Práticas de normalização discursiva: o corpo negro na estética feminina portinariana

el cuerpo negro en la estética femenina de Portinari

Autores

Palavras-chave:

Normalização, Estética portinariana, Mulher negra brasileira.

Resumo

No presente artigo, tematizamos a representação visual da mu- lher negra brasileira na produção estética de Cândido Portinari. Sob o viés de uma análise dos discursos de orientação foucaultiana, objetivamos ve- rificar se o princípio de enunciabilidade, na iconografia portinariana, se constitui por meio de uma normalização do fazer artístico. A análise apon- ta a existência de um regime disciplinado para a representação visual do corpo negro feminino, cuja condição de existência se sustenta na conver- gência entre história e memória, no ponto em que a sexualização do corpo torna-se, enquanto regularidade no discurso, materialidade significante dos sentidos do social.

Biografia do Autor

Jefferson Campos, Universidade Estadual de Maringá - UEM

É Mestre e Doutor em Letras (Área de Concentração: Estudos do Texto e do Discurso) pelo Programa de Pós-Graduação em Letras da Universidade Estadual de Maringá (PLE/UEM).

Referências

BENJAMIN, Walter. A obra de arte na época de sua reprodutibilidade téc- nica. In: LIMA, Luiz Costa (org). Teoria da cultura de massa. São Paulo: Paz e Terra, 2000, p. 205-240.

BURKE, Peter. Visto y no visto: el uso de la imagen como documento his- tórico. Traducción de Teófilo de Lozoya. 1. ed. Barcelona: Crítica, 2005.

CAMPOS, Jefferson Gustavo dos Santos; TASSO, Ismara Eliane Vidal de Souza. Matizes de sentidos na iconografia portinariana: a sensualidade como (in) visibilidade do social na representação da mulher negra brasi- leira. In.: COLÓQUIO INTERNACIONAL DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS E LITERÁRIOS, 1; COLÓQUIO DE ESTUDOS LINGUÍSTICOS E LITE- RÁRIOS, 4, 2010, Maringá. Anais... Maringá: Universidade Estadual de Maringá, 2010.

DREYFUS, Hubert L.; RABNOW, Paul. Michel Foucault: uma trajetória filosófica – Para além do Estruturalismo e da Hermenêutica. Trad. de Vera Porto Carrero. S.l.: Forense Universitária, S.d.

FOUCAULT, Michel. A ordem do discurso: aula inaugural no Collège de France, pronunciada em 2 de dezembro de 1970. Tradução de Laura Fraga de Almeida Sampaio. 3. ed. São Paulo: Loyola, 1996. (Coleção Leituras filosóficas).

______. Nietzsche, a genealogia e a história. In: ______. Microfísica do poder. Introdução, organização e tradução de Roberto Machado. 13. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1998, p. 15-37. (Biblioteca de Filosofia e História das Ciências vol. 7).

______. As palavras e as coisas: uma arqueologia das Ciências Humanas. Tradução de Salma Tannus Muchail. 8. ed. 2. tir. São Paulo: Martins Fontes, 2000. (Coleção Tópicos).

______. A arqueologia do saber. Tradução de Luiz Felipe Baeta Neves. 7. ed. 3. reimpr. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2008a. (Coleção Campo Teórico).

______. Segurança, território e população: curso dado no Collège de France (1977-1978). Tradução de Eduardo Brandão.. Edição estabelecida por Michel Senellart sob a direção de Françoise Ewald e Alessandro Fonta- na. 1. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008b. (Coleção Tópicos).

GREGOLIN, Maria do Rosário. Foucault e Pêcheux na Análise do Discurso: diálogos e duelos. 2. ed. São Carlos: Claraluz, 2006.

LOBO, Lilia Ferreira. Corpo cativo e corpo assujeitado: as marcas da defi- ciência. In: ______. Os infames da história: pobres, escravos e deficien- tes no Brasil. Rio de Janeiro: Lamparina, 2008.

MILANEZ, Nilton. A disciplinaridade dos corpos: o sentido em revista. In: NAVARRO-BARBOSA, Pedro; SARGENTINI, Vanice (orgs.). Foucault e os domínios da linguagem: discurso, poder, subjetividade. São Carlos: Claraluz, 2004, p. 183-200.

______. O corpo é um arquipélago: memória, intericonicidade e identi- dade. In: NAVARRO, Pedro (org.). Estudos do texto e do discurso: mape- ando conceitos e métodos. São Carlos: Claraluz, 2006, p. 153-179.

TASSO, Ismara Eliane Vidal de Souza; CAMPOS, Jefferson Gustavo dos Santos. Stances of (in)visibility of the female negro body: focusing on portinari’s pictorial aesthetics. Acta Scientiarun: language and culture, Maringá, v. 32, n. 2, p. 163-170, 2010.

Downloads

Publicado

01.10.2018

Como Citar

Campos, J. . (2018). Práticas de normalização discursiva: o corpo negro na estética feminina portinariana: el cuerpo negro en la estética femenina de Portinari. DISCURSIVIDADES, 3(2), 8–25. Recuperado de https://revista.uepb.edu.br/REDISC/article/view/870