PAUL RICOEUR E A ONTOLOGIA:

UMA INTRODUÇÃO

Autores

Palavras-chave:

Ontologia. Incidência. Ser. Função meta.

Resumo

O presente artigo trata da ontologia no pensamento de Paul Ricoeur. Mostra um modo de começar a estudo esse assunto a partir da filosofia reflexiva, da fenomenologia, da linguagem e da hermenêutica. Embora Ricoeur não tenha escrito uma obra exclusivamente sobre o problema do ser, podemos nos deparar com esse problema disperso na totalidade de sua obra. Talvez uma dispersão inevitável, haja vista seu estilo indireto de abordagem ao longo de uma extensa e sinuosa via. No entanto, mesmo assim é possível caracterizar seu pensamento ontológico, desde a conceituação de ontologia, à releitura e apropriação que ele faz de autores clássicos, ao estilo propriamente assumido para tratar essa questão. Com efeito, a extensão dessa temática (a ontologia), pode coincidir com a extensão da obra de Ricoeur. Por isso, modestamente, queremos somente apontar algumas incidências ontológicas em seu pensamento, seus traços característicos e ainda sugerir que esse pensamento é ontológico, sem prejuízo de outras características que lhes são inerentes. 

Biografia do Autor

Mário Correia, Centro Universitário Arnaldo Horário Ferreira, Brasil

Possui graduação em Filosofia pela Faculdade Católica de Anápolis (2009), graduação em Teologia pela Universidade Católica do Salvador (2013), especialização em Teologia e em Filosofia pela PUC-Minas (2015, 2017), especialização em Direito Constitucional e Público pela Universidade Estácio de Sá (2023), Mestrado e Doutorado em Filosofia pela Universidade de Brasília (2019, 2023). Docente no Centro Universitário Arnaldo Horário Ferreira (UNIFAAHF). Tem experiência na área de Filosofia, com ênfase em História da Filosofia, Fenomenologia, Linguagem, Hermenêutica e Ontologia, atuando principalmente nos seguintes temas: ser, sentido, sujeito, tempo, valor, norma, educação, identidade, alteridade e socialidade.

Referências

ARISTÓTELES. Metafísica. Trad. Marcelo Perine. São Paulo: Ed. Loyola, 2001.

BORGES-DUARTE, Irene. Pode adiar-se a ontologia? Uma homenagem crítica a Paul Ricoeur. In: A filosofia de Paul Ricoeur: temas e percursos. Org: Fernanda Henriques. Coimbra: Ariadne editora, 2006.

DOSSE, François. Os sentidos de uma vida. São Paulo: LiberArs, 2017.

GUERRA, Lucía Herrerías. Espero estar em la verdad. La búsqueda ontológica de Paul Ricoeur. Editrice Pontifícia Università Gregoriana; Roma, 1996

LAUXEN, Roberto Roque. O alcance ontológico da fenomenologia da ação. In: Revista de Estudos filosóficos nº 5. 2010

MICHEL, Johann. L’ontolgie fragmentée. In: Érudit. Laval théologique et philosophique, 65, 3. Octobre, 2009

NAVARRO CORDÓN, Juan Manuel. Sentido y estatuto de la ontología hermeneutica. Barcelona: Anthropos, 1991

PLATÃO. Parmênides. In: Diálogos. Vol. III. Trad. Carlos Alberto Nunes. Universidade Federal do Pará, 1974.

________ Sofistas. In: Diálogos. Vol. X. Trad. Carlos Alberto Nunes. Universidade Federal do Pará, 1980.

RICOEUR, Paul. Autobiografia intelectual. In: Da Metafísica à Moral. Lisboa: Instituto Piaget, 1997.

____________. A Crítica e a convicção. Lisboa: Edições 70, 2009

____________. A metáfora viva. Trad. Dion Davi Macedo. São Paulo: Loyola, 2000

___________. Da Metafísica à Moral. Lisboa: Instituto Piaget, 1997

____________. Du texte à l’action. Essais d’herméneutique II. Paris: Seuil, 1986

____________. Escritos e conferências 2. Hermenêutica. São Paulo: Loyola, 2011

____________. Escritos e Conferências, 3: antropologia filosófica. São Paulo: Loyola, 2016.

___________. Freud: uma interpretación de la cultural. Ciudad de México: Siglo XXI, 1970

__________. Leituras 2 – A região dos filósofos. São Paulo: Loyola, 1996

___________. Le conflit des interprétations. Essais d'herméneutique. Seuil, Paris, 1969

_________. Finitud y culpabilidad. Livro II : La simbólica del mal. Madrid: Trotta, 2004

___________. O justo. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2009

___________. O discurso da açao. Lisboa : Ediçoes 70

___________. Renouveau de l’ontologie. In: Encyclopédie française. XIX. Philosophie et religion. Paris: Larousse, 1957.

_________. Philosophie de la voluntad. Le volontaire et l'involontaire, Paris: Éditions Points, 2009.

_________. Ser, essência e substância em Platão e Aristóteles. São Paulo: WMF Martins Fontes, 2014.

________. Soi-même comme un autre. Paris: Éditions du Seuil, 1990.

________. Temps et récit. Tomo 1, 2 e 3. Paris: Seuil, 1983, 1984, 1985.

_______. Teoria da Interpretação. O discurso e o excesso de significação. Porto: Edições 70.

VALLÉE, Marc-Antoine. Quelle sorte d’être est le soi? Les implications ontologiques d’une herméneutique du soi. Études Ricœuriennes / Ricœur Studies, Vol 1, No 1 (2010).

Publicado

2024-06-26

Como Citar

Correia, M. (2024). PAUL RICOEUR E A ONTOLOGIA: : UMA INTRODUÇÃO. REVISTA INSTANTE, 6(2), 222–237. Recuperado de https://revista.uepb.edu.br/revistainstante/article/view/3239

Edição

Seção

Artigos