A AMIZADE E A CONSTRUÇÃO DO MUNDO COMUM EM HANNAH ARENDT

Autores

Palavras-chave:

Amizade. Hannah Arendt. Mundo Comum. Política.

Resumo

Pretende-se, no presente artigo, analisar como o conceito de amizade exerce um papel importante no pensamento político de Hannah Arendt, na medida em que ele está ligado à ideia de construção de um mundo comum, reconhecido como o sentido pleno da atividade política. Para tanto, analisaremos o que significa esse comum do mundo e como ele depende da ideia de pluralidade de seres humanos que partilham esse mundo, o que exige capacidade de diálogo (sem que se anule as tensões e dissensos), respeito e perdão. A amizade, assim, pode ser considerada como parte dessa abertura ao mundo, mais ainda, ao que esse mundo tem de comum, apresentando-se, assim, como elemento constituinte da atividade política.

Biografia do Autor

Heloisa Helena Ribeiro Barbosa Schmaedecke, Pontifícia Universidade Católica do Paraná, Brasil

Doutoranda da linha de pesquisa Ética e Filosofia Política da Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR. Mestre em Filosofia pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (2017). Especialista em Filosofia da Educação pela Universidade Federal do Paraná - UFPR (2013). Bacharel e licenciada em Filosofia pela UFPR (2010). Bacharel em Comunicação Social pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná - PUCPR (1999). Desenvolve pesquisa nas áreas de Filosofia Política e Ética, com ênfase nos seguintes temas: natalidade, poder, pluralidade e amizade política.

Referências

ADVERSE, Helton. Hannah Arendt, Leo Strauss e a filosofia política. Revista Estudos Filosóficos n.17, 2006, p.46-59. Disponível em: . Acesso em: 12/11/2023.

ARENDT, Hannah. A condição humana. Trad. Roberto Raposo Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2004.

ARENDT, Hannah. A dignidade da política. Trad. Helena Martins, Frida Coelho, Antônio Abranches, César Almeida, Claudia Drucker e Fernando Rodrigues. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002.

ARENDT, Hannah. A promessa da política. Trad. Pedro Jorgensen Jr. Rio de Janeiro: Difel, 2008.

ARENDT, Hannah. Homens em tempos sombrios. Trad. Denise Bottmann. São Pulo: Companhia das Letras, 2021.

AGUIAR, Odílio Alves. Filosofia e política no pensamento de Hannah Arendt. Fortaleza: UFC, 2001.

AGUIAR, Odílio Alves. A amizade como amor mundi em Hannah Arendt. O que nos faz pensar, [S.l.], v. 19, n. 28, dec. 2010, p. 131-144. Disponível em: <http://www.oquenosfazpensar.fil.puc-rio.br/index.php/oqnfp/article/view/315>. Acesso em: 10/11/2023.

CHIBA, Shin. Hannah Arendt on love and the political: love, friendship, and citizenship. The Review of Politics, Vol 57, N. 3, Summer, 1995, pp. 505- 535.

DISCH, Lisa jane. Hannah Arendt and the limits of philosophy. New York: Cornell University Press,1996.

DUARTE, André. Poder, violência e revolução no pensamento político de Hannah Arendt. Cadernos de Filosofia Alemã: Crítica e Modernidade, Vol-2, N.3, 2016, pp. 13-27.

ROVIELLO, Anne-Marie. Senso comum e modernidade em Hannah Arendt. Lisboa. Instituto Piaget, 1987.

VALLÉE, C. Hannah Arendt: Sócrates e a questão do totalitarismo. Lisboa: Instituto Piaget, 1999.

VILLA, Dana. Socratic citizenship. New Jersey. Princeton University Press, 2001.

Publicado

2024-06-26

Como Citar

Schmaedecke, H. H. R. B. (2024). A AMIZADE E A CONSTRUÇÃO DO MUNDO COMUM EM HANNAH ARENDT. REVISTA INSTANTE, 6(2), 134–148. Recuperado de https://revista.uepb.edu.br/revistainstante/article/view/3190

Edição

Seção

Artigos