A coesão nominal e a conexão em textos argumentativos produzidos por alunos ingressantes no ensino médio

Autores

Palavras-chave:

Palavras-chave: Ensino de Língua Materna. Produção Escrita. Coesão Nominal e Conexão. Progressão Temática.

Resumo

O objetivo deste artigo é apresentar um recorte das contribuições da Tese de Doutoramento (DODÓ, 2020), cujo objetivo era analisar a coesão nominal e a conexão na produção do gênero textual Redação do Enem de alunos ingressantes no Ensino Médio, considerando os efeitos de sentido desses mecanismos de coesão para garantir a progressão temática. Os questionamentos-chave deste trabalho são: I) que dificuldades o estudante ingressante no Ensino Médio enfrenta ao produzir textos coesos, quando é submetido a escrever textos dissertativo-argumentativos? E II) de que maneira o estudante ingressante no Ensino Médio se apropria dos elementos linguístico-discursivos materializados na coesão nominal e na conexão e os utiliza em textos dissertativo-argumentativos? Nosso aporte teórico é a epistemologia do Interacionismo Sociodiscursivo (BRONCKART, 1999/2012) e Adam (2011). Os dados revelaram que os alunos apresentaram dificuldade em construir a progressão temática. Quanto ao uso dos elementos coesivos, confirmamos que a coesão nominal é um recurso linguístico que torna o texto um todo conexo e que os mecanismos de textualização (a coesão nominal e a conexão) tanto funcionam para construir e garantir a progressão temática quanto para a composição e estruturação de um determinado gênero de texto, neste caso, o texto exigido na prova de produção textual do Enem.

Biografia do Autor

Walisson Dodó, Secretaria da Educação do Ceará

Doutor em Linguística pela Universidade Federal do Ceará (UFC). Professor da Rede Estadual de Ensino do Ceará – SEDUC – CE.

Eulália Leurquin, Universidade Federal do Ceará

Professora Doutora do Programa de Pós-Graduação em Linguística da Universidade Federal do Ceará (UFC).

Referências

ADAM, J. M. A linguística textual: introdução análise textual dos discursos. 2. ed. revista e aumentada. São Paulo: Cortez, 2011.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo socio-discursivo. Tradução Anna Raquel Machado, Péricles Cunha. São Paulo: EDUC, 1999.

BRONCKART, J. P. Atividade de linguagem, textos e discursos: por um interacionismo socio-discursivo. Tradução de Anna Rachel Machado e Péricles Cunha. 2. ed. 2. reimpr. São Paulo: EDUC, 2012.

HABERMAS, J. Thérie de l’agir communicationnel. Paris: Fayard, 1987. t. I et II.HALLIDAY, M. A. K.; HASAN, R. Cohesion in English. London: Longman, 1976.

KOCH, I. G. V. A coesão textual. São Paulo: Contexto, 2005.

KOCH, I. V. O texto e a construção dos sentidos. São Paulo: Contexto: 2000.

MARCUSCHI, L. A. Linguística do texto: o que é e como se faz. São Paulo: Parábola, 2012.

MARCUSCHI, L. A. Gêneros textuais: definição e funcionalidade. In: DIONÍSIO, A. P. et al. (org.). Gêneros textuais e ensino. Rio de Janeiro: Lucerna, 2002. p. 19-36.

MARCUSCHI, L. A. Anáfora indireta: o barco textual e suas âncoras. Revista Letras, Curitiba, n.56, p. 217-258, 2001.

RIEGEL, M.; PELLAT, J.; RIOUL, P. (org.). Grammaire méthodique du français. Paris: PUF, 1994.

SABATINI, F. La communicazione e gli usi della lingua. Turin: Loescher, 1990.

Downloads

Publicado

05.07.2022

Como Citar

Dodó, W., & Leurquin, E. (2022). A coesão nominal e a conexão em textos argumentativos produzidos por alunos ingressantes no ensino médio. DISCURSIVIDADES, 11(2), e1122203. Recuperado de https://revista.uepb.edu.br/REDISC/article/view/1005