MITOLOGIA DA PERDA:

SOBRE UMA CARACTERÍSTICA ESTRUTURANTE DA ONTOLOGIA

Autores

  • Carlos Arthur Resende Pereira Universidade Federal Fluminense, Brasil

Palavras-chave:

Ontologia. Mito. Nostalgia. Temporalidade. Narrativa.

Resumo

O presente artigo procura apresentar como característica distintiva do discurso da ontologia a formulação de um “mito de origem” da condição humana, compreendida a partir da perda estrutural de um elemento formador da nossa humanidade, e que a própria atividade filosófica visa restaurar – como forma ritual adequada a esse mito. Tomamos como fio condutor da análise a apresentação do discurso ontológico em um lugar no qual ele é explicitamente nomeado (a obra de Martin Heidegger), comparando momentos de sua reflexão com seu outro extremo cronológico (o discurso da ontologia em Platão). Nota-se, nos dois extremos da ontologia, uma igual propensão em fazer da filosofia a análise diagnóstica dessa perda e, ao mesmo tempo, sua prática remediadora. Ao final do texto, nós procuraremos esboçar uma alternativa, para a filosofia, à mitologia da perda que se apresenta no discurso da ontologia: a possibilidade de fragmentação temporal do círculo mítico, encontrado nas narrativas literárias.

Biografia do Autor

Carlos Arthur Resende Pereira, Universidade Federal Fluminense, Brasil

Professor substituto no Departamento de Filosofia da Universidade Federal Fluminense (GFL/UFF). Professor de Filosofia e Sociologia no Pré-Enem Rodarte (São João del Rei/MG). Doutor em Filosofia pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Possui mestrado em Filosofia pela Universidade Federal Fluminense e graduação em Filosofia (Licenciatura) pela Universidade Federal de São João Del Rei. Tem experiência na área de Filosofia, atuando nos seguintes temas: Ontologia Fundamental e Metafísica tradicional, Pensamento ameríndio brasileiro, Filosofia da arte, Linguagem e Memória, Filosofia e Literatura.

Referências

AGAMBEN, Giorgio. Infância e História: Destruição da experiência e origem da história. Trad. Henrique Burigo. 3.reimp. Belo Horizonte: UFMG, 2014.

ARISTÓTELES. La Métaphysique. Trad. et commentaire par J. Tricot. Paris: J. Vrin, 1991.

_______. Poética. Trad. Eudoro de Souza. São Paulo: Abril Cultural, 1973 (Col. Os Pensadores).

BARTHES, Roland. Mitologias. Trad. Rita Buongermino e Pedro de Souza. 3.ed. Rio de Janeiro; São Paulo: Difel, 1978.

CAPUTO, John. Desmitificando Heidegger. Trad. Leonor Aguiar. Lisboa: Instituto Piaget, 1998.

ELIADE, Mircea. O Sagrado e o Profano: A essência das religiões. Trad. Rogério Fernandes. São Paulo: Martins Fontes, 2013.

HEIDEGGER, Martin. Sein und Zeit. Siebente unveränderte Auflage. Tübingen: Max Niemeyer: 1953.

_______. Vom Wesen der Wahrheit. In: Wegmarken (Gesamtausgabe I: Band 9). Frankfurt am Main: Vittorio Klostermann, 1976.

_______. Os Conceitos Fundamentais da Metafísica: Mundo – Finitude – Solidão. Trad. de Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2003

_______. Nietzsche II. Trad. Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2010.

LÉVI-STRAUSS, Claude. Antropologia Estrutural. Trad. Chaim Samuel Katz e Eginardo Pires. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1975.

NASSAR, Raduan. Lavoura Arcaica. In: _______. Obra Completa. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

NOVALIS. Novalis Schriften: Kritische Neuausgabe auf Grund des handschriftlichen Nachlasses. Teil 2. Hälfte 2. Ed. Ernst Heilborn. Berlin: De Gruyter, 1901.

NUNES, Benedito. O Tempo na Narrativa. São Paulo: Loyola, 2013.

PLATÃO. O Sofista. In: Diálogos. Trad. de João Cruz Costa e Jorge Peleikat. São Paulo: Abril Cultural, 1972 (Col. Os Pensadores).

_______. Fédon. Trad. de Carlos Alberto Nunes. Ed. bilíngue (grego-português). Belém: UFPA, 2011.

_______. Fedro. Trad. de José Cavalcante de Souza, posfácio e notas de José Trindade dos Santos. Ed. bilíngue (grego-português). São Paulo: Editora 34, 2016a.

_______. A República. Trad. de Carlos Alberto Nunes. Ed. bilíngue (grego-português). Belém: UFPA, 2016b.

RORTY, Richard. Heidegger, Kundera e Dickens. In: _______. Ensaios sobre Heidegger e Outros. Trad. Marco Antônio Casanova. Rio de Janeiro: Relume-Dumará, 2002.

STEGMAIER, Werner. Nietzsche segundo Heidegger. In: _______. As Linhas Fundamentais do Pensamento de Nietzsche: Coletânea de artigos: 1985-2009. Org. Jorge Luiz Viesenteiner e André Luis Muniz Garcia. Trad. Oswaldo Giacoia Jr. et alli. Petrópolis: Vozes, 2013.

TORRANO, Jaa. O Pensamento Mítico no Horizonte de Platão. São Paulo: Annablume, 2013.

WAHRIG-BURFEIND, Renate (Org.). Wahrig: Dicionário semibilíngue para brasileiros – Alemão. Trad. de Karina Jannini e Rita de Cássia Machado. São Paulo: Martins Fontes, 2011.

Publicado

2024-06-26

Como Citar

Pereira, C. A. R. (2024). MITOLOGIA DA PERDA:: SOBRE UMA CARACTERÍSTICA ESTRUTURANTE DA ONTOLOGIA. REVISTA INSTANTE, 6(2), 254–275. Recuperado de https://revista.uepb.edu.br/revistainstante/article/view/3383

Edição

Seção

Artigos