A PANDEMIA E A “IN” SUSTENTABILIDADE DA INCLUSÃO/EXCLUSÃO

Libras em foco na UFCG

Autores

  • Shirley Barbosa das Porto Universidade Federal de Campina Grande

Palavras-chave:

Libras, democratização linguística, exclusão, inclusão

Resumo

Este é um artigo que se propõe a refletir sobre a presença da Língua Brasileira de Sinais (Libras) na Universidade Federal de Campina Grande (UFCG) em duas seções: A insustentabilidade da exclusão: desistitucionalizar a Libras para democratizá-la; e A sustentabilidade da inclusão: ações começo, meio e fim, para construção de uma universidade com uma Libras viva em seu cotidiano. A partir de um posicionamento freireano de tornar a esperança um verbo e de clássicos, como Skliar (1999 e 2006), Dorziat (2009) e Foucault (2010), esse texto tenta apresentar meus pontos de vista sobre as razões subjetivas e objetivas ainda existentes para estarmos tratando de inclusão como se não estivéssemos há quase trinta anos dos primeiros movimentos por ela e dezenove do reconhecimento da Libras como língua primeira (L1) da comunidade surda brasileira. Aqui penso a Libras na universidade a partir de uma proposta em três ações: início, meio e fim, que a desistitucionaliza e a assume como língua viva.

Referências

Aguiar, G. F. de C. Ensino de Libras para aprendizes ouvintes: a injunção e o espaço como dimensões ensináveis do gênero instrução de percurso. Dissertação de mestrado, Campina Grande. Universidade Federal de Campina Grande, 2019. Disponível em: http://dspace.sti.ufcg.edu.br:8080/jspui/bitstream/riufcg/5996/1/GIRLAINE%20FELISBERTO%20DE%20CALDAS%20AGUIAR%20%E2%80%93%20DISSERTA%C3%87%C3%83O%20%28PPGLE%29%202019.pdf

Constituição Federal, 1988. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm

Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília, 1994. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/salamanca.pdf

Decreto 5.626, Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000, Brasília, 2005. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/decret/2005/decreto-5626-22-dezembro-2005-539842-publicacaooriginal-39399-pe.html

Dorziat, A. O outro da educação: pensando a surdez com base nos temas Identidade/Diferença, currículo e Inclusão. Petrópolis, RJ: Vozes, 2009. (Coleção Educação Inclusiva)

Foucault, M. Os anormais: curso no Collége de France (1974-1975); Tradução Eduardo Brandão. São Paulo: Editora WMF Matins Fontes, 2010. Coleção Obras de Michel Foucalt.

Le Goff, J. História e memória. Tradução Bernardo Leitão [et. al] 7ª ed, revista. Campinas: Editora Unicamp, 2013.

Lei da Libras, Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília, 2002. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/2002/l10436.htm

Skliar, C. Atualidade da educação bilíngue para surdos: processos e projetos pedagógicos. Vol. 1. Porto Alegre: Mediação, 1999.

Skliar, C. A inclusão que é “nossa” e a diferença que é do “outro”. In: Rodrigues, David. Inclusão e Educação: doze olhares sobre a educação inclusiva. São Paulo: Summus editorial, 2006. p 15 – 34.

Sousa, A. N. de., Lohn, J. T., Quadros, R. M. de., Dias, L., Neves, N., Gusmão, G. Quadro de referência da Libras como L2: marco de referência de Libras como L2. Dossiê - Forum lingüístic, Florianópolis, v.17, n.4, p.5488 -5504, out./dez. 2020. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/forum/article/view/77339

Downloads

Publicado

2022-09-16