O INDIVIDUALISMO NA ORIGEM DO ROMANCE:

UMA RELAÇÃO ENTRE LITERATURA E FILOSOFIA

Autores

Palavras-chave:

Romance. Filosofia e Literatura. Individualismo. Watt. Defoe.

Resumo

O crítico literário britânico Ian Watt escreveu uma obra seminal sobre a origem do romance, ligando a emergência desse novo tipo de literatura diretamente ao individualismo que se difundia na Inglaterra do século XVIII. O autor fez uma análise extremamente rica e inovadora para a compreensão do processo de como uma nova noção de indivíduo é produzida e disseminada em uma sociedade e, em particular, como a literatura espelha essa novidade, eternizando-se como verdadeiro instantâneo de um processo social que ainda se faz presente nos tempos atuais. Como o romance serviu para revelar e difundir essa ideia de um indivíduo autônomo e independente da sociedade? Neste trabalho, discutirei o tratamento do autor sobre a relação entre o individualismo e o romance, buscando por esse caminho entender um pouco mais a origem e a popularização desse novo tipo de sujeito típico da modernidade. Essa relação, ademais, reflete uma estreita ligação entre a literatura e a filosofia de uma época; se não uma relação causal, ao menos como dois efeitos da difusão de uma ideia nas mentes de uma época.

Biografia do Autor

Rodrigo Mota, Faculdade Raimundo Marinho, Brasil

Doutor em Sociologia e Mestre em Filosofia pela Universidade Federal de Pernambuco. Visiting Fellow de 2018 na Bielefeld Graduate School in History and Sociology (BGHS), Universidade de Bielefeld, Alemanha. Graduado em Ciências Sociais pela Universidade Federal de Pernambuco (2008), tendo passado um ano do curso (2006/2007) na Universidade de Hamburgo, Alemanha, através do convênio UNIBRAL (CAPES/DAAD). Possuo também Especialização em Filosofia Contemporânea (2012) e Formação Pedagógica em Filosofia (2021), ambas pela Universidade Católica de Pernambuco. Professor da Faculdade Raimundo Marinho de Penedo e da Rede Estadual de Alagoas.

Referências

Dumont, Louis. Essais sur l'individualisme: Une perspective anthropologique sur l'ideologie moderne. Paris: Éditions du Seuil, 1991.

Lahire, Bernard. O Homem Plural. Petrópolis: Vozes, 2002.

Locke, John. An Essay Concerning Human Understanding. State College: The Pennsylvania State University, 1999.

Luhmann, Niklas. Liebe als Passion: zur Codierung von Intimität. Frankfurt am Main: Suhrkamp Taschenbuch Wissenschaft 1124, 1994.

Marías, Julián. História da Filosofia. 7ª. Edição; Porto: Edições Sousa & Almeida, Limitada, 1978.

Martuccelli, Danilo. Existen Individuos en el Sur? Santiago: Lom Ediciones, 2010.

Shaftesbury, Anthony, Third Earl of. Characteristics of Men, Manners, Opinions, Times. Indianapolis: Liberty fund, 2001.

Simmel, Georg. Germanic and Classical Romanic Style. Theory, Culture & Society, Vol. 24 (7-8), 47-52, 2007.

____________. The Metropolis and Mental Life. Kurt Wolff (ed.). The Sociology of Georg Simmel. Glencoe, Illinois: The Free Press, 1950.

Watt, Ian. Myths of Modern Individualism: Faust, Don Quixote, Don Juan, Robinson Crusoe. Cambridge: Cambridge University Press, 1996.

________. The Rise of the Novel: Studies in Defoe, Richardson and Fielding. Berkeley: University of California Press, 1957.

Downloads

Publicado

2024-06-26

Como Citar

Mota, R. (2024). O INDIVIDUALISMO NA ORIGEM DO ROMANCE:: UMA RELAÇÃO ENTRE LITERATURA E FILOSOFIA. REVISTA INSTANTE, 6(2), 238–253. Recuperado de https://revista.uepb.edu.br/revistainstante/article/view/3403

Edição

Seção

Artigos