PROFESSORES E O ENSINO REMOTO EMERGENCIAL

Autores

  • Morgana Freire Universidade Estadual da Paraíba/Profa. Departamento de Física, Campina Grande-PB
  • Bruna Maciel Universidade Estadual da Paraíba/Licenciada em Física, Campina Grande-PB
  • Paula Castro Universidade Estadual da Paraíba/Profa. Departamento de Educação, Campina Grande-PB

Palavras-chave:

Pandemia da covid-19; Ensino remoto emergencial; Professor.

Resumo

Este ensaio reflete uma análise de estratégias utilizadas para o ensino remoto emergencial situações adversas, que necessitaram de uma adequação temporal, durante a covid-19. Sendo assim, objetivou-se verificar as vantagens e desvantagens com relação a essa nova adequação ao ensino remoto pelos professores, identificando os benefícios e dificuldades, durante esse período, decorrentes desse novo modelo de instrução. O ensino remoto pode ser considerado uma incógnita para docentes e estudantes, habituados com as aulas presenciais. Para fazer o levantamento e detectar as vantagens e desvantagens do ensino remoto na visão dos professores em exercício docente, encontradas durante o isolamento social, utilizou-se da metodologia de cunho qualitativo exploratória. Quanto aos meios, escolheu-se a pesquisa-ação que possui como característica pesquisadores ativos, ou seja, eles participaram ativamente da pesquisa. Para isso usou-se de uma categorização que apareciam com maior frequência. Como vantagens tivemos, a garantia do ano ou semestre letivo e autoproteção. E como desvantagens, tendo como consequência o que os professores vivenciaram no início do ensino remoto foram: impasse na avaliação, privação estrutural e despreparo. Reafirmamos, especialmente neste cenário, que o ato de ensinar não foi uma tarefa fácil e teve seus grandes obstáculos no início do ano de 2020 e, gradativamente, estão sendo superados pelos professores, adaptando-se às adversidades impostas.

Referências

BIANCHESSI, C. Cultura digital: novas relações pedagógicas para aprender e ensinar, v. 1, Curitiba: Bagai, 2020.

BRASIL. Lei Federal 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. 2014. Disponível em: https://pne.mec.gov.br.

GARCIA, T. C. M. et al. Ensino remoto emergencial: proposta de design para organização de aulas. Universidade Federal do Rio Grande do Norte: SEDIS, 10-06-2020. [livro digital]

LÉVY, P. O que é o virtual? São Paulo: Ed. 34, Coleção TRANS, 1996.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo, EPU, 1986.

MACHADO, D. P. Educação em tempos de COVID-19: reflexões e narrativas de pais e professores. Curitiba: Editora Dialética e Realidade, 2020. [Livro eletrônico]

MINAYO, M. C. S. (Org.). Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 28. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009.

PIOVESAN, A.; TEMPORINI, E. R. Pesquisa exploratória: procedimento metodológico para o estudo de fatores humanos no campo da saúde pública. Revista Saúde Púbica, n. 29, v. 4, 1985.

Downloads

Publicado

2022-06-28