégia de Crescimento de Redes de Cooperação Empresarial: Um Estudo de Caso em uma Rede de Farmácias, Revista Ibero-Americana de Estratégia, v. 15, n. 1, p. 83-96, 2016.

SOUKI, G. Q.; ANTONIALLI, L. M. Estratégias genéricas para os atores da cadeia da carne bovina: um enfoque em marketing. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ECONOMIA, ADMINISTRAÇÃO E SOCIOLOGIA RURAL, 2004, Cuiabá. Anais[...]. Cuiabá: [s.n], 2004.

THEVÀ, E. A Importância da Cultura Startup na Economia. FIEMG Lab Novos, São Paulo, mar. 2017.

TOZETTO, C. Startups brasileiras driblam crise e aceleram ritmo de crescimento, diz estudo. Estadão, São Paulo, fev. 2016.

VARRICHIO, P. C. Uma discussão sobre a estratégia de inovação aberta em grandes empresas e os programas de relacionamento voltados para startups no Brasil. Revista de Administração, Contabilidade e Economia da FUNDACE, v. 7, n. 1, p. 148-161, 2016.

VASCONCELOS, F. C.; CYRINO, A. B. Vantagem competitiva: os modelos teóricos atuais e a convergência entre estratégia e teoria organizacional. Rev. adm. empres., São Paulo, v. 40, n. 4, p. 20-37, dez. 2000.

VERGARA, S. C. Projetos e relatórios de pesquisa em administração. 14. ed. São Paulo: Atlas, 2013, 104p.

WEIBLEN, T.; CHESBROUGH, H. W. Engaging with Startups to Enhance Corporate Innovation. California Management Review, v.57, n.2, p. 66-90, 2015.

WILKE, E. P. Capacidades dinâmicas e vantagem competitiva na hotelaria: uma análise a partir da cooperação interorganizacional em destinos turísticos. 2015. Tese (Doutorado em Administração) – Universidade Nove de Julho, São Paulo. 2015.

ZACCARELLI, S.; FISCHMANN, A. A. Estratégias genéricas: classificação e usos. Rev. adm. empres., São Paulo, v. 34, n. 4, p. 13-22, ago. 1994.

Publicado

11-08-2023

Como Citar

RIBEIRO, K. C. C. .; DE MELO COSTA, D.; ROMAN, . D. J. .; SOUKI, G. Q. . Estratégias genéricas adotadas pelas startups: um estudo no mercado de Minas Gerais. QUALITAS REVISTA ELETRÔNICA, [S. l.], v. 23, n. 1, 2023. Disponível em: https://revista.uepb.edu.br/QUALITAS/article/view/449. Acesso em: 22 jul. 2024.