A FORMAÇÃO DOCENTE INICIAL E EXPERIÊNCIAS INCLUSIVAS NO CURSO DE GEOGRAFIA DA UFCG

Autores

  • Sonia Lira UFCG
  • Polyana UFCG

Palavras-chave:

professor de Geografia; formação; extensão universitária; inclusão

Resumo

O presente trabalho versa sobre a formação inclusiva e a contribuição da extensão na formação dos estudantes do curso de licenciatura em Geografia da Universidade Federal de Campina Grande. A inclusão das pessoas no espaço escolar depende de ambiente e materiais pedagógicos com desenho universal, mas principalmente de profissionais capacitados. Neste sentido, partimos dos seguintes questionamentos: os futuros docentes e, especificamente, aqueles da área de Geografia estão preparados para atender essas pessoas? Qual o papel da extensão universitária na construção dessa formação? A partir dessa problematização, tomou-se como objetivo geral analisar de que forma ocorreu a formação docente inicial, na perspectiva inclusiva, dos licenciandos em Geografia através do projeto de extensão Oficinas utilizando o livro falado de Literatura e Geografia para estudantes com deficiência visual. E de forma mais específica: identificar como a educação especial, na perspectiva inclusiva, foi se consolidando a partir dos aportes legais e como a formação docente foi tratada nesse contexto; entender características dos estudantes com deficiências participantes do projeto e verificar de que forma o projeto de extensão vivenciado contribuiu para a formação inicial inclusiva dos licenciandos em Geografia. A metodologia utilizada foi a qualitativa, por meio da abordagem da pesquisa participante, além da aplicação de questionários aos participantes do projeto. A partir da análise dos resultados, concluiu-se que o projeto supracitado oportunizou formação inclusiva para os futuros docentes de Geografia e que, se não fosse através dele, os extensionistas teriam poucas oportunidades ou não teriam vivenciado a educação inclusiva na prática. Diante desses resultados, faz-se necessário aprofundar as discussões e ampliar essas práticas no curso de licenciatura em Geografia da UFCG, porque mesmo tendo sido acrescida uma disciplina que trata dessa temática na nova grade curricular do curso, ainda não é suficiente para atender tal demanda formativa dos licenciandos.

Referências

Referências

Brandão, C. R. (1981). Pesquisa participante. São Paulo: Brasiliense. p.72.

Brasil. (2013). Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo Escolar de 2012: resumo técnico. Disponível em: https://download.inep.gov.br/educacao_basica/censo_escolar/. Acesso em: 06 set. 2021.

Brasil. (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado.

Brasil. (1961). Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da União, Seção 1, p. 11429. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L4024.html. Acesso em: 08 jan. 2021.

Brasil. (1971). Lei nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa Diretrizes e Bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Brasília, DF. p. 1. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/Leis/L5692.html. Acesso em: 16 mar. 2020.

Brasil. (1996). Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira - LDB. Brasília, DF: Ministério da Educação e Cultura, p. 2. Disponível em: https://www2.senado.leg.br/bdsf/bitstream/handle/id/529732/lei_de_diretrizes_e_bases_1ed.pdf. Acesso em: 16 mar. 2020.

Brasil. (2001). Lei nº 10.172, de 09 de janeiro de 2001. Plano Nacional de Educação – PNE/Ministério da Educação. Brasília, DF: INEP. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf_legislacao/tecnico/legisla_tecnico_lei10172.pdf. Acesso em: 17 mar. 2020.

Brasil. (2002) Lei Federal nº 10.436, de 24 de abril de 2002. Dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras e dá outras providências. Brasília, DF: Senado.

Brasil. (2005) Decreto nº 5.626, de 22 de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei nº 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei nº 10.098, de 19 de dezembro de 2000.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. (2006). Educação Infantil. Saberes e Práticas da Inclusão: Dificuldades de comunicação e sinalização: Deficiência visual. 4. ed. Ministério da Educação - Brasília: MEC, Secretaria de Educação Especial. 81p.

Brasil. Secretaria de Educação Especial. (2008). Política Nacional de Educação Especial na Perspectiva da Educação Inclusiva. Brasília, DF: Senado. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/arquivos/pdf/politicaeducespecial.pdf. Acesso em: 19 mar. 2020.

Brasil. (2014). Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília: DF, Senado. Seção 1.

Brasil. (2015). Lei nº 13.146, de 06 de julho de 2015. Institui a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2015/Lei/L13146.htm. Acesso em: 19 mar. 2020.

Brasil. (2014). Plano Nacional de Educação 2014-2024. Brasília: MEC.

Brasil. (2017) Censo da Educação Básica 2012: Notas Estatísticas. Brasília, MEC/INEP.

Campos, M. L. I. L. (2014). Educação Inclusiva para Surdos e as Políticas Vigentes. In: Lacerda, C. B. F. & Santos, L. F. (orgs.). Tenho um aluno surdo, e agora? Introdução à LIBRAS e educação de surdos. São Carlos: EDUFSCar. p. 37-61.

Censo Demográfico 2010 (2012). Características gerais da população, religião e pessoas com deficiência. Rio de Janeiro: IBGE. Disponível em: https://biblioteca.ibge.gov.br/visualizacao/periodicos/94/cd_2010_religiao_deficiencia.pdf. Acesso em: 07 set. 2019.

Filho, L. D. S. (2018). A Convenção Internacional sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência: sua concretude no ordenamento jurídico brasileiro. Revista Jus Navigandi. Teresina, n. 5321, 25. p. 4. Disponível em: https://jus.com.br/artigos/37069. Acesso em: 26 abr. 2020.

Gatti, B. et al. (2019). A trajetória das políticas em formação de professores e professoras. Professores do Brasil: novos cenários de formação. Brasília: UNESCO. p. 72.

Gil, A. C. (2008). Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo: Atlas.

Instituto Benjamin Constant. História do Instituto. Disponível em: http://www.ibc.gov.br/Texto/indextxt.html. Acesso em: 20 mar. 2020.

Lira, S. M. & Alencar, D. N. F. (2018) A dialética inclusão/exclusão no contexto socioespacial do Semiárido Nordestino: o direito à Educação Geográfica para as Pessoas com Deficiência Visual. Rev. Incl. v. 4. Num. Especial, p. 75-104.

Lombardo, M. A. & Castro, J. F. M. (1996) O uso de maquete como recurso didático. In: Geografia e Ensino. II Colóquio de Cartografia para Crianças, Belo Horizonte, Anais [...] UFMG/IGC/Departamento de Geografia, 6(1) p. 81-83, 1997.

Mantoan, M. T. É. (2003). Inclusão escolar: o que é? por quê? como fazer? São Paulo: Moderna. p. 16.

Sá, E. D., Campos, I. M. & Silva, M. B. C. (2007). Atendimento Educacional Especializado: Deficiência Visual. Brasília: Gráfica e Editora Cromos. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/seesp/arquivos/pdf/aee_dv.pdf. Acesso em: 26 abr. 2020.

Thoma, A. S. et al. (2014). Relatório sobre a política linguística de educação bilíngue: língua brasileira de sinais e língua portuguesa. Brasília: Ministério da Educação. Disponível em: http://www.bibliotecadigital.unicamp/. Acesso em: 14 jun. 2020.

Unicef. (2017). Declaração Mundial sobre Educação para Todos (Conferência de Jomtien – 1990). UNICEF BRASIL, 2017. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/pt/resources_10230.html. Acesso em: 01 maio 2020.

Downloads

Publicado

2022-06-28