AS POLÍTICAS DE SEGURANÇA BRASILEIRAS NO COMBATE AO NARCOTRÁFICO NA TRÍPLICE FRONTEIRA AMAZÔNICA

Autores

  • Thays Felipe UFPE
  • Anna Karollinne Lopes Cardoso

Palavras-chave:

Tríplice Fronteira, Políticas de Segurança, Securitização

Resumo

Este artigo visa analisar as políticas brasileiras de segurança voltadas para o combate ao narcotráfico na tríplice fronteira amazônica. Entende-se que o tráfico de material ilícito na tríplice fronteira é historicamente conhecido, contudo ainda se apresenta como uma prática frequente. A globalização contribuiu para que as técnicas utilizadas pelos contrabandistas evoluíssem no decorrer dos anos. Após o fim das grandes guerras, os estudos de segurança também apresentam uma expansão e passam a tratar de novas problemáticas que antes eram insignificantes diante do conflito bélico. Parte-se, portanto, desse avanço da agenda de segurança, sobretudo das contribuições da Escola de Copenhague, a saber, a teoria de securitização e o complexo regional, para compreender a problemática que envolve a tríplice fronteira.

Referências

ADHIKARI, P.; SAMFORD, S. (2013) The Nepali State and the Dynamics of the Maoist

Insurgency. Studies in Comparative International Development, 48 (4): 457-81.

AMARAL, A. B. (2010) A Tríplice Fronteira e a Guerra ao Terror. Rio de Janeiro: Apicuri.

ANSORG, N. (2014) Wars without Borders: Conditions for the Development of Regional Conflict

Systems in Sub-Saharan Africa. International Area Studies Review, 17 (3): 295-312.

BALZACQ, T (2008). The Policy Tools of Securitization: Information Exchange, EU Foreign and

Interior Policies’. Journal of Common Market Studies, 46 (1): 75–100.

BARA, C. (2014) Incentives and opportunities: A complexity-oriented explanation of violent ethnic

conflict. Journal of Peace Research, 51 (6): 696–710.

BERG-SCHLOSSER D, G. (2009) Comparative research design: Case and variable selection. In

RIHOUX, B & RAGIN, CC (eds). Configurational Comparative Methods: Qualitative

Comparative Analysis (QCA) and Related Techniques, Thousand Oaks, CA: SAGE

Publications.

BRASIL (2010). A PNDR em dois tempos: a experiência apreendida e o olhar pós 2010.

Brasília: SPDR.

BRASIL (2012). I Conferência Nacional de Desenvolvimento Regional: Documento de

Referência. Brasília: SPDR.

BUZAN, Barry. (1991) People, States and Fear: An Agenda for International Security Studies in

the Post-Cold War Era. Colorado: Lynne Rienner Publishers.

BUZAN, B.; WAEVER, O. (2003) Regions and Powers. Nova York: Cambridge University Press.

BUZAN, B.; WAEVER, O.; WILDE, J. (1998) Security: a new framework for analysis. Boulder:

Lynne Rienner Publishers.

CARVALHO, V.; SILVA, M ( 2011). Política de segurança pública no Brasil: avanços, limites e

desafios. Revista Katal, 14 (1): 59-67

CEPIK, M. (2005) Segurança na América do Sul: traços Estruturais e Dinâmica Conjuntural.

Análise de Conjuntura do Observatório Político Sul-Americano (OPSA), 9: 1-11.

CHAN, S. (2003) Explaining War Termination: A Boolean Analysis of Causes. Journal of Peace

Research, 40 (1): 49-66.

COGGIOLA, O . (1997) A. Drogas: um comércio internacional. O Olho da História, Salvador, 4.

DREYFUS, P. (2005) Agenda de Seguridad en el MERCOSUR : La Triple Frontera como

“espacio de inseguridad regional. Rio de Janeiro: Viva Rio/ ISER.

DUARTE, D. A. (2012) Securitização e práticas de (in) segurança na Europa: o caso da

Frontex. Dissertação de Mestrado em Relações Internacionais, apresentada à Pontifícia

Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio) (Orientadora: Profa. Dra. Monica Herz).

EUZÉBIO, E. F. (2011) Fronteira e horizontalidade na Amazônia; o caso das cidades gêmeas de

Tabatinga e Letícia. Revista Perspectiva Geográfica, 6 (7), publicado em [http://erevista.unioeste.br/index.php/pgeografica/article/view/9169/6775]. Disponibilidade: 20/07/2017.

FERREIRA, H. (2015) Violência e segurança pública em 2023: cenário exploratório e

planejamento. Rio de Janeiro. IPEA.

FIERKE, K. (2007) Critical Approaches to International Security. Cambridge: Polity.

GADELHA, C. A. G; COSTA, L. (2005) A política nacional de integração e desenvolvimento das

fronteiras: o Programa de Desenvolvimento da Faixa de Fronteira - PDFF. In: OLIVEIRA, T. M. de

(Org.). Território sem limites: estudos sobre fronteiras. Campo Grande, MS: Editora UFMS, p.

-46.

GARCIA, S, (2014). A defesa das fronteiras brasileiras e o combate ao crime transacional via

cooperação interagncia. João Pessoa.

GÓMEZ, G. (2005) Globalização e construção do território colombiano. In SILVEIRA, Maria

Laura (org.). Continente em chamas. Globalização e território na América Latina. Rio de

Janeiro: Civilização Brasileira.

GONZÁLEZ, Guadalupe; TIENDA, Marta. (1989) México y Estados Unidos en la cadena

internacional del narcotráfico. México: FCE.

HIRST, M. (2003). Seguridad regional en las Américas. In: GRABENDORFF, W. La Seguridad

Regional en las Américas: Enfoques Críticos y Conceptos Alternativos. Bogotá: Fescol, 25-80.

HOBSBAWM, E. J. (1981) A Era das Revoluções (1789 – 1848). Rio de Janeiro: Paz e Terra.

HURREL, A. (1998) An emerging security community in South America?.In ADLER, Emanuel &

BARNETT, Michael (Ed.). Security Communities. Cambridge: Cambridge University Press.

KING, G., KEOHANE, R. O., VERBA, S. (1994) Designing Social Inquiry. Scientific Inference

in Qualitative Research. Princeton: Princeton University Press.

MESA, G. (1999). Território e poder: a formação socioespacial colombiana. Dissertação de

Doutorado em Geografia, apresentada à Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas

(FFLCH)_ da USP. (Orientador: Prof. Dr. Francisco Capuano Scarlato).

OLIVEIRA, D. (2008) A atuação das FARC na região cocaleira colombiana. E- Premissas

Revista de Estudos Estratégicos, 3, publicado em

[http://www.unicamp.br/nee/epremissas/pdfs/3/asfarc.pdf]. Disponibilidade: 20/07/2017.

PASSOS, E.; SOUZA, T. (2011) Redução de danos e saúde pública: construções alternativas à

política global de “guerra às drogas”. Psicologia e Sociedade, 23,(1)1: 54-162.

PAUL, C.; CLARKE, C. P.; GRILL, B. (2012) Qualitative Comparative Analysis of 30

Insurgencies, 1978-2008. Military Operations Research, 17 (2):19-40.

PROCOPIO, A.. (1999). O Brasil no mundo das drogas. Rio de Janeiro: Vozes.

PROCOPIO, A. (org.). (1999). Narcotráfico e segurança humana. São Paulo: LTr.

RAGIN, C. (1987) The Comparative Method. Moving Beyond Qualitative and Quantitative

Strategies. Berkeley, Los Angeles and London: University of California Press.

____. (2000) Fuzzy-Set Social Science. Chicago: University of Chicago Press.

RAGIN, C. C., RIHOUX, B. (2004). Qualitative Comparative Analysis (QCA): State of the Art and

Prospects. Qualitative Methods. Newsletter of the American Political Science Association, 2 (2):

–13.

SANTANA, A. (1999). A globalização do narcotráfico. Revista Brasil Política Internacional 42,

(2): 99 – 116.

SANTOS, F. (2015) O narcotráfico na região amazônica e as implicações para a segurança

internacional, publicado em

[http://www.pucminas.br/imagedb/conjuntura/CNO_ARQ_NOTIC20100701152914.pdf].

Disponibilidade: 10/07/ 2017.

SUÁREZ-SALAZAR, L. (1989) Conflictos sociales y políticos generados por la droga. Nueva

Sociedad, (102): 107-119.

STEIMAN, R. (2002) A geografia das cidades de fronteira: um estudo de caso de Tabatinga

(Brasil) e Letícia (Colômbia). Dissertação de Mestrado em Ciências, apresentada ao Departamento

de Geografia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). (Orientadora: Profa. Dra. Lia

Osorio Machado).

TANNO, G. ( 2003). A contribuição da escola de Copenhague aos estudos de segurança

internacional. Contexto internacional , 25 (1):47-80.

UNODC (2012). Relatório Mundial sobre drogas, publicado em [

https://www.unodc.org/documents/lpobrazil//Topics_drugs/WDR/2012/WDR_2012_web_small.pdf] . Disponibilidade : 29/07/2019.

WAEVER, O. (2004). Aberystwyth, Paris, Copenhagen: New 'Schools' in Security Theory and their

Origins between Core and Periphery. International Studies Association Conference, Montreal,

March. Palestra.

WAEVER, O (1995) ‘Securitization and Desecuritization’. In LIPSCHUTZ, Ronnie D.. (ed.), On

Security, 46–86, New York: Columbia University Press.

Publicado

2022-11-14