NARRATIVAS DE GESTORES ESCOLARES SOBRE A EDUCAÇÃO INCLUSIVA EM SALVADOR/BA

Autores

Palavras-chave:

Educação Inclusiva; Gestão Escolar; Rede Municipal de Ensino de Salvador/BA.

Resumo

O objetivo da investigação foi identificar os desafios enfrentados por gestores escolares no processo de inclusão de pessoas com deficiência, assim como, as estratégias e ações desenvolvidas por esses profissionais para garantir o acesso e a permanência destes alunos nas escolas.  Também foram investigadas as macroestratégias de gestão para promover a inclusão nas escolas da Rede Municipal de Ensino de Salvador/Ba. Buscou-se estabelecer uma relação entre as categorias abordadas e o panorama de desigualdade social que permeia o contexto escolar. Neste sentido, a perspectiva de que as entrevistas narrativas constituem oportunidades de ativação de memórias, identificação e reelaboração de sentidos das relações pessoais e profissionais dos sujeitos fundamentou o percurso metodológico adotado. A análise dos dados coletados indicou a categorização dos desafios enfrentados pelos gestores em três dimensões: física, formativa e sociocultural, nas quais o gestor dispõe inseridas num contexto de cooperação institucional e social.

Biografia do Autor

Jomária Araujo, Secretaria Municipal de Educação de Salvador/BA

Gestora escolar e professora da Rede Pública Municipal de Salvador.
Doutoranda pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade, da Universidade do Estado da Bahia -UNEB.
Mestra pelo Mestrado profissional em Gestão e Tecnologias Aplicadas à Educação – UNEB.
Grupos de pesquisa: Formação do Educador, Comunicação e Memória - FECOM, do Núcleo de Gestão e Formação de Gestores (NUGEF) e em Gestão e Educação e Direitos Humanos (GEDH)

Ione Leal, Universidade do Estado da Bahia

Professora da Universidade do Estado da Bahia (Uneb) – Campus IV Jacobina. Vice-líder do grupo de Pesquisa em Gestão e Formação de Gestores -NUGEF. Doutora pelo Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade, da Universidade do Estado da Bahia.

Patrícia Nascimento, Secretaria Municipal de Educação de Salvador/BA

Graduada em Pedagogia com Habilitação em Educação Pré-Escolar pela Universidade do Estado da Bahia e Graduação em Psicologia pela FSBA - Faculdade Social da Bahia. Especialista em Educação Especial e Inclusiva, Especialista em Gestão Educacional e Pós-Graduada em Avaliação Psicológica pela Unyleya, Pos-Graduanda em Psicopedagogia Clínica e Institucional pela Faculdade São Luiz. É professora concursada da Rede Municipal de Ensino do Salvador e atualmente é Gestora Escolar da Escola Municipal Eraldo Tinoco Melo. Atua como Psicóloga Clinica em consultório particular.

Referências

Autor 1. (2015).

Autor 2. (2021).

AZEVEDO, Maria Antônia Ramos de; CUNHA, Gracilliani Rosa da. (2008). Gestão Escolar e Educação Inclusiva: uma parceria necessária e emergente na escola. Educação: teoria e prática, Rio Claro, v. 18, n.31, p.53-72, jul-dez.

BATISTA, Cristina. Abranches. Mota.; MANTOAN, Maria. Tereza. Egler. (2006). Atendimento Educacional Especializado em Deficiência Mental. In: GOMES, A. L. L. et al. Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Mental. São Paulo: MEC/SEESP.

BRASIL. Ministério da Educação. Educação Inclusiva: atendimento educacional especializado para a deficiência mental. (2005). Brasília: Secretaria de Educação Especial.

BRASIL. Resolução nº 4, de 2 de outubro de 2009. Elaborado pelo MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO/CONSELHO NACIONAL DE EDUCAÇÃO CÂMARA DE EDUCAÇÃO BÁSICA. (2009). Institui Diretrizes Operacionais para o Atendimento Educacional Especializado na Educação Básica, modalidade Educação Especial. Diário Oficial da União, Brasília, Seção 1, p. 17.

BRASIL. Lei nº 13.146, de 6 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). (2015). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2015/lei/l13146.htm. Acessado em: outubro de 2020.

BRASIL. Decreto Legislativo no 186, de 9 de julho de 2008. (2007) Aprova o texto da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e de seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova Iorque.

BRASIL. Decreto no 6.949, de 25 de agosto de 2009. Promulga a Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência e seu Protocolo Facultativo, assinados em Nova York. (2007). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2007-2010/2009/decreto/d6949.htm#:~:text=Decreto%20n%C2%BA%206949&text=DECRETO%20N%C2%BA%206.949%2C%20DE%2025,30%20de%20mar%C3%A7o%20de%202007. Acessado em: outubro de 2020.

BRASIL. Decreto nº 8.954, de 10 de janeiro de 2017. (2017). Institui o Comitê do Cadastro Nacional de Inclusão da Pessoa com Deficiência e da Avaliação Unificada da Deficiência e dá outras providências.

BRASIL. Portaria nº 397, de 10 de outubro de 2002. Classificação Brasileira de Ocupações (CBO). (2002). Disponível em: http://www.mtecbo.gov.br/cbosite/pages/home.jsf. Acessado em 27 de junho de 2020.

DELORY-MOMBERGER, Christine. (2012). Abordagens metodológicas na pesquisa biográfica. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 17, n. 51, p. 523-536.

DOMINICÉ, Pierre. (2010). A biografia educativa: instrumento de investigação para a educação de adultos. In: NÒVOA, Antônio; FINGER, Matthias. O método (auto) biográfico e a Formação. Natal, EDUFRN; São Paulo: Paulus. (Coleção Pesquisa (auto) biográfica ∞ Educação. Clássicos das Histórias de Vida). p. 57-82.

FERRAROTI, Franco. (2010). Sobre a autonomia do método biográfico. In: NÓVOA, António.; FINGER, Matthias. O método (auto)biográfico e a formação. Natal, RN EDUFRN; São Paulo: Paulus, p. 31-57.

FREIRE, Sofia. (2008). Um olhar sobre a Inclusão. In.: Revista da Educação, Lisboa, Vol. XVI, nº 1, p. 5 – 20. Disponível em: http://repositorio.ul.pt/bitstream/10451/5299/1/Um%20olhar%20sobre%20a%20Inclus%C3%A3o.pdf. Acesso em: jun 2020.

JESUS, Luciana Pereira de. (2018). Equipe gestora e currículo inclusivo: Reflexões sobre a inclusão do/a estudante com deficiência na rede municipal de Jacobina-Ba. 237f. Dissertação (Mestrado em Educação e Diversidade) Universidade do Estado da Bahia.

JOSSO, Marie-Christine. (2004). Experiências de vida e formação. São Paulo: Cortez.

JOVCHELOVITCH, Sandra; BAUER, Martin W. (2002). Entrevista narrativa. In: BAUER, Martin W.; GASKELL, George. (Orgs.). Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Tradução de Pedrinho Guareschi. Petrópolis, RJ: Vozes, p. 90-113.

MANTOAN, Maria. EGLER, Tereza. (2005). Inclusão é o privilégio de conviver com as diferenças. Nova Escola: a revista do professor, São Paulo, ano 20, n. 182, p. 24-26.

SALVADOR. LEI Nº 9105/2016 Aprova o Plano Municipal de Educação de Salvador e dá outras providências. (2016). Disponível em: https://leismunicipais.com.br/a1/plano-municipal-de-educacao-salvador-ba. Acessado em 27 de junho de 2020.

SALVADOR. RESOLUÇÃO CME Nº. 038/2013. (2013). Estabelece normas para a Educação Especial, na Perspectiva da Educação Inclusiva, para todas as Etapas e Modalidades da Educação Básica no Sistema Municipal de Ensino de Salvador-Bahia.

SCHÜTZE, Fritz. (2010). Pesquisa biográfica e entrevista narrativa. In: WELLER, Wivian; PFAFF, Nicole. (Orgs.). Metodologias da pesquisa qualitativa em Educação. Petrópolis, RJ: Vozes, 2010. p. 210-222.

SENADO, 2014. PROJETO DE LEI DO SENADO Nº 228, DE 2014. Altera a Lei nº 9.394. (1996). que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, para, quando necessário, assegurar ao educando com deficiência a assistência de cuidador nas escolas. Disponível em: https://www25.senado.leg.br/web/atividade/materias/-/materia/118223. Acessado em 29 de junho de 2020.

TEZANI, Thais E. Rodrigues. (2004). Os caminhos para a construção da escola inclusiva: a relação entre gestão escolar e o processo inclusivo. 221f. Dissertação (Mestrado em Educação) Universidade de São Carlos.

Downloads

Publicado

2022-06-28