Atrás do pensamento: a escrita sem logos de Objeto gritante e Água viva, de Clarice Lispector

Autores

Palavras-chave:

Clarice Lispector, Helène Cixous, Animalidade, Autoria feminina

Resumo

A obra Água viva, originalmente chamada de Objeto gritante, foi muitas vezes modificada até sua e definitiva versão ser publicada. A preocupação de Clarice com a linguagem, no entanto, se mantém, haver na descrição de um “atrás do pensamento” não-nomeado uma crítica ao logocentrismo. Dessa forma, o presente artigo busca analisar o que na obra parece aludir a uma forma de pensar a vida, a linguagem e os seres animais que foge do princípio de racionalização e dá um novo sentido ao termo “animalidade”. A partir de questões do animal levantadas por Derrida (2006), o conceito de perspectivismo dado por Viveiros de Castro (1996) e as análises da obra da escritora feitas por Sammer (2020) e Roncador (2002), o artigo também analisará o que na escrita de Clarice parece entrever uma relação particular entre mulheres e animais, passando também pelo conceito de écriture fémi- nine tal como cunhado por Helène Cixous (1976).

Biografia do Autor

Renata Villon, UFRJ/CNPq

Pesquisadora do CNPq e mestranda do Programa de Pós-Graduação em Ciências da Literatura da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), com bacharelado em Línguas Português-Francês pela mesma instituição.

Referências

ADAMS, Carol J. Políticas sexuais da carne: uma teoria feminista-vegeta- riana. Tradução de Cristina Cupertino. Alaúde, 2018. Arquivo Kobo.

CIXOUS, Helène. “The laugh of the Medusa”. Tradução de Keith Cohen e Paula Cohen. In: Signs, Vol. 1, No. 4, pp. 875-893. Chicago: The University of Chicago press, 1976. Disponível em: <http://www.jstor.org/ stable/3173239?origin=JSTOR-pdf>. Acesso em: 15 de fevereiro de 2022.

CIXOUS, Helène. Reading with Clarice. Tradução de Verena Andermatt Conley. Minneapolis: University of Minnesota Press, 1990.

DERRIDA, Jacques. O animal que logo sou. Tradução de Fábio Landa. São Paulo: Editora UNESP, 2002.

DERRIDA, Jacques. L’animal que donc je suis. Paris: Galilée, 2006. DESCARTES, René. Meditações. (Os Pensadores). São Paulo: Abril Cultural,1983.

LE GUIN, Ursula. “She unnames them”. In: The New Yorker, January 21, 1985, p. 27. Disponível em: <https://www.newyorker.com/magazine/1985/01/21/ she-unnames-them>. Acesso em: 15 de fevereiro de 2022.

LISPECTOR, Clarice. Água viva: edição com manuscritos e ensaios inéditos. Rocco digital. 2019.

LISPECTOR, Clarice. A hora da estrela. Rocco, 1977. Disponível em: <https://lelivros.love/book/download-a-hora-da-estrela-clarice-lispector- epub-mobi-e-pdf/>. Acesso em: 15 de fevereiro de 2022.

LISPECTOR, Clarice. A paixão segundo G.H. Rocco, 1964. Disponível em: <https://kbook.com.br/wp-content/files_mf/paix%C3%A3osegundogh. pdf>. Acesso em: 15 de fevereiro de 2022.

LISPECTOR, Clarice. Laços de família. Rocco, 1960. Disponível em: . Acesso em: 15 de fevereiro de 2022.

LISPECTOR, Clarice. Arquivo de Clarice Lispector. In: Arquivo-Museu de Literatura da Fundação Casa Rui Barbosa, Rio de Janeiro.

LISPECTOR, Clarice. Todas as crônicas. Rocco digital, 2018.

RONCADOR, Sônia. Poéticas do empobrecimento: a escrita derradeira de

Clarice. São Paulo: Annablume, 2002.

SAMMER, Renata. Sobrenatureza, Água viva: o conceito à luz da ficção de Clarice Lispector. In: Remate de Males, V. 40, n.1. Campinas: 2020. DOI: 10.20396/remate.v40i1.8656951

VIVEIROSDECASTRO,Eduardo.“Ospronomescosmológicoseoperspectivismo ameríndio”. In: Revista Mana, vol. 2, n. 2. 1996. Disponível em: . Acesso em: 15 de fevereiro de 2022.

WEISS, David. Refusing to name the animals. Disponível em: . Acesso em: 15 de fevereiro de 2022.

Downloads

Publicado

26.08.2022

Como Citar

Villon, R. (2022). Atrás do pensamento: a escrita sem logos de Objeto gritante e Água viva, de Clarice Lispector. DISCURSIVIDADES, 11(2), e1122207. Recuperado de https://revista.uepb.edu.br/REDISC/article/view/1012