A PARTIR E CONTRA FOUCAULT:

AS NOVAS INJUNÇÕES DA GUERRA, DA BIOPOLÍTICA E DA SOBERANIA NA ATUAL RECEPÇÃO CRÍTICA DO PENSAMENTO FOUCAULTIANO

Autores

Palavras-chave:

Biopolítica. Soberania. Guerra. Governamentalidade. Violência política. Gestão estatal neoliberal.

Resumo

Este artigo examina as novas injunções do pensamento político de Michel Foucault realizadas pela atual recepção crítica dos cursos ministrados pelo filósofo no Collège de France durante os anos 1970. Neste sentido, o artigo pretende sublinhar, brevemente, a maneira crítica a partir da qual Christian Laval e Pierre Dardot, Éric Alliez e Maurizio Lazzarato, e igualmente Bernard Harcourt, retomam os temas da soberania, da guerra, da governamentalidade e do biopoder na obra de Foucault para delimitar novas formas de violência política e de gestão estatal neoliberal. O artigo também localiza as obras pioneiras de Giorgio Agamben e Achille Mbembe no que concerne a uma articulação entre biopolítica e exceção soberana. Ao fim, procuramos ainda ressaltar algumas questões gerais concernentes a esta recepção crítica atual da obra de Foucault.

Biografia do Autor

André Constantino Yazbek, Universidade Federal Fluminense, Brasil

Mestre e Doutor em Filosofia pelo Programa de Estudos Pós-graduados em Filosofia da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP), tendo realizado parte de seu doutorado na École Normale Supérieure de Paris (ENS) e no Institut Mémoires de l'Édition Contemporaine (IMEC). Também possui um estágio de pós-doutorado na École Normale Supérieure de Lyon (ENS-Lyon). Dedica-se ao estudo das principais correntes da filosofia francesa contemporânea, com destaque para as obras de Jean-Paul Sartre e Michel Foucault. Atualmente, é Professor Adjunto do Departamento de Filosofia (GFL) e do Programa de Pós-Graduação em Filosofia (PFI) da Universidade Federal Fluminense (UFF).

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Homo sacer. O poder soberano e a vida nua I. Tradução de Henrique Burigo. São Paulo: Boitempo, 2007.

ALLIEZ, Eric; LAZZARATO, Maurizio. Guerras e capital. Tradução de Pedro Paulo Pimenta. São Paulo: Ed. Ubu, 2021.

BOTTICI, Chiara. Rethinking the biopolitical turn from the thanatopolitical to the geneapolitical paradigm. Graduate Faculty Philosophy Journal, New York, vol. 36, issue 1, 2015, p. 175-197.

DARDOT, Pierre; LAVAL, Christian. A nova razão do mundo: ensaio sobre a sociedade neoliberal. Tradução de Mariana Echalar. São Paulo: Boitempo, 2016.

__________. Never ending nightmare: how neoliberalism dismantles democracy. Tradução de Gregory Elliott. London/New York: Ed. Verso, 2019.

DARDOT, Pierre. [et. al.]. A escolha da guerra civil: uma outra história do neoliberalismo. Tradução de Márcia Cunha. São Paulo: Elefante, 2021.

FOUCAULT, Michel. Le sujet et le pouvoir. In: DEFERT, Daniel; EWALD, François (org.). Dits et Écrits II, 1976-1988. Paris: Quarto-Gallimard. 2001.

__________. Em defesa da sociedade: curso no Collège de France (1975-1976). Tradução de Maria Ermantina Galvão. São Paulo: Martins Fontes, 2005.

__________. Nascimento da biopolítica: curso no Collège de France (1978-1979). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008a.

__________. Segurança, território, população: curso no Collège de France (1977-1978). Tradução de Eduardo Brandão. São Paulo: Martins Fontes, 2008b.

__________. A sociedade punitiva: curso no Collège de France (1972-1973). Tradução de Ivone C. Benedetti. São Paulo: Martins Fontes, 2015.

HARCOURT, B. E. The Counterrevolution: how our government went to war against its own citizens. Nova York: Ed. Hachette, 2018.

__________. Rethinking power with and beyond Foucault. Carceral Notebooks, Chicago, vol. 9, 2013, p. 79-87.

LAVAL, Christian. Governamentalidade e violência neoliberal. In: CASTELO BRANCO, Felipe de Oliveira; YAZBEK, André Constantino (orgs.). Pensar o neoliiberalismo: epistemologia, política, economia. São Paulo: Ruptura, 2023.

LAZZARATO, M. Fascismo ou revolução? O neoliberalismo em chave estratégica. Tradução de Takashi Wakamatsu e Fernando Scheibe. São Paulo: N-1 Edições, 2019.

LEMKE, Thomas. Biopolitics: an advanced introduction. Tradução de Eric Frederick Trump. New York/London: New York University Press, 2011.

__________. Foucault, governamentalidade e crítica. Plural, Revista de Ciências Sociais, São Paulo, vol. 24, número 1, janeiro-junho de 2017, p. 194-213.

MBEMBE, Achille. Necropolítica. Revista Arte e Ensaios, Rio de Janeiro, número 32, dezembro de 2016, p. 122-151.

MENDIETA, Eduardo. Biopolitics. In: LAWLOR, Leonard.; NALE, John. (orgs.) The Cambridge Foucault Lexicon. New York: Cambridge University Press, 2014.

MISES, Ludwig von. Human action: a treatise on economics. Auburn: Mises Institute, 1998.

PELBART, Pál Pelbart. Biopolítica e brutalismo em chave estratégica. Revista Internacional Interdisciplinar INTERthesis, Florianópolis, vol. 17, janeiro-dezembro de 2020, p. 01-10.

REIS, Diego dos Santos. Políticas da inimizade, de Achille Mbembe. Cadernos de Ética e Filosofia Política, São Paulo, volume 2, número 37, 2020, p. 252-256.

RÖPKE, Wilhelm. International economic disintegration. London: William Hodge & Company, 1942.

SCHMITT, C. Der Begriff des Politischen. Berlim: Duncker & Humblot, 2020.

YAZBEK, André Constantino. Soberania e violência biopolítica neoliberal: revisitando o paradigma da guerra no pensamento de Michel Foucault. Revista Natureza Humana, São Paulo, vol. 23, número 2, 2021, p.46-62.

WALTERS, W. Governmentality: critical encounters. London: Routledge, 2012.

Publicado

2024-06-26

Como Citar

Yazbek, A. C. (2024). A PARTIR E CONTRA FOUCAULT:: AS NOVAS INJUNÇÕES DA GUERRA, DA BIOPOLÍTICA E DA SOBERANIA NA ATUAL RECEPÇÃO CRÍTICA DO PENSAMENTO FOUCAULTIANO. REVISTA INSTANTE, 6(2), 149–170. Recuperado de https://revista.uepb.edu.br/revistainstante/article/view/3217

Edição

Seção

Artigos