CAPITALISMO E DEMOCRACIA: A CONCILIAÇÃO DO IMPOSSÍVEL?

Autores

  • George Bronzeado de Andrade
  • Jeane Freitas Freitas da Silva

Palavras-chave:

Capitalismo, Democracia, Desregulação dos mercados, Consumismo

Resumo

Este artigo pretende debater, em nível teórico, a relação do capitalismo atual (financeirizado) com a democracia, os gargalos enfrentados pelo regime democrático diante dos processos de desregulação dos mercados e o enfraquecimento do controle do Estado sob o fluxo do capital financeiro, veiculando predominantemente a literatura crítica ao capitalismo, discutindo, ainda, de forma marginal, a naturalização dos processos hegemônicos de formação de consensos próprios ao regime capitalista, e o consumismo e a reificação da sociedade no sistema comandado pelo capital.

Referências

ABREU, H. (2008) Para além dos direitos. Cidadania e hegemonia no mundo

moderno. Rio de Janeiro: Editora UFRJ.

ALTVATER, E. (2010) O fim do capitalismo como o conhecemos: uma crítica

radical do capitalismo. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira.

BAUMAN, Z. (1999) Globalização: as conseqüências humanas. Rio de Janeiro:

Zahar.

____. (2005). Vidas desperdiçadas. Rio de Janeiro: Zahar.

____. (2008) Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadoria. Rio

de Janeiro: Zahar.

BOBBIO, N. (2000) O futuro da democracia. 12 ed. São Paulo: Paz e Terra.

BOURDIEU, P. (org.). (2001) A miséria do mundo. Petrópoles: Vozes.

BRAUDEL, F. (1987) A dinâmica do capitalismo. Rio de Janeiro: Rocco.

CHESNAIS, F. (1999). Tobin or not Tobin? Porque tributar o capital financeiro

internacional em apoio aos cidadãos. São Paulo: Editora UNESP, ATTAC.

CHOMSKY, N. (2017) Réquiém para o sonho americano: os 10 princípios de

concentração e reiqueza & poder. Rio de Janeiro: Bertand Brasil.

COSTA LIMA, M. F. da. (2007) Desenvolvimento e Globalização na periferia: O elo

perdido. Perspectivas, 32: 15-46.

______________________. (2014) Crise sistêmica, desordem mundial, financeirização

e Estado: desafios e oportunidades para os países emergentes. Teoria & Pesquisa, 23

(1): 47-77.

DAHL, R. A. (2012) Poliarquia: Participação e Oposição. 2 ed. São Paulo: Edusp.

FIORI, J. L. (2014) História, estratégia e desenvolvimento: para uma geopolítica do

capitalismo. São Paulo: Boitempo.

HARVEY, D. (2005) The New Imperialism. Oxford: Oxford University Press.

_____. (2016) 17 contradições e o fim do capitalismo. São Paulo: Boitempo.

HELD, D. (1991) A democracia, o Estado-Nação e o sistema global. Lua Nova, 23:

-94.

KANT, I (1988). A paz perpétua e outros opúsculos. Trad. A. Morão. Lisboa: E. 70.

LEVITSKY, S.; ZIBLATT, D. (2018) Como as democracias morrem. Rio de Janeiro:

Zahar.

MARX, Karl. (2002) A ideologia Alemã. São Paulo: Centauro.

NUNES, A. J. A. (2003) Neoliberalismo e Direitos Humanos. Rio de Janeiro:

Renovar.

PEREIRA, L. C. B. (2010) A crise financeira global e depois: Um novo capitalismo?.

Novos Estudos – CEBRAP, (86): 51-72.

PERKINS, J. (2005) Bekenntniseines Economic Hit Man. Munique: Riemann.

POLANYI, l. (2000) A grande transformação. As origens da nossa época. Rio de

Janeiro: Contraponto.

_____. (2012) A subsistência do homem e ensaios correlatos. Rio de Janeiro:

Contraponto.

SAMUELSON, P.; NORDHAUS, W. (1988) Economia. 12ª ed., Lisboa: McGraw-Hill.

SANTOS, B. de S. (2016) A difícil democracia: reinventar as esquerdas. São Paulo:

Boitempo.

STIGLITZ, J. E. (2002) A globalização e seus malefícios. São Paulo: Futura.

SOUZA, J. (2015) A tolice da inteligência brasileira: ou como o país se deixa

manipular pela elite. São Paulo: Leya.

STREECK, W. (2012) As crises do capitalismo democrático. Dossiê Crise Global.

Novos Estudos – CEBRAP, (92): 35-56.

TILLY, C. (2007) Democracy, Cambridge University Press.

____. (2014) How Will Capitalism End?. New Left Review, (87): 35-64.

WOODS, E. M. (2001) A origem do capitalismo. Rio de Janeiro: Zahar.

Publicado

2022-11-14