ANÁLISE DE UM CORPO DOCENTE DO ENSINO DE CIÊNCIAS ACERCA DA EDUCAÇÃO INCLUSIVA.

Autores

Palavras-chave:

Educação Inclusiva, Formação Continuada, Ensino Superior, Formação Docente

Resumo

A Educação Inclusiva tem sido tema de reflexões em todos os níveis de ensino. Dentro do contexto, no ensino superior, a formação continuada revela-se como um eixo que precisa ser ajustado para que a engrenagem inclusiva continue girando. Com objetivo principal de analisar os docentes da área de Ciências dos cursos de Licenciatura (Biologia, Física, Matemática e Química) de uma Universidade Federal Localizada em Minas Gerais – Brasil, se estariam preparados para fornecer uma educação inclusiva ao licenciando, em suas atividades acadêmicas. Foram Convidados 92 docentes obtendo resposta de 13,04% da comunidade convidada. Na análise dos dados revela-se, a priori, o principal desafio no processo para educação mais inclusiva é a formação continuada dos docentes, refletindo em suas dificuldades encontradas em casos durante o processo de ensino. Em contra partida, percebemos que formação continuada foi o argumento mais citado, correspondendo a 25% dos casos, como o elemento que facilitaria seu trabalho frente à educação inclusiva. A concepção de educação inclusiva de acordo com os entrevistados está focada a aspectos legais, filosóficos e conceituais a respeito da educação inclusiva. Percebemos também que um fator que diferencia essa pesquisa das demais realizadas, é que os descentes nessa Instituição possuem apoio/suporte para construção de uma prática docente mais inclusiva, porém ainda vemos 100% dos entrevistados não possuírem uma (re)formação na área, e acredita-se ser necessário construir uma ponte entre o Núcleo de Educação Inclusiva da Instituição com os docentes para sanar esse déficit, para que assim, seja possível oferecer uma educação para todos.

Biografia do Autor

Marcelo Alexandre Ferreira, UNIVERSIDADE FEDERAL DE ITAJUBÁ

Graduando em Química no Instituto de Física e Química (IFQ) da Universidade Federal de Itajubá (UNIFEI)

Ana Carolina Sales Oliveira, Universidade Federal de Itajubá

Mestre e Doutora em Ciências da Linguagem pela Universidade do Vale do Sapucaí. Graduada em Fonoaudiologia pela Pontifícia Universidade Católica de Campinas (2005) e Pedagogia pela Universidade Paulista (2014). Professora Adjunta do Instituto de Física e Química na Universidade Federal de Itajubá - UNIFEI. É especialista em Linguagem pela Faculdade de Ciências Médicas da Santa Casa de São Paulo (FCMSCSP). É especialista em Informática em Educação pela Universidade Federal de Lavras (Ufla). É especialista em Língua Brasileira de Sinais (Libras) pela Faculdades Integradas de Jacarepaguá. É especialista em Audiologia pelo CEFAC Saúde e Educação. É especialista em Neuropsicopedagogia e Educação Especial Inclusiva pelo Centro Universitário Leonardo Da Vinci.

Referências

Beh‐Pajooh, A. (1992). The effect of social contact on college teachers’ attitudes toward students with severe mental handicaps and their educational integration. European Journal of Special Needs Education, 7(2), 87-103. https://doi.org/10.1080/0885625920070201.

Batalla, D. V. (2009). Política nacional de educação especial na perspectiva da educação inclusiva brasileira. Fundamentos en Humanidades, 10(19), 77-89. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em 25 Ago. 2019.

Brasil, P. C. N. (1998). Matemática. Secretaria da educação fundamental. Brasília: MEC/sef.

Resolução, C. N. E. (2002). CNS nº 4, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 4, 11. Disponível em: http://www.mec.gov.br. Acesso em: 25 Ago. 2019.

Bueno, J. G. S. (1999). Crianças com necessidades educativas especiais, política educacional e a formação de professores: generalistas ou especialistas. Revista Brasileira de educação especial, 3(5), 7-25.

Chacon, M. C. M. (2001). Formação de Recursos Humanos em Educação Especial: respostas das universidades à recomendação da Portaria Ministerial nº 1793 de 27-12-1994. Revista Brasileira de educação especial, 10(3).

Garcia, R. M. C. (2013). Política de educação especial na perspectiva inclusiva e a formação docente no Brasil. Revista Brasileira de Educação, 18, 101-119. https://doi.org/10.1590/S1413-24782013000100007.

Glat, R., & de Lima Nogueira, M. L. (2003). Políticas educacionais e a formação de professores para a educação inclusiva no Brasil. Comunicações, 10(1), 134-142.

Glat, R., & Pletsch, M. D. (2004). O papel da universidade frente às políticas públicas para educação inclusiva. Benjamin Constant, (29).

Günther, H. (2006). Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: Teoria e Pesquisa, 22(2), 201-209. https://doi.org/10.1590/S0102-37722006000200010.

Libâneo, J. C., & Pimenta, S. G. (1999). Formação de profissionais da educação: visão crítica e perspectiva de mudança. Educação & Sociedade, 20(68), 239-277. https://doi.org/10.1590/S0101-73301999000300013.

Miranda, A. A. B. (2004). História, deficiência e educação especial. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, 15, 1-7.

Mizukami, M. D. G. N. (2005). Aprendizagem da docência: professores formadores. Revista E-curriculum, 1(1).

Nunes, S. D. S., Saia, A. L., & Tavares, R. E. (2015). Educação Inclusiva: entre a história, os preconceitos, a escola e a família. Psicologia: ciência e profissão, 35, 1106-1119. https://doi.org/10.1590/1982-3703001312014.

Pletsch, M. D. (2009). A formação de professores para a educação inclusiva: legislação, diretrizes políticas e resultados de pesquisas. Educar em revista, 143-156. https://doi.org/10.1590/S0104-40602009000100010.

Poker, R. B., Valentim, F. O. D., & Garla, I. A. (2018). Inclusão no ensino superior: a percepção de docentes de uma instituição pública do interior do estado de São Paulo. Psicologia Escolar e Educacional, 22, 127-134.

Resolução, C. N. E. (2002). CNS nº 4, de 19 de fevereiro de 2002. Institui Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Fisioterapia. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, 4, 11. Disponível em: http://www.mec.gov.br. Acesso em: 25 Ago. 2019.

Sánchez, P. A. (2005). A educação inclusiva: um meio de construir escolas para todos no século XXI. Revista da Educação Especial, 1(1), 7-18.

Stainback, W., & Stainback, S. (1989). Un solo sistema una única finalidad: la integración de la Educación Especial y de la Educación Ordinaria. Siglo Cero, 121, 26-28.

Souza, L. M. (2008). A inclusão de alunos com deficiência na Universidade Federal do Piauí: concepções de professores (Doctoral dissertation, Dissertação de Mestrado em Educação, Universidade Federal do Piauí, Teresina, PI).

Vilela-Ribeiro, E. B., & Benite, A. M. C. (2013). Alfabetização científica e educação inclusiva no discurso de professores formadores de professores de ciências. Ciência & Educação (Bauru), 19(3), 781-794. https://doi.org/10.1590/S1516-73132013000300016.

Vitalino, C. R. (2007). Análise da necessidade de preparação pedagógica de professores de cursos de licenciatura para inclusão de alunos com necessidades educacionais especiais. Revista Brasileira de Educação Especial, 13, 399-414. https://doi.org/10.1590/S1413-65382007000300007.

Zulian, M. S., & Freitas, S. N. (2001). Formação de professores na educação inclusiva: aprendendo a viver, criar, pensar e ensinar de outro modo. Revista Educação Especial, 47-57.

Walberg, H. J., & Wang, M. C. (1987). Effective educational practices and provisions for individual differences. Handbook of special education: Research and practice, 1, 113-128.

Downloads

Publicado

2022-10-16