COLONIZAÇÃO E SUBJUGAÇÃO DO CONHECIMENTO NAS RELAÇÕES INTERNACIONAIS: A TRAJETÓRIA NA AMÉRICA LATINA

Autores

  • Mariana Bernardes

Palavras-chave:

América Latina, Giro decolonial, Teoria da dependência, Colonização, Geopolítica do conhecimento

Resumo

A América Latina ocupa uma posição de dependência e subjugação em relação aos países desenvolvidos do Norte global que remonta à sua colonização pelos europeus. Este artigo visa analisar a posição dependente da América em relação às potências do Norte, contrapondo às perspectivas teóricas tradicionais que buscam concretizar essa análise – modelos de etapas de crescimento, teoria da dependência e teoria da modernização – com a linha de pesquisa decolonial do campo das Relações Internacionais. Em seguida, busca-se discorrer a trajetória do debate acadêmico sobre a dependência dos Estados do Sul e a evolução conceitual que os caracterizava. Além disso, é questionada a possibilidade de mudança do status quo da região com base na história da sua colonização e nas particularidades da sua trajetória. Por fim, levando em conta a discussão sobre essa dependência ao longo do século XX, o artigo busca analisar a dependência epistemológica acadêmica dos países do Sul em relação às potências e como isso impacta a produção de conhecimento nas Relações Internacionais.

Referências

BALLESTRIN, L. (2013) América Latina e o giro decolonial. Revista Brasileira de

Ciência Política (11): 89-117.

CARDOSO, F. H.; FALETTO, E. (2004) Dependência e Desenvolvimento na

América Latina: Ensaios de Interpretação Sociológica. Rio de Janeiro: Civilização

Brasileira.

GROSFOGUEL, R. (2008). La opción decolonial: desprendimiento y apertura. Um

manifesto y um caso. Tabula Rasa, (8): 243-82.

______ (2012). The Dilemmas of Ethnic Studies in the United States: Between

Liberal Multiculturalism, Identity Politics, Disciplinary Colonization, and Decolonial

Epistemologies. Human Architecture: Journal of the Sociology of SelfKnowledge, 10 (1): 81-9.

______(2016). A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas:

racismo/sexismo epistêmico e os quatros genocídios/epistemicídios ao longo do

século XVI. Revista Sociedade e Estado, 31 (1): 25-49.

NISBET, R.A. (1985) História da ideia de progresso. Brasília: Editora da UnB.

OSONDU, I. N. (2011) The Third World: What is in a Name? Unizik Journal of

Arts and Humanities (UJAH), 12 (2): 1-25.

QUIJANO, A. (2005) Colonialidade do Poder, Eurocentrismo e América Latina.

Buenos Aires: CLACSO.

ROSTOW, W. W. (1978) Etapas do Desenvolvimento Econômico. Rio de Janeiro:

Zahar Editores.

SANTOS, O. F. (2005) O fogo de Prometeu nas Mãos de Midas: Desenvolvimento e

Mudança Social. In LAS CASAS, Taiane (ed.). Desenvolvimento, Desigualdades e

Relações Internacionais. Belo Horizonte: Editora PUC Minas, 13-75.

SOUSA, B. S. (2009) Epistemologias do Sul. Para Além do pensamento abissal: das

linhas globais a uma ecologia de saberes. Lisboa: Edições Almedina.

SUNKEL, O.; PAZ, P. (1970) O Subdesenvolvimento Latino-Americano e a Teoria

do Desenvolvimento. Volume I: Os Conceitos de Desenvolvimento e

Subdesenvolvimento. Rio de Janeiro: Século XXI.

Publicado

2022-11-14