Formação docente inicial e continuada em Química na perspectiva inclusiva

Autores

  • Victoria Maria Brito de Oliveira UFABC
  • Priscila Benitez Universidade Federal do ABC
  • Mara Silvia Pasian Universidade Federal do ABC

Palavras-chave:

Educação Especial Inclusiva, Ensino de Química, Formação de Professores

Resumo

O trabalho teve como objetivo analisar nos Projetos Pedagógicos dos cursos de Licenciatura em Química componentes referentes à Educação Especial e Inclusiva, a partir de ranking nacional calculado pelo Exame Nacional de Desempenho dos Estudantes (ENADE) do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (INEP), entre 10 primeiros e 10 últimos avaliados. O estudo também analisou os relatos de 11 docentes de Química em formação inicial e continuada por meio de entrevistas estruturadas. Os resultados identificaram que os institutos federais, avaliados como 10 últimos, tinham serviços especializados, a despeito dos primeiros. A discussão sobre o tema ainda está centralizada na Língua Brasileira de Sinais, principalmente nos documentos dos cursos mais bem avaliados. As entrevistas mostraram formação docente incipiente e sentimentos negativos relacionados à inclusão, bem como a predominância de estratégias aos aspectos arquitetônicos e a atuação de intérpretes de Língua de Sinais.

Biografia do Autor

Victoria Maria Brito de Oliveira, UFABC

Graduanda em Bacharelado em Ciência e Tecnologia pela Universidade Federal do ABC. Técnico em Química - ETEC Júlio de Mesquita.

Priscila Benitez, Universidade Federal do ABC

Professora Adjunta na Universidade Federal do ABC (UFABC). Doutora em Psicologia. Mestre em Psicologia.  Especialista em Intervenção familiar: psicoterapia e orientação sistêmica. Graduada em Psicologia e Pedagogia.  Pesquisadora do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia sobre Comportamento, Cognição e Ensino (INCT-ECCE). Líder do GPEEI - Grupo de Pesquisa em Educação Especial e Inclusiva da UFABC.

Mara Silvia Pasian, Universidade Federal do ABC

Pós-doutorado em Psicologia na Universidade de Quebec em Trois-Rivières (UQTR), Canadá. Pós-doutorado em Educação Especial pela FAPESP - UFSCar. Doutora em Psicologia pela USP. Graduação em Pedagogia e Mestrado em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos. Especialização em Libras. Professora da Universidade Federal do ABC (UFABC) do Centro de Matemática, Computação e Cognição (CMCC). Docente do programa de Pós-Graduação em Engenharia e Gestão da Inovação - PPGINV. 

Referências

Brasil. (1996). Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional.

Brasil. (2018). Política Nacional De Educação Especial Na Perspectiva Da Educação Inclusiva (2018).

Brasil. (2002). Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais – Libras. Acesso: 15/07/2021.

Brasil. (2001). Parecer CNE/CES 1.303/2001. Diretrizes Curriculares Nacionais para os cursos de Química. Brasília: MEC, 2001b. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/ pdf/CES1303.pdf

Brasil. (2008). Projeto de Lei Nº 3.775, De 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências.

Brasil. (2014). Lei n. 13.005, de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União. Edição extra, p. 1.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (2017). Ranking ENADE 2017-Resultados- CPC.

Mesquita, N. A. S., & Soares, M. H. F. B. (2009). Relações entre Concepções Epistemológicas e Perfil Profissional Presentes em Projetos Pedagógicos de Cursos de Licenciatura em Química do Estado de Goiás. Química nova escola, 31(2).

Misquiatti, A. R. N., & Ghedini, A. S. (2020). Práticas inclusivas de orientação para professores sobre os transtornos do espectro autista. Braz. J. of Develop., Curitiba, 6(12), 101006-101014.

Pasian, M. S., Mendes, E. G., & Cia, F. (2017). Atendimento educacional especializado: aspectos da formação do professor. Cadernos de Pesquisa [online], 47(165), 964-981.

Rigo, N. M., & Oliveira, M. M. (2021). Inclusão escolar: efeitos do plano nacional de educação nos planos municipais. Cad. Pesqui., 51, e07304.

Santana, G., Benitez, P., & Mori, R. C. (2021). Ensino de Química e Inclusão na Educação Básica: Mapeamento da Produção Científica Nacional. Revista Brasileira De Pesquisa Em Educação Em Ciências, e24795, 1–27.

Torres, J. P., & Mendes, E. G. (2018). Formação de professores de ciências exatas numa perspectiva inclusiva. Revista insignare scientia, 1(3), 1-21.

Vilela-Ribeiro, E. B., & Benite, A. M. C. (2010). A Educação Inclusiva na percepção dos Professores de Química. Ciência & Educação, 16(3).

Weizenmann, L. S., Pezzi, F. S. A., & Zanon, R. B. (2020). Inclusão escolar e autismo: sentimentos e práticas docentes. Psicologia Escolar e Educacional, 24, e217841.

Instituto Federal do Acre (2019). Projeto Pedagógico de Curso: Licenciatura em Química – IFAC.

Universidade Federal do ABC (2015). Projeto Pedagógico de Curso: Licenciatura em Química – UFABC.

Downloads

Publicado

2022-09-27