CHAMADAS PARA SUBMISSÃO: CHAMADA PARA PUBLICAÇÃO REVISTA SOCIOPOÉTICA (QUALIS B2)

“Aquele foi o melhor dos tempos, foi o pior dos tempos; aquela foi a idade da sabedoria, foi a idade da insensatez, foi a época da crença, foi a época da descrença, foi a estação da Luz, a estação das Trevas, a primavera da esperança, o inverno do desespero; tínhamos tudo diante de nós, tínhamos nada diante de nós”.... Trecho de Charles Dickens que foi escrito ontem, parece ter sido escrito hoje e, quiçá, amanhã, por essa vivência simultânea dos tempos em que coexistem sociedade soberana, disciplinar – mesmo que agonizante – e de controle/empresarial. Época de atualização dos fascismos que constrangem, vampirizam e estimulam a contração. Historicidade em que os escritos pululam entre a decepção, o risco, o ressentimento, a unicidade, a distopia, o horror, o desamparo... “o corpo que não aguenta mais”! Entretanto, como diria Deleuze-Espinosa, a questão “que pode o corpo” acena para a expansão das possibilidades de criação, vislumbradas nesse Dossiê através da emergência de narrativas de corpos mutantes-heterogêneos que desfazem a essência, os organismos e suas significações para a experimentação de outras pulsões, desejos, intensidades e afetos. Corpos-espaço-de-criação como os corpo-tela-escritura, corpo-livro-gordo, corpo-máquina-vespa, corpo-feminista-transviado, corpo-mídia-monstro, corpo-poema-memória, corpo-cu-manada, corpo-favela-esquálido, corpo-índio-nordeste, corpo-negro-vivo...   

A proposta é alimentar as máquinas de guerra que combatem os fascismos contemporâneos, conectando e instigando (noss)a rede de intercessores, através de uma Sociopoética subversiva que aposta no que pode o corpo.

 

Os artigos devem ser enviados através do sistema da Revista Sociopoéticahttp://revista.uepb.edu.br/index.php/sociopoetica – e devem seguir as Diretrizes para Autores que se encontram no website do periódico.

 

Prazo para submissões: 26 de setembro de 2016.

 

Organizadores: Elisa Mariana de Medeiros Nóbrega e Susel Oliveira da Rosa